Pecados em Figueira de Castelo Rodrigo

Estas belas ruínas podiam ser em Itália ou na Turquia. Mas  ficam no interior de Portugal, numa vila ligada a grandes momentos históricos da nação. Estamos em Figueira de Castelo Rodrigo

Um feriado a meio da semana é fantástico. Um feriado a meio da semana, com um tempo primaveril, é ainda melhor. O que fazer então quando o nosso pequeno explorador não quer sair de casa? Suborná-lo.

Foi isso mesmo que fiz. Um gelado em troca de um passeio sem dramas. Ainda vou pagar caro este suborno que, diga-se, é um pecado de educação. Qualquer dia pergunto ao Pedro “vamos visitar aquele novo museu?” e ele responde-me “se me deres um Hot Wheels”. Mas vá, um dia não são dias, nem sempre se consegue ser um modelo pedagógico.

O destino foi a aldeia histórica de Castelo Rodrigo que, como tantas outras pequenas localidades beirãs, tem as suas muralhas medievais, as suas amorosas casinhas de pedra, a sua nostalgia de glórias passadas. Mas cada uma das aldeias históricas tem um pormenor que a torna especial. Castelo Rodrigo tem misteriosas ruínas que apelam à nossa imaginação. Em tempos foi o palácio de um marquês, de seu nome Cristovão de Moura.

 

igreja da aldeia histórica

 

Um pouco de história de Figueira de Castelo Rodrigo

Para os seus humildes vizinhos e conterrâneos, o nobre era um traidor, graças à lealdade demonstrada a Espanha, durante a dinastia dos Filipes. Assim, quando a notícia da restauração da independência (de 1640) chegou a estes confins, a população vai de deitar fogo à residência.

Nesta aldeia – que foi vila e sede de concelho durante mais de 600 anos – pode-se visitar também a pequena Igreja de N. Senhora do Rocamador. O templo foi erguido em honra de Notre-Dame de Rocamadour, muito venerada em França. Criado por frades de Salamanca no século XII, serviu de apoio aos peregrinos que se dirigiam a Santiago de Compostela. Diz a lenda que o próprio Francisco de Assis terá aqui pernoitado, quando fazia o seu caminho de fé.

Tudo isso visitámos com alegria. Mostrei ao Pedrinho as amendoeiras que rodeiam a aldeia, perseguimos gatinhos velozes, respirámos ar puro, colhemos flores silvestres. Houve ainda tempo para um saltinho ao centro de Figueira de Castelo Rodrigo, a cerca de três quilómetros, para ver o gigante ninho da cegonha e comprar o tal gelado que fomos comer à Serra da Marofa.

 

entrada das ruínas
entrada da aldeia

Pedras que parecem gente…

 

Lendas da serra da Marofa

A dita Marofa, de onde se aprecia uma linda paisagem e uma tranquilidade sem igual, é também lendária. Diz o povo que um rico judeu, chamado Zacuto, comprou e estabeleceu-se no alto da serra com a sua linda filha, de seu nome Ofa.

Ora um fidalgo local apaixonou-se pela menina e, quando a família se converteu ao cristianismo (D. Manuel provocou muitos cristãos-novos), pôde cortejá-la livremente. Sempre que ia visitar a sua amada ao alto da encosta, o fidalgo dizia à mãe e amigos: “vou amar Ofa”. E foi assim que a serra de Castelo Rodrigo passou a ser conhecida como Serra da Marofa.

Um Cristo foi colocado ali no alto, com a mão direita a abençoar a aldeia histórica que abandonámos há pouco e a esquerda a sede de concelho. Foi sob o seu olhar que cometi o segundo pecado do dia. Um pecado doce, um “Beijo Apaixonado”. Na verdade, é uma edição limitada com molho de frutos vermelhos, mirtilos e pedaços de merengue, envoltos num gelado cremoso, coberto pelo tradicional chocolate Magnum.

 

serra da Marofa

 

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).
  • Poupe em taxas bancárias, fazendo pagamentos seguros em qualquer parte do mundo com o cartão Revolut (usando este link não paga o envio do cartão)

Este post pode conter links de afiliados

2019-07-16T15:17:38+00:00

13 Comments

  1. Henrique ANTUNES FERREIRA 2 Maio, 2013 em 18:03 - Responder

    Ruthiamiga

    Ora cá estou eu, depois de um pesadelo (julgo que sabes) a visitar estas bandas; ou melhor a viajar, para condizer com o título do teu blogue.

    Dito isto, espero que agora já possas voltar à nossa Travessa. Passei por aqui e continuo a gostar – de viajar… no teu blogue.

    Qjs

    H

  2. AC 2 Maio, 2013 em 20:12 - Responder

    Pois é, estas voltas pelas aldeias históricas só me trazem boas memórias. Até a Serra da Marofa, visitada ao fim de tarde, onde vislumbrei, para além da envolvente paisagem, uma magnífica e esquiva raposa…

    Beijo 🙂

    • Ruthia 3 Maio, 2013 em 8:25 - Responder

      É um percurso muito interessante. Das aldeias históricas "oficiais" falta-me conhecer Piódão e Castelo Novo.

      Aquele bosque de pinheiros na subida da Marofa tem um quê de misterioso…
      Beijinho

  3. Jorge Fortunato 2 Maio, 2013 em 22:29 - Responder

    Olá Ruthia, que lugar incrível! Viajei no tempo com o seu belo texto e as fotos. E vejo que voce vai pecar muito…rs afinal, motivos bons para isso você tem.
    Beijos do amigo carioca

  4. Jorge Fortunato 2 Maio, 2013 em 22:35 - Responder

    Ruthia
    Que lugar incrível você visitou!Gostei muito, há um clima misterioso no ar.'muito interessante mesmo.
    E se o'pecado foi esse, você vai pecar muito mesmo, pois não há como resistir a essa tentação.
    Beijos

  5. ✿ chica 3 Maio, 2013 em 11:17 - Responder

    Um suborno altamente perdoado e recompensado. Ele há de agradecer e muito ao lembrar, mais tarde. Lindo e histórico lugar. E o pecado gelado? Tudo de bom! beijos,chica

    • Ruthia 3 Maio, 2013 em 14:14 - Responder

      Espero que sim, que recorde com carinho todos estes momentos de descoberta que partilhamos. O pai está sempre ou muito ocupado ou sem vontade de ir seja onde for… então restamos os dois 🙂
      Beijinho

  6. Adriana 3 Maio, 2013 em 13:25 - Responder

    oi Ruthia, que lugar maravilhoso e cheio de histórias, que tu não exitas em nos contar… adoro, bem sabes, essas aulas de cultura e história… para ser solidária, tb cometi um pecado ontem e saboreei um delicioso sorvete, entre waffles, produção de sorveteria daqui da região!… claro que não fiz fotos…. bjs desejando um lindo e ensolarado final de semana, com muitas flores primaveris!
    tititi da dri

    • Ruthia 3 Maio, 2013 em 14:15 - Responder

      Haha, waffles com gelado, que amiga solidária! Muito bom! Um fim-de-semana doce e perfumado para ti também, querida.

  7. Anne Lieri 4 Maio, 2013 em 20:10 - Responder

    Ruthia,que beleza de lugar!Um encanto e amei a história da Ofa!bjs,

  8. M. 5 Maio, 2013 em 7:56 - Responder

    Ai que rico subornadinho!!! Belo passeio! Também estou a tentar subornar alguém para dar um passeio hoje!
    Beijinhos, bom domingo!

  9. Stephanie 5 Maio, 2013 em 17:46 - Responder

    Que passeio gostoso!!! Mas nossa o Magnum me prendeu rs, amo amo 😀
    Aqui não tem desse, snif rs!!!
    Ótima semana querida ^^
    Beijos Té

  10. marciagrega 6 Maio, 2013 em 20:16 - Responder

    Que lindo passeio e que "pecado" mais gostoso kkkkk

    Bjussssss

Deixe o seu comentário