Tesouros da Irlanda: Book of Kells e Long Room

A mais antiga universidade da Irlanda dá abrigo a dois tesouros nacionais: o lendário Book of Kells e a Long Room. Fomos a Dublin conhecê-los

A Trinity College é uma instituição com pedigree. Por ali passaram vários políticos e escritores irlandeses de referência como Jonathan Swift, Bram Stoker, Oscar Wilde e Samuel Beckett. Aliás, esta academia fundada no século XVI pela rainha inglesa merece, por si só, uma visita.

Mas a grande atracção é a biblioteca, que ocupa vários edifícios, dentro e fora do campus. Detém direitos de “depósito legal” (também no Reino Unido), o que significa que os editores devem depositar ali uma cópia de todas as obras. Para visitar a parte mais bonita, reserve a Book of Kells Exhibit (aproveite para consultar preços e horários). Para além de uma pequena exposição e a sala onde está o Livro de Kells, terá acesso à maravilhosa Long Room.

Eu sei que leitores sôfregos ficam com um brilho nos olhos quando entram numa biblioteca monumental, portanto sou suspeita para falar dela. Mas saibam que a old library inspirou os arquivos dos Jedi em Star Wars episódio II – O ataque dos clones, embora o realizador George Lucas o negue. Este lugar no coração de Dublin é desmesuradamente poético. 

 

parcial da Long Room

Antes da longa sala de 65 metros, espera-nos o Book of Kells, talvez o maior tesouro cultural da Irlanda.

 

O precioso Book of Kells

Book of Kells é um manuscrito inestimável com quatro volumes, a que correspondem os quatro evangelhos, e cerca de 1.200 anos. Foi oferecido à biblioteca em 1661 por Henry Jones. O bispo e vice-chanceler da universidade foi ainda responsável pela chegada de outras obras raras e pelas escadarias de carvalho.

As centenas de páginas em pele de carneiro foram escritas à mão, claro. A sua riqueza reside nos detalhes, nas iluminuras coloridas, nos detalhes celtas das imagens, embora tenham sido feitos por monges cristãos do convento de Kells.

O manuscrito é também um fenómeno de sobrevivência: às invasões vikings, fome e revoltas! Isto explica a segurança da sala. Possivelmente pedir-lhe-ão para guardar o telemóvel e colocar a tampa na lente da máquina fotográfica.

Dois dos quatro volumes estão expostos, um aberto numa página decorada e outro numa página de texto. Os volumes e páginas são alterados regularmente, para assegurar a conservação. No dia da nossa visita, estava disponível o  evangelho de S. João, com as palavras iniciais precedidas pelo retrato do próprio. Vimos também o de S. Lucas, com passagens sobre a parábola do mordomo injusto  e a história de Lázaro e do homem rico.

 

exposição Book of Kells

Book of Kells

Retrato de S. João no Book of Kells, cujo original tivemos o privilégio de ver

 

Apaixonada pela Long Room

Subindo uma pequena escada chegamos então à linda e apinhada Long Room. É tudo aquilo que as imagens mostram: o assombro, a humildade perante 200 mil livros antiquíssimos, o ambiente de recolhimento favorecido pela madeira escura.

Construída entre 1712 e 1732, inicialmente a Long Room tinha prateleiras apenas no nível térreo. No século seguinte, quando passou a receber uma cópia gratuita de todos os livros publicados na Irlanda e na Grã-Bretanha, a galeria foi aumentada e o tecto erguido, para acomodar um “piso” superior.

Parece um cenário de filme, com a solenidade dos bustos de mármore de grandes filósofos, escritores (o busto do autor d’ As Viagens de Gulliver é um dos mais notáveis) e homens que apoiaram a academia. Ali podemos apreciar também a linda Brian Boru harp, uma harpa de 29 cordas do século XV, esculpida em carvalho e salgueiro. E uma das 12 cópias da Proclamação da República da Irlanda que se fizeram em 1916.

Já visitaram estes dois tesouros da Trinity College? Contem-me o que acharam.

 

A seguir ao Book of Kells visite a Long Room

piso superior da biblioteca

Acesso Prioritário: Tour Castelo de Dublin e Livro de Kells

Dicas

  • Recomendo que reserve a visita mesmo em baixa temporada, para evitar longas esperas ou ter que voltar noutro dia.
  • Pode fotografar na Long Room (sem flash ou tripé), mas nunca na sala do Book of Kells. O manuscrito é frágil e qualquer exposição acelera a sua degradação. Respeite as regras.
  • Quando entram na Long Room, os visitantes ficam embasbacados e entopem a entrada para tirarem fotografias. No extremo oposto da galeria é possível fotografar com um pouco mais de tranquilidade, ainda que a multidão não desapareça (ah, se tal fosse possível!).

 

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a IATI (beneficia de 5% de desconto com este link).
  • Poupe em taxas bancárias, fazendo pagamentos seguros em qualquer parte do mundo com o cartão Revolut (usando este link não paga o envio do cartão)

Este post pode conter links de afiliados

2019-08-12T07:47:16+00:00

18 Comments

  1. elvira carvalho 19 Julho, 2019 em 21:50 - Responder

    Uma biblioteca fabulosa Gostei de conhecer.
    Abraço e bom fim-de-semana

  2. Marta 20 Julho, 2019 em 22:23 - Responder

    Fascinante.

  3. Carol 21 Julho, 2019 em 22:09 - Responder

    200 mil livros e 65 metros de livros… Magnífico… amamos conhecer museus e locais culturais pelas cidades que visitamos. Saber sobre esta incrível Biblioteca foi super instrutivo, amei.

  4. Fernanda Souza 21 Julho, 2019 em 23:07 - Responder

    Eu visitei há mais de 15 anos e preciso voltar. Estava muito cheio. Por sinal, adorei a sua dica de como conseguir fotos com menos gente na Long Room. Amei conhecer a Book of Kells e Long Room na Irlanda. Vale muito a pena mesmo.

    • Ruthia 28 Julho, 2019 em 20:35 - Responder

      Eu tentei agendar logo para o horário de abertura, mas não consegui. Só entramos meia hora mais tarde. Não sei se logo no primeiro horário ou reservar para o final do dia é mais tranquilo. Mas adoraria ter a Long room só para mim, mesmo que apenas durante 1 minuto

  5. Alessandra De Lima 22 Julho, 2019 em 12:41 - Responder

    Realmente este lugar é um dos tesouros da Irlanda, que lugar lindo, a Irlanda toda deve ser incrível. Adorei as informações, obrigada por compartilhar.

  6. Diego Arena 22 Julho, 2019 em 16:33 - Responder

    Ual que linda essa biblioteca, e a quantidade de livros impressiona. Com certeza vale muito a pena colocá-la no roteiro.

  7. Luciana Rodrigues 22 Julho, 2019 em 16:36 - Responder

    Já estou sonhando em conhecer a Long Room e ver o Book of Kells. Quanta riqueza! Impressionante mesmo!

  8. Rayane 22 Julho, 2019 em 17:51 - Responder

    Que sonho conhecer essa biblioteca da Trinity College. Moraria fácil na Long Room… hahaha Imagina ter essas relíquias todas as noites? Ruthia seus artigos sempre me fascinam. Mais uma vez, obrigada pela dica!

    • Ruthia 28 Julho, 2019 em 20:35 - Responder

      Eu também, haha. Que sonho ter aquele lugar em silêncio apenas apenas para mim!

  9. Paula Augot 23 Julho, 2019 em 0:11 - Responder

    Eu queria ver o Book of Kels quando estive na Irlanda, mas fui tão rápido que não deu tempo!

  10. Nadine 23 Julho, 2019 em 8:26 - Responder

    Eu moro na Irlanda e NUNCA FUI VISITAR! Que vergonha! Tudo bem que moro no interior e sempre vou pra Dublin so em casos de necessidade extrema, e sempre com tempo contado! Preciso criar vergonha na cara e ir visitar urgente!

    • Ruthia 28 Julho, 2019 em 20:37 - Responder

      Lá diz o ditado “casa de ferreiro, espeto de pau”, né? Mas a vida corrida e os compromissos nem sempre facilitam explorarmos as riquezas que temos por perto. Ainda irá lá, com certeza

  11. Andrea 23 Julho, 2019 em 21:57 - Responder

    Linda! A biblioteca é simplesmente magnífica.
    Como uma adoradora de livros fiquei com vontade de estar na Irlanda agora.

  12. TATIANE RODRIGUES DIAS 24 Julho, 2019 em 19:07 - Responder

    Eu fiquei embasbacada só de imaginar essa biblioteca, imagina ao vivo.

    Já estou querendo ir a Irlanda só pra ver pessoalmente.

  13. Madalena 26 Julho, 2019 em 12:37 - Responder

    O blogue está uma beleza e essa biblioteca é um departamento do paraíso!!!
    Beijinhos, boas férias!

    • Ruthia 28 Julho, 2019 em 20:38 - Responder

      Obrigada querida Madalena. É sempre uma alegria “ver-te” por aqui. Muitos beijinhos e um bom Verão

  14. Luciana 7 Agosto, 2019 em 10:21 - Responder

    Que texto interessante! Eu não tinha conhecimento sobre o depósito real e achei excelente. Assim o país garante o legado.

Deixe o seu comentário