Porto: 10 anos de Casa da Música

A Casa da Música, edifício de Koolhaas e símbolo do Porto 2001, Capital Europeia da Cultura, celebrou uma década. E nós juntámo-nos à festa.

Era apenas uma jovenzinha quando se apresentou em Lisboa para a Rainha D. Amélia. Qual é o sonho da sua vida? perguntou-lhe Sua Majestade. Guilhermina Suggia (1885-1950), pois era a violoncelista a sua interlocutora, respondeu  que queria aperfeiçoar a sua música no estrangeiro. E o sonho tornou-se realidade, pois foi-lhe concedida uma bolsa real e ela rumou à Alemanha, acabando por se tornar uma celebridade mundial.

Guilhermina revolucionou o grande violoncelo em técnica, sonoridade e até na própria posição de tocar. Sim, porque as boas maneiras ditavam que o instrumento não devia ser tocado por mulheres, uma vez que devia ser colocado entre as pernas.

Esta menina do Porto recusou colocar o violoncelo de lado e adoptou publicamente a posição mais confortável (e vanguardista), apesar de algumas orquestras, como a BBC, proibirem a contratação de intérpretes femininas por esse motivo. Simples assim.

 

Guilhermina Suggia

A bela Guilhermina, eternizada em 1923 pelo galês Augustus John,  enquanto interpretava Bach

 

A sala principal da Casa da Música, no Porto, carrega o nome da corajosa Guilhermina. Considerada o coração da Casa, “a Sala Suggia serve de âncora a todo o edifício, permitindo que os principais percursos se desenhem à sua volta. Com sete janelas que a ligam quer ao exterior quer a outros espaços, proporcionando diferentes ângulos de visão, é o único concert hall do planeta onde se pode tocar música exclusivamente com luz natural, suficiente para a leitura de partituras”.

A instituição sublinha ainda a excelência acústica do auditório. “Todos os materiais de revestimento foram escolhidos com essa preocupação: contraplacado de pinho nórdico para paredes e tecto; vidro curvo para compensação e divergência de ondas sonoras; e um tecido para as cadeiras que imita a presença humana até 70% de ocupação da sala.”

No fim-de-semana passado, o espaço comemorou 10 anos de vida com uma programação especial. Eu e o pequeno explorador aproveitámos a tarde primaveril para conhecer os detalhes deste edifício fantástico, construído no âmbito do Porto 2001, quando a cidade invicta foi Capital Europeia da Cultura.

 

Os painéis de azulejos são réplicas de outros que estão em Lisboa, Porto (na Estação de S. Bento) e na Holanda.

Os painéis de azulejos são réplicas de outros que estão em Lisboa, Porto (na Estação de S. Bento) e na Holanda.

 

O edifício desenhado pelo holandês Rem Koolhaas é todo contemporâneo, mas o arquitecto não esqueceu alguns detalhes de evocação à arte portuguesa, desde os azulejos da sala VIP à talha dourada na Sala Suggia.

Terminámos este domingo musical com o tocante concerto da especialíssima orquestra “Som da Rua”. Feita de pessoas sem-abrigo ou muito próximas da exclusão social, a orquestra cantou o Porto com toda a garra nortenha.

Aqui fica o vídeo possível, pedindo desde já desculpa pela qualidade do som.  E de repente, alguém grita entre o público, “força Armindo”!

 

 

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos nossos parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a IATI (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

2019-07-16T13:50:52+00:00

17 Comments

  1. Marta Iansen 17 Abril, 2015 em 0:38 - Responder

    Maravilhoso ser possível ler uma partitura com luz natural.

  2. Toninho 17 Abril, 2015 em 4:27 - Responder

    Beleza de partilha Ruthia, que obra belíssima com todos os cuidados precisos para uma sala de som. Isto é muito importante para apresentações clássicas onde o som é fundamental. Lembro de um show do Milton Nascimento de nome Missa dos Quilombos gravado num mosteiro na Serra do Caraça Minas Gerais, onde foi preciso o uso centenas de colchões para conseguir a acústica ideal, bem como reforço da iluminação. Interessante este coral de excluídos. Parabéns ao pequeno explorador cada vez mais ativo pelas andanças.
    Gostei de saber a historia desta grande mulher rompendo com todos os preconceitos de uma época e saber que muita coisa ainda permanece nestas discriminações/preconceitos.
    Parabéns pela postagem.
    Um belo e bom fim de semana com as cores de sua Primavera.
    Abraços amiga.
    Beijo de paz.

  3. ✿ chica 17 Abril, 2015 em 8:52 - Responder

    Encantadora visita cultural e adoro ver o pequeno explorador que tem um leque de opções oferecidas nesse sentido sempre! Vale muito! bjs, chica

  4. Lúcia Bezerra de Paiva 17 Abril, 2015 em 16:43 - Responder

    Uma escola de música nascida do sonho realizado por Guilhermina. Uma escola de música que já possui 10 anos e honra a homenageada, pela produção que apresenta. Uma tarde inesquecível, pela visita ao moderno e belo prédio da escola e ao espetáculo musical, com excelente grupo "Som de Rua". Muito interessante, os instrumentos de percussão ( até garrafa pet ! ) Muito bom, Ruthia.
    Obrigada, pela partilha! Bom final de semana.
    Beijos,
    da Lúcia

  5. Adriana LARA 17 Abril, 2015 em 17:42 - Responder

    mais uma visita que se tudo der certo, poderei fazer… continua em pé minha guerra contra o cigarro e minha proposta de pisar, novamente, em terras portuguesas, em 2017
    bjs
    tititi d dri

  6. Elvira Carvalho 17 Abril, 2015 em 17:44 - Responder

    Já fui três vezes ao Porto depois disso, mas ainda não fui lá vez nenhuma.
    Um abraço e bom fim de semana

  7. Sissym Mascarenhas 17 Abril, 2015 em 20:29 - Responder

    Ruthia,

    Gosto do som do violoncelo, acho que existem poucas mulheres tocando.
    Os paineis são lindissimos, adoraria ver de perto aqueles azulejos.
    O edifício deve ser uma notavel construção.
    Reparei a armação dos oculos do pequeno explorador. Gostei!
    Quanto a incrivel musicista,

  8. Beatriz 18 Abril, 2015 em 12:38 - Responder

    Olá Ruthia, que linda sala de música!
    Certamente quando for ao Porto no próximo ano farei questão de conhecer! Adoro instrumentos de corda, e o violoncelo tem uma acústica maravilhosa!!!
    Beijinho

    Bia <°))))<

  9. Algodão Tão Doce 18 Abril, 2015 em 22:34 - Responder

    O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem.
    Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.(Fernando Sabino)
    Um lindo e abençoado final de semana!!!
    Abraços Marie.

  10. CÉU 22 Abril, 2015 em 20:58 - Responder

    Olá, Ruthia!

    Como vão? E o seu amado explorador? está lindo, o garoto! Qdo chegar à sua idade, conhece quase o mundo inteiro. Que inteligente investimento cultural está a fazer com ele! Ele tem acompanhado a escola com assiduidade e aprendido a matéria?

    Conheço, razoavelmente, a história de Guilhermina Suggia, k tem, aliás, uma rua em Lisboa. Brilhante e revolucionária. É uma mulher do norte, "carago"!
    Qto à Casa da Música, k fez uma justíssima homenagem à violoncelista, dando o nome dela, à sala principal, k é de visitar, logo k possível.
    As fotos e a sua descrição estão muito realistas.
    O som do vídeo não é dos melhores, mas dá para ver o talento e o engenho.
    Divirtam-se!

    Beijos, com estima.

  11. Raíssa (: 25 Abril, 2015 em 0:41 - Responder

    Passando pra ver as novidades 🙂
    Muito legal! amei os painéis de azulejos, lindos de viver.

    beijinhos ;*
    http://noostillo.blogspot.com.br/

  12. CÉU 25 Abril, 2015 em 22:45 - Responder

    Olá, Ruthia!

    Como estão?
    Agradeço o seu comentário, inteligente, feminino e sensível.
    Qto à música k alguém me pediu k colocasse no meu blogue, não combina, EM NADA, com o poema que escrevi, embora eu ache o vídeo até sedutor e provocante, mas não quis desagradar a pessoa, fundamentalmente, foi isso.
    Fiquei contente pelo k me disse sobre o seu filho. A curiosidade e o interesse são excelentes para uma sólida aprendizagem.
    Vou deixar umas palavrinhas no meu blogue, em resposta às suas.

    Beijinhos e bom domingo!

  13. CÉU 26 Abril, 2015 em 16:31 - Responder

    Olá, Ruthia!

    Como vão?
    Se passar pelo meu blogue, se tiver tempo, se lhe apetecer, verá k tenho novos "sons".

    Fiquem bem, e resto de bom domingo.

    Beijos.

  14. Jorge Fortunato 27 Abril, 2015 em 18:35 - Responder

    Ruthia
    na minha visita, tao rápida, à região, apenas passei em frente á Casa da Música e não tive tempo de visitá-la. Ainda volto para conhecer este lugar. Ótimo post.
    Beijos do Rio!

  15. Ruthia 28 Abril, 2015 em 6:22 - Responder

    Dito por vc, acredito. Para quem foi umas quinhentas mil vezes a Paris porque adora a cidade, se gostou do Porto vai voltar com certeza. Quem sabe posso acompanhar-te noutro passeio?
    Abraço

  16. M. 28 Abril, 2015 em 10:41 - Responder

    Fez muito bem D. Amélia!!!
    Quando vindes novamente ao Porto? 🙂
    Beijinhos, boa semana!

  17. AC 4 Maio, 2015 em 18:15 - Responder

    E assim se prova que, no Porto, um qualquer Armindo poderá fazer companhia a uma bela Suggia. 🙂
    Bela crónica, Ruthia!

    Um beijinho 🙂

Deixe o seu comentário