Teatro la Scala em Milão

A neve dança no céu escuro, mas as ruas não estão vazias. Na noite fria de 7 de Dezembro, a cidade acorda para uma nova temporada no alla Scala. Começou a temporada da ópera em Milão

Os milaneses vão chegando ao teatro elegantemente vestidos, sob o olhar atento de Leonardo Da Vinci que, com a sua longa barba e característico barrete (o Pedro reconheceu-o graças a isso), domina a Piazza alla Scala, em Milão. Muitos outros aguardam na Galeria Vittorio Emanuele pelo primeiro espectáculo da temporada, transmitido num ecrã gigante.

O maestro Daniel Barenboim levanta a sua batuta e a magia começa. A plateia emudece, enquadrada numa sumptuosa moldura de vermelho e dourado, sob o majestoso lustre em vidro de Murano, como nos tempos da imperatriz Maria Teresa.

O teatro alla Scala é uma das casas de ópera mais famosas e de maior prestígio do mundo. Mozart tocou aqui, nos seus verdes anos. As vozes mais extraordinárias fazem parte da sua história: Maria Callas, Luciano Pavarotti, Plácido Domingo, Teresa Berganza, Joan Sutherland, Montserrat Caballé, José Carreras. A extraordinária dupla Margot Fonteyn-Rudolf Nureyev pisou este palco.

Mas se o teatro está ligado a algum nome é ao de Verdi, que aqui iniciou a sua carreira. Nabbuco (1842) foi a sua segunda ópera apresentada no alla Scala, garantindo-lhe um lugar no panteão dos compositores.

A história do rei babilónio Nabucodonosor, que invade Israel, ecoou fundo na alma dos italianos, numa altura em que o norte do país estava ocupado pelo trono austríaco. “Vai, pensamento, sobre asas douradas“, cantam os escravos hebreus no terceiro acto, como se cantassem a liberdade italiana.

Rigoletto, La Traviata, Macbeth, Don Carlo, Aida, Tristão e Isolda – as produções a que eu gostaria de ter assistido são tantas. Mas hoje, fico-me por uma humilde e muito mais barata visita ao museu do teatro, que permite vislumbrar o seu palco épico. O camarote está protegido por um vidro, que filtra as cores e os sons da orquestra (estão a ensaiar La cena delle beffe), pelo que ficamos muito quietos, a apreciar a música.As relíquias do museu merecem, de resto, uma visita por si só: ali repousa um dos pianos de Liszt, trajes e libretos de várias produções, salas dedicadas a grandes compositores ligados ao teatro…

Durante a visita, afáveis funcionários vêm avisar-nos que houve uma pausa nos ensaios e nós corremos novamente para os camarotes, entretanto livres das protecções, para devorarmos todos os pormenores: palco, tecto, decoração. Definitivamente, este é o lugar para se assistir a uma ópera ou a um ballet.

Um dia destes…

Site do Teatro alla Scala: aqui. | Bilhete para o Museu: 7€ /adulto.  | Gratuito para crianças até aos 12 anos

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  BookingÉ onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

Partilhar
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados

11 Comentários

  1. ✿ chica

    Maravilhoso teatro e tantos detalhes a ver e ficar boquiabertos por lá! bjs, linda semana,chica

  2. Mariazita

    Olá, Ruthia
    Com grande pena minha quando viajámos por Itália não fomos a Milão, e afinal estivemos tão perto, pois visitámos a bela Veneza.
    De qualquer modo posso conhecer agora a “capital da moda” sob a óptica da música, através das tuas fotos e excelente descrição.
    E, para uma amante do “bel canto” como eu, nada como o belíssimo vídeo que nos ofereces a fechar esta óptima postagem.

    Bom final de Domingo
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

  3. Isa Lisboa

    Olá, Ruthia! 🙂

    Já estive em Milão, mas não visitei a Ópera, por isso agradeço-te pela visita que me proporcionou aqui! 🙂

    Um beijinho!

  4. MARILENE

    Simplesmente magnífica sua postagem. Amei ver as fotos e conhecer, através delas, o esplendor desse teatro. Uma casa que guarda memórias riquíssimas e que possui detalhes de encher os olhos. Bjs.

  5. Maria Teresa Valente

    As imagens e os detalhes com que nos conta as tuas andanças pelo mundo, nos transportam para lá.
    Agradeço, Ruthia pela partilha, abraços carinhosos
    Maria Teresa

  6. Sissym Mascarenhas

    Ruthia,

    Estupendo!

    Eu só conheço o do Rio de Janeiro, existem guias especializados para mostrar tudo e contar a historia da construção. É divino!

    Divino é assistir uma opera, um ballet nestes centros dos deuses da arte.

    Bjs

  7. Elvira Carvalho

    Obrigada pela partilha. Na Europa, nunca fui além de Espanha, e ainda assim apenas Galiza e Andaluzia. Daí que esteja muito grata pelos passeios virtuais que me tem proporcionado.
    Abraço

  8. Adriana LARA

    maravilhoso, penso que se eu tiver a oportunidade de conhecer, um dia será pouco para absorver tudo! bjs

  9. M.

    Que linda essa ópera! Gosto muito do interior dos teatros clássicos!
    O Pedrinho está um homem!
    Beijinhos, bom dia 🙂

  10. Analuiza Carvalho

    Também o visitei quando em Milão estive. Fiquei encantada com a beleza do teatro e ao imaginar os nomes de peso que aí passaram. Senti apenas não ter conseguido ingressos para assistir a uma função. bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

JPG_1606302493785

Ruthia Portelinha

Viajante, chocólatra, leitora compulsiva, mãe. Está a aprender chinês porque sim.

Posts Populares
Fundador da ABVP
Viagens de uma Vida
Livro viagens de uma vida
Viagem de grupo a Marrocos

7 dias em Marrocos 430 euros
Marrakech até Deserto do Saara
>> Viagem de Grupo Marrocos <<