Namíbia no meu destino

© worldtraveldesigner.it

Quem já perdeu um pouco do seu tempo a ler a minha nota biográfica aqui n’O Berço (Quem escreve?) sabe que nasci na Namíbia.

Cresci a ouvir a minha mãe contar o meu nascimento épico, em como as picadas africanas tinham provocado um trabalho de parto prematuro e como esta novela tivera um desfecho feliz, na África do Sul. Só quase adulta descobri que essa “África do Sul” significava um mero protectorado. Aliás, a Namíbia libertou-se do jugo colonial apenas em 1990.

Nasci pois entre Angola e África do Sul, entre o deserto do Namibe e o inóspito Kalahari, num lugarejo suficientemente calmo para acolher um campo de refugiados, onde os brancos podiam sossegar os seus terrores nocturnos e apanhar um avião para o velho mundo. Sete dias depois, chegava a Portugal, embrulhada num xailezinho leve, ideal para o clima árido que tinha deixado para trás.

 

© stories.namibiatourism.com.na (Foto de Hougaard Malan)

© stories.namibiatourism.com.na (Foto de Hougaard Malan)

 

Nunca mais voltei aquela região – fui ao Egipto, Marrocos e Cabo Verde, que têm um ambiente tão pouco africano, que quase me esquecia deles – mas o bichinho tem-me acompanhado desde que me lembro de ser gente. Não é apenas uma curiosidade que precisa ser saciada, é como se tivesse um vazio no peito à espera de ser preenchido no lugar onde nasci.

Há dias comecei a ler Um lugar dentro de Nós, do viajante profissional Gonçalo Cadilhe. Diga-se que não sou leitora assídua da chamada literatura de viagens, sou mais romance histórico ou pura ficção, com umas incursões ocasionais pelo fantástico e pelos contos. Mas o livro estava com 50% de desconto na Fnac e eu não resisto facilmente a este tipo de promoções literárias.

Por coincidência, a Namíbia inspira um dos primeiros capítulos do livro e o que li calou fundo na minha alma.

 

deserto da Namíbia

© sonnenlaender.de

 

“Ao fim do dia, com o pó que sacas da garganta construías um muro de argamassa para a tua casa. E com as pedras em que tropeçaste levantavas um molhe de protecção de uma barra de litoral. E com as montanhas que te delinearam o horizonte protegias melhor um império do que qualquer Grande Muralha. E com a beleza que te encheu a alma já não precisas de acreditar em mais nenhuma eternidade senão a do teu olhar”.

As cores, infantis e isoladas como “se fosse um menino-deus a colorir desajeitadamente estes espaços”, a paisagem que convida à introspecção (“quem viaja pela Namíbia pode pensar que a vida aqui foi feita antes da palavra”), o excesso de luz e de infinito: eis que (re)descobri a viagem da minha vida.

 

 

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

2019-10-01T13:19:24+00:00

29 Comments

  1. Mariazita 24 Janeiro, 2014 em 15:49 - Responder

    Ruthia, querida
    Não me admira que a tua viagem de sonho seja a Namíbia. O chamado de África é muito forte!
    Os anos que vivi em África foram inesquecíveis, o livro que estou escrevendo é, precisamente, sobre as minhas recordações de África, e penso que quem conheceu África não a esquece jamais.
    Ora trazendo-a "no sangue"… como se pode esquecê-la?
    Gostei do texto e MUITO das imagens.

    Bom fim de semana.
    Beijinhos

    • Ruthia 24 Janeiro, 2014 em 17:20 - Responder

      A minha mãe também sofre desse mal. Gostava de morrer na "sua terra". Aguardo ansiosamente pelo seu livro.
      Beijinho

  2. Patricia Galis 24 Janeiro, 2014 em 16:19 - Responder

    Depois deste post fiquei com vontade de ver pessoalmente.

  3. Joana 24 Janeiro, 2014 em 16:25 - Responder

    Voltar às origens, encontrar a nossa "casa". Não é isso que todos procuramos? A "casa" não é o local onde repousam os nossos ossos, e sim o local onde "repousa" a nossa alma.
    Quem sabe ao encontrares a tua "casa" te descubras a ti própria? Por vezes só sabemos que andámos perdidas quando nos encontramos…
    Um beijo enorme com muitas saudades!

    • Ruthia 24 Janeiro, 2014 em 17:18 - Responder

      Sempre me conheceste com esta ansiedade, não é? Fome de algo mais. Talvez a alma sossegue em África…

    • Joana 24 Janeiro, 2014 em 18:21 - Responder

      Talvez por isso as nossas almas se acarinharam tão bem. Talvez por serem irmãs gémeas nesta "fome de casa".
      E nestes últimos anos sei bem o que é essa fome. Só quando descobri a "casa" que sempre procurei, e consequentemente me encontrei, é que percebi que afinal tinha andado mais perdida do que pensava. E alma ficou bem mais calma… Um longo caminho a percorrer, todos os dias.

  4. Sissym Mascarenhas 24 Janeiro, 2014 em 17:08 - Responder

    Ruthia, após ler e adorar mais uma vez suas historias de vida, compartilhei no G+:
    "lindo demais! adoro esta minha amiga blogueira! eu gosto de historias!"

    Bjs

    • Ruthia 24 Janeiro, 2014 em 17:18 - Responder

      Obrigada pelo carinho, Sissym. Na verdade, tenho tantas histórias que a minha vida dava um filme. Como a de todos, suponho.
      Beijoca

    • Sissym Mascarenhas 26 Janeiro, 2014 em 1:40 - Responder

      Imagino! Adoraria ler mais e mais.

  5. Guida Pinto Ricardo 24 Janeiro, 2014 em 17:11 - Responder

    Quando se diz " … a magia de Africa … ", não é mera frase feita, chavão usual que dá jeito para quando não há mais para dizer, ou não se sabe o que mais dizer. Não, não é!! É mesmo de magia que falamos.
    E tenho a certeza que será emocionante ver através dos teus olhos e sentimentos, essa África que te viu nascer, que não conhecesses mas que " é como se tivesse um vazio no peito à espera de ser preenchido no lugar onde nasci"…
    Oxalá realizes o teu sonho rapidamente minha querida.

    • Ruthia 24 Janeiro, 2014 em 17:17 - Responder

      É tudo menos chavão, querida Guida. Mas este sonho é caro: viste o link da viagem? Duas semanas, acampar sob aquelas estrelas imensas, percorrer o país, fica a mais de quatro mil euros. E penso que deve ser uma viagem muito desgastante para fazer com um filho pequeno. Tenho muito que meditar (e poupar).
      Beijinho

  6. Beatriz Bragança 24 Janeiro, 2014 em 18:18 - Responder

    Querida Ruthia
    Ja estou a imaginar uma publicaçao com fotografias belissimas da Namibia e a minha amiga a enriquecer a beleza da paisagem!
    Bons preparativos e uma excelente viagem.
    Nao pense,nao adie;va! E seja muito feliz.
    Todos gostamos de saber e conhecer as nossas origens.e perfeitamente natural.
    Bom fim de semana.
    Beijinhos
    Beatriz

  7. Stephanie 25 Janeiro, 2014 em 2:46 - Responder

    Ruthinha, sou louca para conhecer a Africa. Mas para você poder voltar lá sem duvidas será mto mais especial e com sabor de muitas lembranças, né?!
    Tenha um ótimo fim de semana!
    Beijos, Té

  8. Amanda Mércuri 25 Janeiro, 2014 em 13:09 - Responder

    Obrigada, Ruthia! ;D

    Ótimo sábado!

    Beijo! ^^

  9. RUDYNALVA 25 Janeiro, 2014 em 20:36 - Responder

    Ruthia!
    Não sabia que era sul africana.
    Deve ter sido bem comovente poder ver um pouco mais de suas raízes, retratadas de alguma forma, falando sobre a cidade que nasceu?
    Já pensou em fazer nova viagem por lá? Ie nos lugares onde nasceu?
    Obrigada por visitar e blog e deixar seu recadinho por lá. Retribuo o carinho e desejo um ótimo final de semana!
    Luz e paz!
    cheirinhos
    Rudy
    Blog Alegria de Viver e Amar o que é Bom!
    “O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.” (Guimarães Rosa)

  10. Clara Lúcia 25 Janeiro, 2014 em 22:03 - Responder

    Ruthia, nasceu na Namíbia? Mas que máximo!!! Nunca poderia ter imaginado uma coisa dessas, não que isso vá mudar, mas sempre ouvi falar da Namíbia, nunca vi ninguém falar de lá e sempre me lembro de Angelina Jolie que adotou um filho de lá.
    Adorei! Tô aqui imaginando as maravilhosas fotos e os relatos escritos que soam como música nos nossos ouvidos….
    Vá, querida, e traga Namíbia pra gente!

    Um maravilhoso fim de semana!
    Beijos

  11. Chris Ferreira 26 Janeiro, 2014 em 2:17 - Responder

    Oi Ruthia, eu não sabia da história do seu nascimento. Sabe que hoje mesmo a minha filha veio me falar de fazer viagem para a África? Fiquei com vontade de ler o livro.
    Uma ótima semana pra você
    beijos
    Chris
    Inventando com a Mamãe

  12. Toninho 26 Janeiro, 2014 em 13:42 - Responder

    Depois deste texto cheio de encantos, estou a esperar com ansiedade pela sua volta ao tempo e reencontrar suas origens Rhutia.
    Que seja logo amiga.
    Lindo domingo a voces.
    Um carinhoso abraço.
    Beijo de paz e luz.

  13. SIMONE PRADO 26 Janeiro, 2014 em 13:51 - Responder

    As vezes precisamos buscar as nossas origens para nos reencontrarmos…uma história de vida um tanto emocionante a sua…e vamos junto nessa, quero saber de cada passo….srsrsrr…isso que é viver em emoções sem sair de casa no meu caso….felicidades querida…e tudo que buscar haverá de encontrar….bjim.

  14. M. 27 Janeiro, 2014 em 8:23 - Responder

    Que bonito! Não me lembro de ter lido literatura de viagens, exceptuando a tua aqui no blogue 😉
    Beijinhos, boa semana!

  15. Fernanda 27 Janeiro, 2014 em 10:24 - Responder

    Pensei ter deixado um comentário, mas algo não funcionou 🙁
    Bem, eu penso que todo o ser humano deseja um reencontro com as suas raízes, senão um regresso. E pelo que conheço de pessoas que nasceram em África, este chamamento é comum e forte. Por isso desejo que a Ruthia consiga esse regresso algum dia.
    De África conheço apenas a Tunísia, e também não me parece que seja África verdadeiramente. Tenho o bichinho das viagens e há uma infinidade de lugares, cidades e países que desejo conhecer, no entanto, confesso, é um continente que me atemoriza, receio muito as emoções e frustrações que me provocaria. Embora seja o berço da humanidade, não sinto esse chamamento em mim.

    Beijinhos

  16. AC 27 Janeiro, 2014 em 12:45 - Responder

    Ruthia,
    Há coisas que têm mesmo que ser feitas. A crónica de Gonçalo Cadilhe, deduzo, ainda aguça mais o apetite. Há, pois, que colocar a peça que falta no puzzle.

    Beijo 🙂

  17. Adriana 27 Janeiro, 2014 em 13:15 - Responder

    são paisagens lindas, mas é um lugar que eu deixaria para depois para visitar
    passando para desejar uma semana repleta de alegrias e realizações, com muita saúde, amor e paz
    bjs
    tititi da dri

  18. Anne Lieri 27 Janeiro, 2014 em 17:48 - Responder

    Que maravilhoso relato! Nas origens está nossa identidade! Lindas imagens e pensamentos! bjs,

  19. Jorge Fortunato 27 Janeiro, 2014 em 20:29 - Responder

    Olá! Que surpresa! Acho que vc é a segunda européia que conheço que nasceu em país africano.
    Tenho alguma curiosidade para ir à Africa, esse continente surpreendente.
    Beijinhos, sob o calor escaldante do Rio de Janeiro, quase africano.

  20. Jussara Neves Rezende 28 Janeiro, 2014 em 17:39 - Responder

    Ruthia, seu belo relato parece comprovar o que penso sobre alguns livros procurarem seus leitores. Esse achado na Fnac certamente não foi por acaso uma vez que veio aguçar o sentimento atávico que a liga à Namíbia. Fico agora a imaginar a emoção que sentirá ao voltar a esse lugar de paisagens amplas e luminosas!
    Gde abraço!
    #Estou de volta… devagarinho, mas de volta 🙂

  21. Mariazita 30 Janeiro, 2014 em 9:39 - Responder

    Ruthia, querida
    A minha modesta incursão no campo da poesia deu origem a um post que publiquei hoje, dia 30.
    Devo continuar? É melhor desistir? Qual é a tua opinião?
    Aguardo-te na minha «CASA», para te pronunciares…
    Obrigada.
    Beijinhos

  22. Dulce Morais 30 Janeiro, 2014 em 20:25 - Responder

    Ruthia,
    A África faz parte da minha vida, do meu percuso, por várias razões. Há no continente africano algo que não pode explicar-se, que só pode viver-se por quem o descobre com a mente e o coração abertos.
    Que essa vontade de voltar a África se transforme em sonho realizado e que o sonho contribua a preencher a memória de perfumes inesquecíveis, paisagens incomparáveis, sons irresistíveis e pessoas insubstituíveis.
    Boa viagem! 🙂
    Um beijinho.

  23. Caio aqui, vindo do outro lado do Atlântico, terminando de publicar em meu blog o décimo capítulo sobre minha recentíssima viagem à Namíbia, e encontro este blog tão bem escrito. Voltarei muitas vezes para me inspirar. Felicidades.

Deixe o seu comentário

Subscreva a Newsletter 

Receba por email conteúdo, novidades exclusivas e muita inspiração para viajar a solo e em família (em português)

Fechar (X)

*Não envio spam