Chocólatras: cinco destinos que vão adorar

Amante de chocolate e de viagens? Então vai babar com o roteiro de hoje, inspirado no alimento dos deuses. Eis alguns paraísos para os chocólatras

Sabia que existe um turismo do chocolate? Há pessoas que viajam para conhecerem fazendas de cacau, chocolatiers famosos, museus de chocolate, ou que fazem programas para aprender mais sobre o seu pecado favorito. E para degustar, claro.

O chocolate inspirou vários espaços museológicos pelo mundo, do famoso Museu de la Xocolata em Barcelona, com impressionantes esculturas de chocolate, ao Cadbury World em Birmingham. As autoras do blog Estrangeira escreveram um post completo sobre este último: Cadbury World: o fantástico mundo do chocolate em Birmingham.

O marketing turístico dos países produtores de cacau, como o Equador ou São Tomé e Príncipe, é muito orientado para essa actividade. Veja-se o caso do Peru que, para além de “ChocoMuseos” em Cusco e Lima, organiza tours pelas explorações de cacau e possui chocolatiers populares, entre os quais se destaca a Roselen, considerada uma das dez melhores chocolatarias do mundo pela National Geographic Travel.

Depois há eventos específicos inspirados nesta delícia, como o Salon du Chocolat de Paris ou o Festival Internacional de Chocolate de Óbidos. [leia também Óbidos, recantos da vila das rainhas]

Eu nunca viajei com esse único propósito, mas não me importo nada de incluir momentos chocólatras nas minhas viagens. Alguns lugares têm tudo para atrair os amantes de chocolate, garantindo experiências gulosas. Cliquem nos links das atracções, para mais informação sobre horários e preços.

 

Museu do Chocolate de Colónia, Alemanha

A famosa fonte do Museu de Chocolate de Colónia, Alemanha.

Museu do Chocolate (Colónia, Alemanha)

O Schokoladenmuseum fica nas margens do rio Reno, em Colónia, num edifício antigo recuperado que evoca a proa de um barco. O espaço nasceu graças a Hans Imhoff, um fabricante de chocolates que assumiu a fábrica Stollwerk, sediada em Colónia, na década de 1970. Sob a sua direcção, a Stollwerk tornou-se uma das principais fabricantes de chocolate da Europa.

Para além de retratar milénios da história do “alimento dos deuses”, o museu interactivo e multisensorial integra hoje uma mini fábrica da Lindt, que processa cerca de 400 kg de chocolate diários. Ao longo de três pisos, somos transportados para o mundo do cacau/chocolate, começando por uma floresta tropical, com a temperatura e humidade correspondentes, em homenagem aos países produtores.

Mesmo numa visita independente ficamos com uma visão geral da maquinaria, processo de fabrico e transporte (existem também visitas guiadas). Um dos pontos altos da visita é a fonte que jorra chocolate: pequenos waffers são mergulhados para nossa degustação e contentamento.

 

No último piso, existem jogos didácticos para as crianças e várias campanhas publicitárias antigas.  Também é possível encomendar chocolate personalizado, escolhendo os ingredientes.

Para encerrar a visita, há uma loja repleta de chocolates, sobretudo da Lindt, e um café com uma linda paisagem sobre o rio. O Chocolat Grand Café serve chocolate quente, pecaminosos bolos, brownies e fondue de chocolate, mas também sopas, saladas, waffles e gelados. O chocolate quente básico custa 4,70€ e a fatia de bolo da casa 4,30€ (valores de Março de 2020).

Museu do Chocolate: site | Nota: o museu está fechado até 19 de Abril de 2020, por causa da pandemia

Leia também Visitar Colónia | Alemanha: todas as dicas

 

loja Lindt

Aqui pode encomendar o seu chocolate personalizado.

Mestria chocolateira na Suíça

A Suíça é um destino óbvio para chocólatras. Muitas das suas famosas marcas organizam visitas às fábricas, para quem deseja aprender e degustar. Alguns dos tours mais populares são à Maison Cailler em Broc, na parte francesa do país, à Läderach e à Camille Bloch na cidade de Courtelary, a cerca de uma hora de Berna.

A Läderach oferece também workshops em várias localidades suíças. E dizem que os workshops de pralinés da Lindt em Zurique são superconcorridos, apesar de não serem propriamente baratos.

Numa nota mais simples, recomendo uma visita à Sprüngli, incluída na lista de 10 melhores chocolatarias do mundo. Para além do chocolate, esta luxuosa marca é famosa pelos seus Luxemburgerli, que dizem ser melhores do que os macarons franceses. Na dúvida, é provar os dois.

Aliás, basta entrar numa das muitas chocolatarias do país para ouvir um coro celestial. O olfacto é logo activado: somos inundados pelo irresistível aroma do mais puro chocolate. Depois, as papilas gustativas começam a trabalhar, face à abundância de bombons, barras, cascatas e esculturas de chocolate. Aproveitem para pedir uma amostra do sabor que querem comprar.

Eu tive o meu momento chocólatra em Lucerna, onde me deparei com uma parede a escorrer (literalmente) chocolate, em frente à qual, Ferreros Rocher voadores agitavam as suas asas!

Leia aqui o conjunto de posts que resultaram da última viagem à Suíça.

 

Chocólatras amam a Suíça

Uma parede a escorrer chocolate… parece saída dos meus sonhos.

 

Museu do Chocolate (Astorga, Espanha)

Por incrível que pareça, o chocolate é um dos produtos mais tradicionais da cidade de Astorga, cuja produção é secular. Existe mesmo um Museu do Chocolate, instalado no palacete de um dos empresários do ramo: um dos muitos edifícios modernistas da cidade leonesa, por influência de Gaudí.

O cacau chegou a Espanha no século XVI, vindo das colónias sul-americanas, e depressa se reconheceu o seu potencial económico. Sabiam que o chocolate era tomado amargo no México, e só com a chegada dos espanhóis foi adicionado o açúcar? Que este passou a ser tomado quente e rapidamente se transformou num artigo de luxo?

Para além da evolução histórica, no museu podemos ver a maquinaria tradicional e os utensílios usados para misturar, artesanalmente, pasta de cacau com açúcar. O espaço possui também material publicitário de diversas fábricas históricas da região.

Nós visitámos este museu acolhedor há alguns anos e escrevemos sobre a experiência em Astorga do Chocolate. Se vai visitar esta cidade da comunidade de Castilla e León, inclua este pequeno museu, que parece uma casinha de chocolate. A visita termina com degustação!

 

Museu do Chocolate de Astorga

Chocólatras em Bruxelas (Bélgica)

Os fanáticos do chocolate gostarão de conhecer a fonte do chocolate belga. Bruxelas é o destino perfeito para eles, com o Museu do Cacau e do Chocolate – mais conhecido como Choc-Story -, além de muitos chocolatiers famosos. Existem mais de 500 chocolatiers só na capital, um para cada 2 mil habitantes, mais ou menos.

Os belgas estão entre os maiores consumidores de chocolate: 11 quilos anuais, em média, o que será a 3ª taxa de consumo mais alta do mundo. A história do chocolate na Bélgica começa em 1857, quando Jean Neuhaus abriu a sua chocolataria em Bruxelas – a loja original fica na Galerie de La Reine. A casa Neuhaus seria responsável pela invenção do famoso praliné, anos depois.

O roteiro chocólatra na capital belga inclui as galerias Saint Hubert, a Place du Sablon e a Grand Place. Ali ficam as principais e mais recomendadas casas: Mary (que se diz ser a preferida da família real), La Belgique Gourmand, Leonidas, Godiva, Neuhaus, Wittamer, Corné Port-Royal ou La Maison des Maîtres Chocolatiers.

 

Chocolataria em Bruxelas

 

O chocolate belga contém, de uma maneira geral, 100% de manteiga de cacau e, graças a um processo de torrefacção do cacau mais longo, activa ainda mais as papilas gustativas. Sentir o chocolate a derreter na boca é uma espécie de epifania!

Das marcas que conheço, gosto particularmente da Neuhaus e da Leonidas; esta última um pouco mais em conta (julgo que não é artesanal) e, por isso, ideal como souvenir. Existem também lojas multi-marcas que vendem chocolates a peso.

O chocolate belga é um dos nossos 10 motivos para visitar a capital belga

 

Momentos chocólatrass na Bélgica

 

Fábrica do Chocolate (Viana do Castelo, Portugal)

O projecto Fábrica do Chocolate fica num edifício centenário, onde já se fabricou muito chocolate, e une hotel, restaurante e um museu, dedicados à temática. Ali se pode explorar um pouco das origens, história, curiosidades e sabores do chocolate.

Comecemos pelo pequeno hotel que, sublinhe-se, não conheço. Cada um dos 18 quartos é único, inspirado em marcas de chocolate, nas roças de cacau, no imaginário de “Charlie e a Fábrica de Chocolate” ou do clássico Hansel e Gretel. O hotel possui um SPA com tratamentos de chocoterapia e oferece outras experiências, digamos, gulosas e chocólatras.

Existe também um restaurante que experimentei e, confesso, não fiquei fã. Por exemplo, não tinha mousse de chocolate (para desgosto do pequeno explorador) e os pratos que deviam ser polvilhados com grué de cacau, faltou-lhes esse ingrediente caro. O preço que pagámos pela refeição não se justificou.

Por outro lado, achámos o Museu da Fábrica do Chocolate divertido, apesar de pequeno. O espaço – um circuito com cinco espaços diferentes – permite conhecer um pouco das origens do cacau e do processo de fabrico, simulando a produção da nossa própria barra de chocolate, que é entregue à saída.

 

Chocólatras vão gostar de fabricar o seu chocolate

 

Conhecem outros destinos ideais para chocólatras? Acrescentem nos comentários.

 

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).
  • Poupe em taxas bancárias, fazendo pagamentos seguros em qualquer parte do mundo com o cartão Revolut (usando este link não paga o envio do cartão)

Este post pode conter links de afiliados

2020-03-23T12:40:26+00:00

19 Comments

  1. Analuiza Carvalho 23 Março, 2020 em 19:10 - Responder

    Menina… eu nem sabia que existia tanta experiência com chocolates pelo mundo! Nem que tinha gente que organizava viagens com este objetivo. Preciso confessar: não gosto nada, nada de chocolate! Estive em Colonia, Zurique e Gruyère que ofereciam estas experiências e nem cogitei visitar. Meus amigos me consideram estranha! rsrsrsrs

    Aqui no Brasil, em relação a chocolates temos Ilhéus na Bahia e Gramado (que eu acho que oferece tours dessa natureza) no Rio Grande do Sul.

    Uma amiga, uns meses atrás, visitou a Lindt de Zurique. A filha dela endoideceu, porque ama chocolate. Ele trouxeram algumas barras. Em um de nossos encontros em sua casa, ela nos ofereceu duas destas barras: enormes. Minhas amigas pareciam crianças se lambuzando de um chocolate que elas afirmavam, entre um suspiro de prazer e mais um pedaço, que era divino. Eu só observava deliciada o momento de felicidade delas. Nem experimentei: primeiro porque não gosto mesmo e desperdiçaria no meu paladar nada sensível ao chocolate e porque já não consumo produtos de origem animal.

    Pois, as duas barras enormes desapareceram em segundos! rsrrs Vou mandar este post para elas! Vão morrer de vontade e não duvido que pensem em organizar um tour do chocolate! rsrsr bjus

    • Ruthia 24 Março, 2020 em 8:55 - Responder

      Olha, eu consigo perceber a epifania das suas amigas perante essa barra de chocolate da Lindt. Sobretudo porque os chocolates no Brasil são alterados, por forma a manter alguma integridade perante um clima mais quente, o que retira muita cremosidade. E é bom saber que vc não é apreciadora: prometo que nunca lhe oferecerei uma caixa de chocolates, haha.
      Beijinho querida

  2. Fabíola Moura 23 Março, 2020 em 20:32 - Responder

    Eu também não me importo de incluir atrações deliciosas nas minhas viagens e se tiver chocolate envolvido, com certeza entra no meu roteiro, kkk. Adorei saber dessas opções e quando for pra qualquer um desses lugares, vou querer provar o chocolate de cada uma dessas atrações. Ainda incluiria nessa lista o museu do chocolate em Bariloche, na Argentina, que tem um delicioso chocolate quente.

    • Ruthia 24 Março, 2020 em 8:55 - Responder

      Um bom chocolate quente numa manhã fria é uma experiência maravilhosa, Fabíola. Boa dica

  3. ana paula 24 Março, 2020 em 14:45 - Responder

    Eu não sou chocólatra , mas adorei o post com certeza visitaria hahhaha Lindt é vida.

  4. Lulu Freitas 24 Março, 2020 em 18:09 - Responder

    Ruthia…. estou passando mal lendo esse post. Vontade de conhecer cada lugar e comer tudinho!!! Ler esse post em isolamento social é uma maldade! Especialmente porque estou tentando não me entupir de chocolate trancada em casa! rsrs De todos os lugares que você listou a Suíça está no top 5. Quero muito visitar!!! Bruxelas para quem é chocólatra é um paraíso. Por lá eu pensei: “se morrer agora vou feliz!”.

    • Ruthia 26 Março, 2020 em 19:21 - Responder

      Olha, só com um pouco de chocolate para sobreviver a este isolamento, Lulu. Estou a tentar controlar a quantidade diária, apenas, porque se cedesse à vontade…

  5. Surian 24 Março, 2020 em 19:06 - Responder

    Quantos museus do Chocolate bacanas espalhados pelo mundo, né?! Eu sou chocólatra assumida e acabei de visitar um museu do chocolate em Bruxelas, amei! E lógico, comi muito chocolate por lá.

  6. Rui Barbosa Batista 24 Março, 2020 em 19:42 - Responder

    Bommmmm… apesar de não ser o maior dos amantes de chocolate… confesso que me sentir a engordar só com a forma como este post me adoçou as fantasias 🙂 E em tempo de reclusão social… os desejos são ainda MAIORES!! 🙂

  7. Ana 25 Março, 2020 em 23:33 - Responder

    Meu Deus!! não fazia ideia de como tinha destino legal para chocolatras!! Já anotei e agora quero fazer essas viagens!

  8. Cynara Vianna 26 Março, 2020 em 18:42 - Responder

    Ruthia, eu fui uma criança alérgica a chocolate até os 5 anos, até do nada a alergia passou. Talvez por isso não seja a louca por chocolate, há doces que chamam muito mais minha atenção, mas eu gosto dele sim. Escrevi uma série de posts no meu blog chamada Viagens Gastronômicas, que tem como objetivo contar a história/ origem/ tradição de comidas típicas e claro dar dicas de onde encontrá-las mundo afora. O chocolate é o tema de um deles e nos posts há dicas de muitos outros blogs. Posso colocar o link desse post nele? Adorei o que encontrei aqui :).

    • Ruthia 26 Março, 2020 em 19:01 - Responder

      Ser alérgico a chocolate seria uma tormenta para mim ou, quem sabe, a solução para moderar o consumo haha! Infelizmente sou uma formiguinha, adoro outros doces também 🙁
      P.S. pode linkar o post, claro.

  9. […] Leia também Chocólatras: 5 destinos que vão adorar. Esse post é do blog Berço do Mundo, nele tem endereços e experiências maravilhosas para os […]

  10. Mariazita 4 Abril, 2020 em 11:37 - Responder

    Que postagem tão doce!
    Nunca imaginei que houvesse uma tão grande variedade e quantidade de casas, museus, fábricas… de chocolate.
    Gosto muito de chocolate, mas nunca visitei sequer o festival de chocolate de Óbidos, aqui tão perto…
    Visitei, há muitosssssssss (50???) anos uma roça de chocolate em São Tomé. Que maravilha! Mais recentemente, há dois ou três anos, fui lá passar férias com o meu filho, e fomos visitar uma roça quase inactiva – conservava apenas os serviços mínimos. Que tristeza!!! Mas ainda pudemos mexer nos grão do cacau que estavam a secar.
    Penso que tenho o teu email… Se assim for vou mandar-te, só por curiosidade umas fotos de Las Vegas, onde estive (mais uma vez…) em 2017. Trata-de de uma figura de mulher de vestido comprido, dourado, toda feita em chocolate, e, ao lado, uma fonte, donde escorre chocolate de três (?) tipos – branco, preto e castanho. Estavam na montra de uma pastelaria daquelas donde não apetece sair…

    RE: Surpreendeu-te o Tó Zé? As pessoas não são só más ou só boas…e os escritores às vezes divertem-se a fazê-las parecer o que não são. Mas… nem tudo são rosas. Vamos ver o que o futuro lhes reserva.
    Gostei muito do “TU” que encontrei no TEU comentário 😁. Com o tempo vais ao sítio… Ainda não perdi a esperança 😂😂😂

    Deixo-te um abraço apertado com o desejo de muita saúde para ti e toda a família.
    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    • Ruthia 7 Abril, 2020 em 17:03 - Responder

      Fiquei aqui a imaginar o tal vestido feito de chocolate, com as fontes a escorrer. Se trabalhasse nessa loja, haveria fortes probabilidades de atacar a montra….

  11. Cintia Grininger 6 Abril, 2020 em 22:42 - Responder

    Que maldade esse post!!!! Estive no Museu do Chocolate em Colonia há vários anos e até hoje sonho com a fonte de chocolate hahaha Sou muito chocólatra e não perco a chance de degustar um diferente quando há oportunidade – e não há dúvida que os chocolates europeus são muito superiores aos brasileiros (o que não me impede de comê-los!) Vou guardar esse post com carinho para não me esquecer desses lugares que vc citou caso visite a Europa novamente!

    • Ruthia 7 Abril, 2020 em 17:04 - Responder

      Maldade sobretudo nesta fase de isolamento, que a ansiedade puxa por uns chocolatinhos… faço por não ter muito chocolate em casa. Caso contrário é uma desgraça!

  12. Fernanda Scafi 8 Abril, 2020 em 18:13 - Responder

    Eu sou chocólatra assumida!!! Adorei o post! Já visitei o museu de Colônia, mas sinceramente não gosto dos chocolates da Lindt… Quero muuuito ir pra Suíça e Bélgica e comer muito chocolate por lá, mas meu preferido mesmo é alemão – Ritter Sport, que é uma marca simples, nada sofisticada. Pena que não vende no Brasil, mas sempre compro quando viajo para o exterior.

    • Ruthia 8 Abril, 2020 em 18:49 - Responder

      Olha, nunca ouvi falar dessa marca alemã. Na próxima visita à Alemanha vou tirar isso a limpo

Deixe o seu comentário