Basileia e a fronteira tripla

Sentados nas margens do Reno, juntamo-nos a Helvécia na contemplação da capital cultural da Suíça. ChegÁmos a Basel ou Basileia, uma cidade com muitas faces

Helvécia, que dizem ser a imagem personificada da Suíça**,  costuma ser retratada como uma guerreira temerária. Mas aqui, na fronteira entre a Suíça, França e Alemanha, surge contemplativa, com os pés descalços a baloiçar sobre o rio, o escudo e a lança esquecidos. Ao seu lado, repousa uma mala e uma capa de viagem. Resta saber o que queria a escultora Bettina Eichin simbolizar com esta Helvetia auf Reisen (1980), a Helvécia viajante…

A cidade assume diferentes formas para diferentes pessoas.

Para os apreciadores de arte, Basileia é um paraíso, com a maior concentração de museus do país (são mais de 40, muitos com entrada gratuita), a que se somam galerias de arte, grandes concertos e exposições de renome como a ArtBasel que atrai artistas do mundo inteiro.

Para os bancários, é o berço de vários acordos que protegem e sustentam o sistema bancário mundial. Para fãs de ténis, é a terra-natal de Roger Federer.

 

O belíssimo edifício vermelho do Town Hall.

 

Os historiadores recordam que aqui fica a mais antiga universidade suíça (1459), onde passaram grandes génios como Erasmo de Roterdão, Carl Jung ou Friedrich Nietzsche.

Para os profissionais da saúde, Basileia é sede de grandes farmacêuticas como a La Roche ou a Novartis. Segundo o jornal Le Temps, serão mais de 900 as empresas químicos-farmacêuticas ou ligadas às tecnologias da saúde, na região. Há até quem ironize dizendo que, graças a isso, seria um milagre encontrar alguma bactéria viva no rio Reno!

Para quem trabalha com gestão de resíduos, como o meu marido, Basileia remete para a grande convenção mundial sobre transporte e eliminação de resíduos perigosos.

Para mim, viajante, Basileia é uma cidade simpática e pequenina, com uma linda ainda que não inesquecível catedral gótica, um centro histórico bem preservado, e uma zona ribeirinha agradável. Na catedral, que começou por ser católica e depois passou a protestante, podemos subir os 62 metros da torre, para desfrutar de uma vista fantástica sobre a cidade e o rio e, ao longe, sobre a Floresta Negra.

 

 

O que a distingue de outras cidades suíças? Duas coisas.

Primeiro: o edifício do governo do cantão de Basel, renascentista, de cores fortes e visita gratuita. Impossível não nos apaixonarmos.

Segundo: o Museu dedicado a Jean Tinguely, o escultor suíço do ferro, com peças que se movem, acendem ou deitam fumo. As suas máquinas inventivas, ao estilo de Júlio Verne, também podem ser vistas na Fonte Tinguely, numa alegre brincadeira com a água (no Verão) ou com o gelo (no Inverno).

Visitas adicionais

– O Jardim Zoológico é bastante famoso, por ter espécies raras. Mas, como sabem, nós preferimos ver animais no seu habitat natural, pelo que não o incluímos no nosso roteiro.

– O Kunstmuseum reúne arte dos séculos XIX e XX, incluindo obras de Picasso, Van Gogh, Dalí, Cezanne, Monet e quadros renascentistas europeus.

Puppenhausmuseum, museu de bonecas, tem uma linda colecção de ursinhos, bonecas e casas de brincar (construídas à escala 1:12).

 

 

** Confœderatio Helvetica (CH) é a designação oficial em latim do país (língua franca na altura da fundação), termo que provém do nome da antiga tribo celta dos Helvécios. Apesar de Helvetia já não ser utilizado para caracterizar oficialmente a Suíça, ainda pode ser encontrado em selos e moedas suíços. As iniciais “CH” são usadas ainda nas matriculas dos carros e nos domínios da Internet.

Museu Tinguely: site | ter-dom 11h-18h00 |Bilhete: 18 CHF (adultos), grátis (até 16 anos)
Catedral de Basileia: site |seg-sáb 10h-17h, dom 11h30-17h00 |subida à torre 2 CHF
Town Hall: site |seg-sexta 8h-12h, 13h30-17h00 | Visita gratuita
Site de turismo da cidade: aqui.

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos nossos parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a IATI (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

2019-07-16T11:32:03+00:00

33 Comments

  1. Beatriz 20 Junho, 2017 em 23:39 - Responder

    Linda Basileia! Assim como você Ruthia, também adoro cidades pequenas e nem tão turísticas, são bem mais simpáticas e nos fazem sentir mais a vontade. Gostei de Helvécia! Provavelmente, se ali estivesse, me sentaria como ela à beira do rio e ficaria horas a contemplar pedaços dos dois países vizinhos…

    Bons ventos por aí Ruthia <º(((<

    Bia

    • Berço do Mundo 21 Junho, 2017 em 7:38 - Responder

      Olá Bia. Na verdade, só fomos à cidade porque o meu marido queria muito conhecer o lugar onde nasceu a Convenção de Basileia, de resíduos perigosos. O roteiro teve que incluir várias preferências, haha

  2. Toninho 21 Junho, 2017 em 4:49 - Responder

    Olá Ruthia!
    Que bela postagem com ilustração destes vídeos ficou linda e bem apresentada.
    Interessante as maquinas inventivas na agua.
    Parece um lugar calmo e muito lindo.
    Mais uma boa viagem que fazemos com vocês e recebemos belas dicas.
    Meu terno abraço amiga.
    Bjs

  3. Elvira Carvalho 21 Junho, 2017 em 12:22 - Responder

    Obrigada amiga por este belo passeio. E obrigada também pela história da cidade.
    Adorei viajar consigo por esta bela cidade, que a mim que pouco tenho viajado não me pareceu tão pequenina assim.
    Um abraço

    • Berço do Mundo 21 Junho, 2017 em 16:05 - Responder

      Bem, na verdade, Basel é a terceira maior cidade suíça, depois de Zurique e Genebra. Mas, ainda assim, é pequenina até para os padrões do nosso pequenino Portugal.
      Beijinho Elvira

  4. Mirella Matthiesen (mikix) 22 Junho, 2017 em 16:09 - Responder

    Deve ter sido uma experiência interessante ter visto a Helvécia dessa maneira tão humana.
    Adorei conhecer e viajar por Basel por suas palavras e perspectivas 🙂
    bjos

    • Berço do Mundo 22 Junho, 2017 em 17:56 - Responder

      Todos os guerreiros precisam despir o uniforme, de vez em quando. Grata pela sua visita e amável comentário.
      Abraço

  5. Gisele Rocha 22 Junho, 2017 em 22:35 - Responder

    Roteiro curtinho, mas bem interessante. Ainda não tive a oportunidade de conhecer a fronteira tripla, então guardarei o seu post para o futuro.

    • Berço do Mundo 23 Junho, 2017 em 6:39 - Responder

      Na verdade, Gisele, visitei vários pontos turísticos na cidade, mas não escrevo para fazer roteiros (para isso, há muitos outros blogs de viagens que se podem consultar). A filosofia do Berço é passar uma visão pessoal acerca dos lugares e do mundo.

  6. Mapa na Mão 23 Junho, 2017 em 13:00 - Responder

    Que lugar simpático. Eu adoro a Suíça, mas não conheço ainda a Basileia. Ótimas dicas, amei o post!

    • Berço do Mundo 23 Junho, 2017 em 13:37 - Responder

      Na verdade, não era um lugar "obrigatório" para mim. Mas o meu marido tinha tanta curiosidade, que tivemos que passar um dia lá. Não posso dizer que é a minha cidade suíça preferida, mas foi um programa simpático.

  7. Rayane Azevedo 23 Junho, 2017 em 14:23 - Responder

    Olha que legal! Não tinha lido um relato sobre Basileia. Muito bom esse artigo, parabéns!

  8. Rui Pires - Olhar d'Ouro 23 Junho, 2017 em 15:28 - Responder

    Olá Ruthia, grato pelas palavras, grato por permitir dar a conhcer este maravilhoso e interessante espaço!
    Bj

  9. Thais 23 Junho, 2017 em 18:43 - Responder

    Olaaaa
    Adorei o seu post. Cada lugar lindo.
    Ainda não conheci esse cantinho da Suíça. preciso voltar.
    Abraços
    Thais

    • Berço do Mundo 25 Junho, 2017 em 15:16 - Responder

      Um cantinho mesmo, na ponta das pontas, no limite dos limites 🙂 É uma cidade simpática

  10. Katarina Holanda 23 Junho, 2017 em 19:40 - Responder

    Eu amo cidades assim, acho que também gostaria demais de conhecer Basileia. Parece um encanto pelo seu relato! A Suíça é demais <3

  11. Analuiza Carvalho 24 Junho, 2017 em 15:18 - Responder

    oi Ruthia… mais um texto adorável e delicioso de passear. Gostei de caminhar com você por Basel, cidade que não consegui visitar quando estava no país, não por falta de vontade e sim por absoluta falta de tempo!

    Voltarei um dia, pois já criei, bem aqui, minhas memórias primárias a respeito da cidade! 🙂 bj

    • Berço do Mundo 25 Junho, 2017 em 15:13 - Responder

      Acontece o mesmo comigo, quando leio um bom texto sobre algum lugar. É realmente uma espécie de memória primária, quando chegamos lá, já há algo de familiar.
      Então, já está de regresso ao Brasil?
      Beijinho

  12. Francisco Piazenski 25 Junho, 2017 em 3:39 - Responder

    Quando voltar a Suíça, desejo muito conhecer Basiléia, bem como outras cidades. A Catedral e o passeio ribeirinho deve ser demais!! Parabéns pelo relato!

    • Berço do Mundo 25 Junho, 2017 em 15:14 - Responder

      A Catedral é muito singela, já que se tornou protestante e, com isso, ficou muito mais despojada. Mas eu gosto dessa sensação de silêncio despojado!
      Abraço

  13. Anónimo 25 Junho, 2017 em 11:54 - Responder

    Um ótimo post sem dúvida 🙂

  14. Um belo passeio pelas margens do Reno.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

  15. Ayub 27 Junho, 2017 em 1:34 - Responder

    Olá Ruthia! Adorei o post e que belos locais hein?! Você escreve muito bem, parabéns! 😉

  16. Beatriz Bragança 27 Junho, 2017 em 17:16 - Responder

    Querida Ruthia
    também eu, há uns anos , fiz esse roteiro e agora delicio-me a recordar.
    A Ruthia é uma óptima escritora e, no que se refere a viagens, nunca li nada melhor.Dá-nos vontade de ir logo fazer as malas e partir.
    Um beijinho
    Beatriz

    • Berço do Mundo 27 Junho, 2017 em 20:25 - Responder

      Ownnnn, Beatriz. Muito obrigada pelo carinho. É muito bom receber este tipo de feednack.
      Um beijinho

  17. Mariazita 28 Junho, 2017 em 16:33 - Responder

    Querida Ruthia
    Continuo visitando a Suiça na tua companhia – já que, infelizmente, é um dos países que não cheguei a conhecer AINDA.
    A verdade é que, depois das excelentes descrições que fazes, e das fotos que nos mostras, a vontade que sempre tive de a conhecer, fica ainda mais… "atiçada" 🙂
    Este ano não dá, vou aos States no final de Julho e regresso a meados de Setembro. Mas no próximo ano quem sabe?

    RE: Esqueceste o título – O SEGREDO de Bela… Se é segredo…
    Ela será mesmo da idade da mãe dos rapazes?
    Ou melhor, ela existirá mesmo??? Não será fruto da imaginação deles? Afinal… eles estiveram a beber…
    As hipóteses ficam no ar. As respostas virão a seu tempo…

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    • Ruthia 29 Junho, 2017 em 6:46 - Responder

      A marota vem aqui atiçar a curiosidade?! E faz muito bem, aguardo os novos episódios com impaciência.
      Beijinho

  18. Maria Glória 29 Junho, 2017 em 19:56 - Responder

    Uma cidade que eu adoraria conhecer Ruthia. Gosto de viajar com você, pois há uma leveza na tua escrita, que eu posso apreciar os detalhes como se eu estivesse dentro da foto.

    • Berço do Mundo 29 Junho, 2017 em 20:58 - Responder

      Maria Glória, preparar um post com todo o cuidado e ser recompensado com comentários amáveis e positivos como o seu, não podemos pedir mais! Muito obrigada

  19. Adriana LARA 5 Julho, 2017 em 17:22 - Responder

    querida amiga, como sempre a nos dar maravilhosa aula de história e cultura… cada vez que venho aqui me sinto engrandecida de saber! Só posso mesmo te agradecer por mais esta oportunidade de conhecer, viajar contigo, mais um dos muitos lindos cantos e recantos deste mundo! bjs

  20. TurMundial 8 Setembro, 2017 em 10:49 - Responder

    Tenho muito vontade de conhecer esse linda charmosa cidade da Suíça e ainda estando perto de mais outros dois países deve ser muito legal. Vou guardar a informação para ir uma próxima vez.

  21. blog Mulher Casada Viaja 30 Outubro, 2017 em 16:10 - Responder

    Belo relato, gostoso de ler e informativo. Parabéns!

Deixe o seu comentário