Em Braga sê romano. Vamos recuar dois milénios

A cidade dos arcebispos recuou 2000 anos até ao seu glorioso passado romano. E foi recompensada com a visita do augusto imperador.

Gladiadores e cartomantes, artesãos e soldados, seres mitológicos e nobres arrogantes misturaram-se com a imensidão de visitantes nas ruas históricas, durante a Braga Romana, evento que se repete há já vários anos.

Mesquita Machado, o conhecido autarca, participou no cortejo de abertura qual César Augusto reencarnado. Outro que não ele poderia sentir-se constrangido por vestir a púrpura imperial. Mas Mesquita Machado manteve-se no poder durante quase 40 anos (isto é, desde as primeiras eleições pós-25 de Abril), para orgulho de uns e ódio de outros.

Diatribes políticas à parte, concorde-se que a Braga Romana é um caso de imenso sucesso. Durante alguns dias, o coeur da Bracara Augusta transforma-se, milhares participam como figurantes (mais de 5000 crianças só no desfile inaugural) e as lojas enchem.

A nossa visita começou na avenida Central, onde um grupo de artes performativas conseguiu ignorar o barulho das tunas académicas, que continuaram a sua alegre e ruidosa jornada pela pedonal rua do Souto (a equivalente à Santa Catarina, no Porto, ou à lisboeta Augusta).

 

No largo do Paço, um acampamento militar fazia as delícias da criançada, entretida a desconjuntar as máquinas de guerra artesanais. Os soldados pareciam um pouco enfadados, mantiveram-se sentados em pequenos grupos. Talvez fizesse parte do seu papel de invasores. Será?

Dali, cortámos para a rua de N. Senhora do Leite, uma travessa apinhada de gente, videntes e cartomantes (para meu espanto, algumas tinham fila de espera). Logo depois, no Rossio da Sé, um oleiro e a sua incansável roda de argila atraíram a nossa curiosidade.

Soldados romanos brindavam às suas vitórias, outros sequiosos imitavam-nos junto às tabernas improvisadas, num contínuo reabastecer de vinho, licor e hidromel. Nas bancas dos mercadores, muita cor e variedade, com alguma preponderância para os chás, frutos biológicos, doces e artesanato.

Seguimos, literalmente, o nariz até à barraquinha dos crepes, onde não resistimos a um Crepe Pompeu: massa de trigo e aveia, recheada com maçã cozida, creme de leite e canela. Foi o pecado do fim-de-semana!

 

 

De novo ao caminho, em direcção ao largo de S. João do Souto, onde uma mega praça de alimentação e um palco explicavam o aglomerado de gente. Os assadores estavam numa azáfama de febras, frango e leitões. Apesar dos santos populares estarem quase à porta, de sardinhas nem cheiro.

No meio daquela animação, duas figuras bizarras chamaram-nos particular atenção. Do alto das suas andas, a Bruxa e o Mestre procuravam ingredientes para uma poção mágica: um menino mal-comportado e uma donzela virgem. Persegui-os na sua busca com a máquina fotográfica, mas fui apanhada. “Escusa de continuar a disparar os seus feitiços. Sou imune” – lançou-me o Mestre com voz autoritária e ar carrancudo.

Talvez a Braga Romana 2012 tenha sido especial, num ano em que a cidade é “Capital Europeia da Juventude” e a pouco mais de 20 km da vizinha Capital Europeia da Cultura, mas não esperava tanta animação. Tive pena de perder os espectáculos nocturnos e o cortejo de abertura (foi durante a semana).

 

vestígios romanos em Braga

 

Bolo romano e outros pecadilhos

Vale a pena enumerar vários vestígios romanos de Braga como a Fonte do Ídolo (em honra da divindade fluvial Tongoenabiagus), as termas e o teatro romano  ou o Domus da Escola Velha da Sé, bem no coração da cidade.

Os amantes da arqueologia não podem deixar ainda de visitar o Museu D. Diogo de Sousa, onde decorreram as oficinas de recriação de indumentária romana e os jogos de tabuleiro romanos. Mas vou contar-vos um segredo… aproximem-se… um pouco mais…

Há vestígios romanos aos pontapés na cidade. Basta ir às Frigideiras do Cantinho, por exemplo. E por falar nesta casa emblemática, deixem-me acrescentar que ali se comem as seculares frigideiras de que Júlio Dinis cantou, curiosidade histórica celebrada numa placa pendurada nas paredes da pastelaria.

O resto do jantar correu sem novidade, a não ser a saudação geral, que vitoriou a surpresa do doutor, a qual, desta vez, consistiu em uma dúzia das decantadas frigideiras de Braga, a mais apetitosa concepção dos pasteleiros da augusta cidade cesário.

Mas o Júlio Dinis não viveu no tempo da outra senhora? Pois, o autor escreveu Serões da Província em 1870, mas as Frigideiras do Cantinho existem desde 1796! E, para além das afamadas frigideiras (massa folhada e recheio de carne de vitela picada), a casa faz ainda um maravilhoso BOLO ROMANO,  baseado numa receita do século II, escrita pelo romano Apício.

O café  tem outra curiosidade – um chão de vidro que deixa apreciar vestígios de uma casa romana (domus). Depois da descoberta, os proprietários remodelaram o espaço para que todos pudessem apreciar o tesouro arqueológico que jaz sob os seus pés.

 

Do Porto: Excursão de 1 Dia a Braga e Guimarães com Almoço

 

 

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

2019-08-26T08:45:41+00:00

17 Comments

  1. aonja 29 Maio, 2012 em 11:02 - Responder

    Tão giro!! Podias ter dito qualquer coisa. Embora a minha tendência seja mais medieval e quinhentista estou sempre pronta para recriações históricas. Para o ano marcamos na agenda e vou ter contigo!

    Beijos
    (P.S – quero mais fotos!)

    • Ruthia 29 Maio, 2012 em 11:27 - Responder

      Olha querida, decidimos um pouco em cima do joelho. Tive um almoço com os sogros no Gerês (vieram numa excursão) e não sabia se ia dar tempo para passar em Braga.
      Para o ano há mais…
      Beijoca com saudades

  2. DE MUJER PARA MUJER 29 Maio, 2012 em 13:09 - Responder

    Hola,creio que somos vizinhos, eu vivo en Galícia . Gostei do teu blog, parabéns! Siga o meu também,ok?Beijoca!

  3. ANTÓNIO RESENDE 29 Maio, 2012 em 15:19 - Responder

    Engraçado… vivo nesta cidade… nasci nela… mas… não aderi à ideia…
    Magnífica prosa descritiva.
    Bem Haja.
    António Resende

    • Ruthia 29 Maio, 2012 em 17:05 - Responder

      Olá António. Nem deu um passeio pelo centro da cidade? Para fugir da confusão ou por outro motivo específico?
      E os planos para a viagem à Alemanha como estão a correr?
      Forte abraço

  4. Juliana 29 Maio, 2012 em 17:16 - Responder

    Sao muito interessantes estas recriaçoes historicas. Ha dois anos fui acompanhar a do Castelo de Brescia, no norte da Italia. Tudo era voltado para a Idade Média.
    Nos iriamos gostar dessa em Braga, principalmente meu marido que é fascinado por Roma (e ainda nasceu por aquelas bandas).
    O Crepe Pompeu devia estar divinamente delicioso!
    Beijos

    • Ruthia 29 Maio, 2012 em 19:08 - Responder

      O crepe pompeu era uma delícia, Juliana. E grande!
      Estas recriações são ótimas formas de promover o turismo, envolver a comunidade, animar as cidades. Tem fotos dessa no Castelo de Brescia? Só o nome já dá vontade de visitar 🙂
      Beijinho

    • Juliana 30 Maio, 2012 em 5:25 - Responder

      Fiquei imaginando o gostinho da maçã misturada com os outros sabores mais docinhos… daí lembrei do strüdel que comi na Alemanha 😀
      Também gosto dessas festas e é uma forma divertida e interessante de aprender História. Escrevi um texto sobre a reciração medieval em Brescia no blog: http://bloglanostraitalia.blogspot.it/2009/09/idade-media-no-castelo-de-brescia.html
      Beijinhos

  5. Unknown 29 Maio, 2012 em 21:37 - Responder

    Ruthia, adorei ler os comentários, sobre os lugares que visita. Isso é fogo porque cada vez mais me aguça a vontade de viajar e conhecer novas culturas. Um grande beijo a todos. Continua, não para é muito legal ler… ehehehhh

  6. Andrea 29 Maio, 2012 em 21:57 - Responder

    Que pena não ter oportunidade para ir..
    Mas depois de ler o teu texto foi quase como se lá tivesse ido..
    Muito bom..

  7. Ruthia 30 Maio, 2012 em 10:59 - Responder

    Juliana, já li sobre a sua visita ao castelo de Brescia. Gostei da descrição da tortura e o filme está fabuloso (a voz do narrador é tudo). Muito obrigada por partilhar.

    Andrea, não tinhas mesmo hipótese a trabalhares como trabalhas, fins-de-semana e tudo. Mas para o ano há mais.

    Beijinhos

  8. Bia Baptista 1 Junho, 2012 em 8:38 - Responder

    Bem bom dia,quero apenas referir-me à 4ª foto a contar de cima deste blog, onde o comentário está a meu ver incorrecto. Refere-se aos soldados mas na foto não tem soldado algum, o que vemos sentado num tronco de madeira é 1 gladiador,na verdade estava de pausa sim, mas não para o café e sim para recuperar fôlego e forças para o próximo treino, ou seja realmente teve azar se não os viu em acção, em relação ao interagirem com o publico faz parte de 1 personagem, apesar de ser quebrada caso alguém solicitasse algum tipo de explicação ou 1 simples pedido em relação a qualquer assunto… De resto, tem umas belas fotos e já agora a minha barriguinha ficou muito bem na foto, obrigada.

    • Ruthia 1 Junho, 2012 em 11:08 - Responder

      Olá Bia, seja bem vinda.

      Fica a correção, o senhor da foto é um gladiador e não um soldado, embora a imagem não esteja legendada. Perdoe esta leiga! Mas no acampamento militar havia soldados ou eram todos gladiadores?

      A minha observação não foi de todo uma crítica, aliás deixei a possibilidade de estarem a representar uma personagem. E fiquei com pena, sim, de não os ver em ação mas, com uma criança a tiracolo, não podia lá estar todo o tempo que gostaria.

      Já agora, parabéns pela barriguinha!

  9. Bia Baptista 1 Junho, 2012 em 21:50 - Responder

    Olá. Sim também tinha soldados, não a considerei 1 critica limitei-me apenas a explicar o seu comentário que me pareceu de desilusão por não ter visto os nossos gladiadores em acção, lamento imenso mas com todo aquele calor se não tiravam uns minutinhos de descanso ainda se sentiam mal….. bem de qualquer forma ter 1 criança á espera não é de todo fácil até porque tenho 1 de 3 anos e sei bem k é difícil mas podia sempre entrar no acampamento e tirar fotos com os gladiadores assim como se informar sobre o horário da próxima actuação coisa que as crianças gostam…. estar ao pé de 1 gladiador ou soldado é algo k eles gostam. Braga Romana já passou mas este ano tem uma Feira Medieval em Sta Maria da Feira em Agosto de 3 a 12 estaremos no castelo ou em Setembro de 14 a 16 em Guimarães não verá gladiadores mas sim cavaleiros….

  10. Anónimo 22 Outubro, 2012 em 12:11 - Responder

    Fantástico !
    Você que é rica e feliz!

  11. Fernanda Scafi 26 Julho, 2013 em 18:17 - Responder

    Olá, estou aqui retribuindo a sua visita ao meu blog. Estou lendo bastante coisas sobre Portugal e lembrando da minha viagem praí há + de 10 anos!!! Vou enviar o blog para meus pais porque eles estarão ai em outubro… Gostei também dos posts sobre o Egito!

    • Ruthia 26 Julho, 2013 em 22:38 - Responder

      Muito obrigada pela visita Fernanda. Fico feliz pela sua curiosidade a levar a explorar assim O Berço.
      Se os seus pais precisarem de alguma informação, não hesitem em perguntar. O email é obercodomundo@gmail.com
      Um abraço

Deixe o seu comentário

Subscreva a Newsletter 

Receba por email conteúdo, novidades exclusivas e muita inspiração para viajar a solo e em família (em português)

Fechar (X)

*Não envio spam