A herança da Guinness em Dublin

Arthur Guinness acreditava tanto na sua cerveja, que a baptizou com o nome de família. Dois séculos e meio depois, a sua porter cremosa é um símbolo nacional

Qual será a atracção mais visitada em Dublin? A catedral de St. Patrick ou o Temple Bar? A Casa de James Joyce ou o Phoenix Park? Eu respondo. É a Guinness Storehouse, a casa da marca irlandesa.

A história da própria cidade está entrelaçada com a da cervejeira, que produz 1,7 milhões de litros diários de cerveja preta e chega a mais de 150 países. A sua publicidade – presente e passada – faz parte da paisagem urbana de Dublin.

Mas nem só de amor à cerveja se explica a importância da Guinness na Irlanda. Por exemplo, a harpa, que todos associamos ao país, é uma marca registada da Guinness. Quando o governo quis usá-la, teve que inverter o símbolo.

O famoso Guinness Book foi uma ideia do gestor da cervejeira no início dos anos 1950, no seguimento de uma aposta de caça. Ainda hoje é a obra que mais lucra com direitos de autor. Ao longo dos anos, a família deixou várias marcas na história e arquitectura de Dublin.

 

publicidade da Guiness

Explorando a sede da Guinness

Tudo começa no coração de St. James’s Gate. O confiante Arthur alugou ali uma pequena fábrica, em 1759, pelo período de 9.000 anos. Coisa pouca. O contrato de arrendamento pode ser visto na Guinness Storehouse, no início da visita.

A unidade foi crescendo, atravessou o rio, construiu o seu próprio caminho-de-ferro, até se tornar a maior cervejeira do mundo. Na viragem do século XXI, transformou o edifício de fermentação em museu, para contar a sua história.

O percurso interactivo desenvolve-se ao longo de seis andares, num edifício em forma de copo de cerveja. Um copo gigante, capaz de receber 14,3 milhões de pints de Guinness. Isto é sinónimo de mais de 8 milhões de litros, já que cada pint tem 568 ml por aqueles lados.

O piso térreo apresenta-nos a história do fundador e os ingredientes que dão à Guinness o seu sabor especial. São eles o lúpulo (hops), a cevada (barley), a levedura (yeast) e água das montanhas de Wicklow. Dizem que a água explica porque uma Guiness produzida em Dublin sabe melhor do que uma cerveja da mesma marca produzida noutro país.

 

entrada da Guiness Storehouse

A visita é interessante também para os não apreciadores de cerveja. O Pedrinho divertiu-se imenso.

 

O piso seguinte é dedicado ao processo de fabrico, armazenamento e transporte. Há uma secção dedicada à arte de tanoaria porque, durante muito tempo, a cerveja foi transportada em barris de madeira. Segue-se um piso com salas de prova, que não cheguei a conhecer, porque tem que se esperar à porta, até estar formado um grupo.

O terceiro andar é dedicado às campanhas publicitárias da Guinness. Do peixe a andar de bicicleta à ostra que assobia, originalidade não falta por ali. As pessoas bebiam Guinness depois de darem sangue, para reporem os electrólitos? Um trabalhador carregava uma viga sozinho, energizado pela cerveja preta? Na publicidade, tudo é possível.

 

Guiness storehouse em Dublin

Tirar a Guinness perfeita e bebê-la

Chegamos à Academia Guinness (em que piso? Estou perdida e ainda não bebi) onde aprendemos a tirar uma cerveja perfeita. Este é um ritual de seis passos que demora 119,5 segundos. Se passarem no teste, terão direito a um certificado. Os verdadeiros apreciadores podem reservar ainda uma experiência Connoisseur, mais privada. E cara.

Ao almoço podem provar alguns pratos feitos com Guinness nos restaurantes do 5º andar: pão preto, salmão curado, ensopado de carne, brownie de chocolate. Ali fica o Brewers Dining Hall, que reproduz o ambiente do refeitório da fábrica nos séculos passados, o Arthur’s Bar e o Gilroy’s, em homenagem ao criador de alguns anúncios icónicos da marca.

A visita termina na “espuma”, que é como quem diz, no Gravity Bar, que corresponde ao topo do edifício/copo de cerveja. Foi ali que provei a minha pint e o Pedrinho se refrescou com uma Fanta, enquanto apreciávamos a linda vista panorâmica da cidade.

 

Escultura “Guinness Made of More” (2012)

Legado Guinness em Dublin

Para além da maior empregadora da capital irlandesa durante décadas, a família Guinness ficou conhecida pela sua filantropia. O fundador patrocinou as artes gaélicas e serviços de saúde para os mais pobres. Morou sempre numa casa modesta, na Thomas Street, com a esposa e os 21 filhos (apenas 10 chegaram à idade adulta), apesar da riqueza que conquistou.

Os descendentes seguiram-lhe o exemplo. Além de assistência médica, refeições e bolsas de estudo oferecidas aos trabalhadores, em 1872, construíram casas para as famílias de 300 funcionários. Ainda se mantêm de pé, com o tradicional tijolo vermelho. Depois, criaram um fundo que permitiu construir blocos de casas sociais, creches e albergues para os sem-abrigo.

Sir Benjamin Guinness patrocinou o restauro da catedral de St. Patrick: procurem a sua estátua, junto à igreja. O seu filho criou o parque ao lado, onde os irlandeses celebram a vida, sempre que o sol aparece (foto abaixo). Outros espaços verdes de Dublin estão ligados aos Guinness. É o caso dos jardins Iveagh e do simpático St. Stephen’s Green, que foram comprados por membros do clã e depois oferecidos à cidade.

 

St. Pactrick Park

 

A visita a Dublin deu-me toda uma nova perspectiva sobre a cerveja e marca Guinness.

Guinness Storehouse site | Horário: 9h30-19h00 ou 9h30-21h00 (Julho e Agosto) | Preço: a partir de 18,50€ (adulto), 16€ (13-17 anos), grátis (até aos 13 anos). Entrada gratuita com o Dublin Pass**

** valores de Junho de 2019

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a IATI (beneficia de 5% de desconto com este link).
  • Poupe em taxas bancárias, fazendo pagamentos seguros em qualquer parte do mundo com o cartão Revolut (usando este link não paga o envio do cartão)

Este post pode conter links de afiliados

2019-08-12T07:29:41+00:00

16 Comments

  1. Fernanda Souza 14 Julho, 2019 em 0:34 - Responder

    Eu adorei a visita a Guiness Storehouse, mesmo não sendo muito fã de cerveja preta. Não fazia ideia que a família Guiness tinha feito tanta coisa boa por Dublin. Muito interessante saber sobre esse lado assistencialista e sobre as bolsas de estudo oferecidas aos trabalhadores. Realmente, uma bela herança da Guiness para Dublin.

    • Ruthia 17 Julho, 2019 em 17:32 - Responder

      E continua a fazer. Criaram há poucos anos um fundo com o nome do fundador, a atribuir a pessoas que tenham projetos para melhorarem a comunidade onde vivem

  2. Euclides Torezan 15 Julho, 2019 em 12:09 - Responder

    A vontade de conhecer Dublin só aumenta, ja queremos conhecer a herança da cerveja Guiness. Lendo seu artigo achei muito interessante a parte em que no ano de 1872 já construiu casas para seus funcionários além do lado social, promovendo saude aos mais pobres. Com certeza iremos visitar este local ainda. Obrigado por despertar o bichinho da viagem em nossas mentes.

    • Ruthia 17 Julho, 2019 em 17:33 - Responder

      A isso se chama responsabilidade social mas, em pleno século XXI, ainda há empresas que não fazem ideia do que isso seja

  3. Andrea 15 Julho, 2019 em 21:34 - Responder

    Nunca imaginei que por trás de uma cerveja (embora a Guiness não possa ser considerada qualquer cerveja) havia tanta história. Mais um lugar para colocar no roteiro de Dublin.

  4. Aninha Lima 16 Julho, 2019 em 1:03 - Responder

    Adoraria conhecer Dublin, e apesar de não tomar cerveja, eu sempre incluo suas fábricas nos meus roteiros. A fábrica da Guiness com certeza eu adoraria visitar, é tão lendária!

  5. Cris 16 Julho, 2019 em 4:12 - Responder

    Ah eu já queria conhecer a Guiness! Agora, então, sabendo de todo legado da Guiness em Dublin, quero muuuuito!

  6. Luciana Rodrigues 16 Julho, 2019 em 7:14 - Responder

    Olha, agora até olho a Guiness com ainda mais simpatia. Sempre compro, não para beber, mas para fazer torta de chocolate com guiness. Fica deliciosa.

    • Ruthia 17 Julho, 2019 em 17:33 - Responder

      Ah, eu quero essa receita da torta de chocolate com Guiness!

  7. Edson Amorina Junior 16 Julho, 2019 em 8:26 - Responder

    Gostei muito de conhecer a Guinness, que bebo com frequencia (hic hic)! Haha… mas já faz tempo que fomos, precisamos voltar.

  8. Angela C S Anna 16 Julho, 2019 em 8:45 - Responder

    essa n eh a minha cerveja favorita, mas com ctz vale a pena conhecer a fabrica ne. adorei aquele peixe de bicicleta hauehae

  9. Gisele Prosdocimi 17 Julho, 2019 em 4:27 - Responder

    Sou apaixonada por cerveja e louca para conhecer a Irlanda, que delícia de post, duas paixões em um só.
    Cerveja preta não é a minha preferida, prefiro a Pilsner ou Pilsen, como falamos no Brasil, mas não descartaria nunca a oportunidade de tomar umas Guinness na fonte em Dublin.
    Adoro também conhecer cervejarias, já fiz alguns tours, é muito bacana, muito legal a dica. Beijo.

    • Ruthia 17 Julho, 2019 em 17:34 - Responder

      Eu não sou conhecedora ou apreciadora de cerveja, mas gostei muito da visita. E o meu filho também, porque o museu é todo bem interactivo

  10. Diego Arena 17 Julho, 2019 em 17:29 - Responder

    Que delicia. Quando visitar a Irlanda com certeza gostaria de fazer o tour e conhecer a fabrica.
    Boas dicas

  11. Itamar Japa 18 Julho, 2019 em 19:01 - Responder

    Este é o primeiro lugar que irei visitar quando for visitar Dublin! Adorei conhecer a história através do blog! Confesso que não tinha relacionado a cervejaria ao livro de recordes ainda, achei que eram coisas distintas com o mesmo sobrenome!

  12. Ana Carolina 20 Julho, 2019 em 18:02 - Responder

    Nossa, não fazia ideia de que esse seria o lugar mais visitado de Dublin, mas adorei saber é já quero conhecer. Ótima dica

Deixe o seu comentário