Atualizado em 9 Agosto, 2021

No extremo sul da Suécia, Malmö espraia-se junto ao mar, numa pequena e eclética surpresa. A terceira cidade do país, depois de Estocolmo e Gotemburgo, mistura charme de velho mundo e detalhes ultramodernos. Vamos conhecê-la?

Malmö. O nome da pequena cidade sueca embrulha-se na boca, se pronunciada com o sotaque local. Fundada no século XII, pertenceu à Dinamarca até 1658. Afinal, Copenhaga perfila-se no horizonte, dooutro lado do estreito de Öresund.

Os laços entre as duas margens permanecem íntimos, apesar da mudança política. Outrora os dinamarqueses chegavam de barco, para passar o dia. Hoje vêm de comboio, graças à construção da ponte Øresund. Inaugurada em Junho de 2000 pelos herdeiros da coroa dos dois países, que se encontraram exactamente no meio da ponte, esta é uma atracção por si só: um assombro de engenharia celebrado em todo o mundo.

Aproveitando esta proximidade, durante a nossa estadia na Dinamarca, visitámos Malmö e ficámos rendidos. História e modernidade somam-se ali, sem contradições. O maior arranha-céus da Suécia – the Turning Torso – espreita em cada esquina, entre ruas estreitas empedradas que se abrem para praças centenárias cheias de vida.

Leia também Dinamarca com crianças: guia para uma viagem feliz

Mas o melhor de Malmo é o ambiente, uma vibe muito boa que se sente nos habitantes que aproveitam a cidade cheia de mar, de vento e de luz. Uma das maiores tradições culturais do país é a Fika, momento do dia em que os suecos se reúnem para um chá, um café e um doce (os cinnamon rolls são maravilhosos por lá).

Apesar de ser a terceira maior cidade da Suécia, Malmo não é muito grande. A maioria das atracções podem ser alcançadas a pé, ou de bicicleta. Nós começámos por fazer um passeio de barco pelos canais da cidade, com guia em inglês. O ponto de partido é próximo da estação de comboio (trem), sendo uma forma simpática de ser apresentados à cidade e perceber a sua configuração.

Ao longo de uma hora, passámos em várias atracções de Malmo (e por 27 pontes), enquanto aprendíamos pequenos detalhes. Ficámos a saber, por exemplo, que o porto acolheu em tempos o maior estaleiro naval do mundo, ou que um conjunto de artistas, chamado Anonymous, construiu miniaturas de casas, restaurantes, lojas e parques de diversões pela cidade para ratinhos. Depois disso, ao caminhar pelas ruas, tivemos o cuidado de olhar para o chão!

© Visit Sweden / Highshot

O que fazer em Malmo, Suécia

Se tiver dois dias para visitar Malmo ou o sul da Suécia, recomendamos que passe um no centro histórico e que reserve o segundo dia para visitar o castelo medieval de Torup (Vastra Torup, século XVI), nos arredores da cidade, envolto em jardins encantadores. A entrada no complexo e nos jardins é gratuita, em volta existem alguns trilhos para caminhadas curtas.

Em alternativa, pode explorar a praia de Ribersborgs (que os locais chamam de Ribban) e a Kallbadhuset, uma casa de sauna a lenha bem típica. Mesmo que não queira experimentar esta tradição sueca, a vista para o mar Báltico é fabulosa.

Voltando ao início, o que visitar e fazer em Malmo, Suécia? Eis as principais atracções.

Turning Torso –  comecemos bem próximo do oceano, junto a um dos mais celebrados e ousados edifícios da Suécia. Inspirado na obra  Santiago Calatrava – que, por sua vez, se terá inspirado no dorso da sua mulher – o edifício residencial de 54 andares foi durante muito tempo o mais alto do país. Embora não seja visitável, fica numa região bem charmosa, que tem vindo a ser revitalizada.

Castelo Malmöhus – rodeado por um fosso medieval, esta fortaleza foi construída em meados do século XVI, sendo o mais antigo castelo renascentista preservado na Escandinávia (apesar de não parecer, sequer, um castelo). Hoje, o edifício de tijolos vermelhos abriga um aquário, um museu de história natural, exposições de arte nórdica e uma variedade de exposições temporárias (o bilhete dá acesso a tudo e é gratuito para menores de 18 anos).

Não parece, mas é um castelo rodeado por um fosso habitado por cisnes.

Parques: Kungsparken e Slottsträdgården – atrás do castelo fica olindo Kungsparken (parque do rei), com o seu moinho de vento ao estilo holandês. Na verdade, daqui entramos no Slottsträdgården quase sem nos apercebermos.

Estes dois parques, juntamente com o Pildammsparken, um pouco mais a Sul, formam uma versão sueca do Central Park, com 34 hectares de espaços verdes dos dois lados do canal. Habitantes e turistas aproveitam muito estes parques e o canal, com passeios de barco, piqueniques e muitos convívios de amigos. Junto ao canal, admire a ponte com os sapatos de bronze que homenageiam os artistas da cidade.

Stortorget – chegámos à Cidade Velha (Gamla Staden), para conhecer uma das praças mais lindas da cidade. Ali encontra o incrível edifício do Município de Malmo, a farmácia mais antiga do país ainda em funcionamento (de 1896) e as divertidas esculturas da foto de entrada – a “orquestra optimista”.

O curioso moinho do Kungsparken.

Igreja de São Pedro (Sankt Petri Kyrka) – a um quarteirão da praça Stortorget fica o edifício mais antigo de Malmö, a Igreja de São Pedro. O exterior do templo gótico do século XIV é de tijolo vermelho e, no interior, destacam-se os tectos, com algumas das melhores pinturas medievais da Escandinávia.

A igreja tem uma pequena caça ao tesouro organizada para as crianças, que devem seguir as pistas de sete pequenos ratos de peluche (pelúcia). Não vou revelar pormenores, para não estragar a surpresa, mas posso acrescentar que o meu pequeno explorador adorou a brincadeira.

Lilla Torg – não muito longe de Stortorget, fica o lugar mais animado de Malmo. Lilla Torg é o ponto de encontro favorito para os habitantes há mais de 500 anos. A praça tem muitos restaurantes, bares e cafés pitorescos, mas também fachadas lindas, algumas históricas, outras modernas.

Museu Moderna (Moderna Museet) – e por falar em modernidade, o Museu Moderna é um dos muitos lugares fantásticos da cidade sueca. Uma fachada de tijolo despretensiosa abriga um tesouro de criações artísticas modernas.

A exposição principal, The Man with the Blue Face, conta com a presença de vários modernistas nórdicos, mas também de nomes conceituados como Henri Matisse, Kandinsky ou Edvard Munch. Se a sua praia não é arte, faça uma pausa junto ao museu e aprecie (ou interaja) com as obras de arte exteriores. [já li que a entrada é paga, mas eu não paguei nada para visitar o museu].

Dicas úteis para visita Malmo, na Suécia

Como chegar

A rede ferroviária liga Malmö às principais cidades da Suécia, como Estocolmo (4,5 horas) e Gotemburgo (3 horas). Quem chega do exterior, pode voar directamente para o aeroporto de Malmö, mas o Aeroporto Kastrup de Copenhaga tende a ter voos internacionais mais frequentes.

Há comboios regulares, mais ou menos a cada 20 minutos, que ligam Copenhaga (a estação central é København H) ou o seu aeroporto a Malmo C. Foi esta opção que usámos, pagando 274 DKK/37€, ida e volta, para 1 adulto e 1 criança. Uma alternativa possível, para quem chega de Copenhaga, é a rede Flixbus ou carro, ainda que a portagem seja cara.

Onde ficar em Malmo, Suécia

Nós fizemos um passeio de ida e volta (bate volta) a partir de Copenhaga, mas cheguei a pesquisar hospedagem na cidade e gostei de três opções. A primeira opção é mais tradicional – o hotel Duxiana tem quatro estrelas e uma localização bem central. A segunda opção foi o hotel Oh Boy, na região do porto e do Turning Torso, ideal para famílias, pois tem uma pequena cozinha que permite cozinhar.  A terceira opção também não fica mesmo no centro de Malmo, mas achei o conceito muito engraçado. No Grand Circus Hotel, é possível dormir numa roulotte ou tenda de circo!

Onde comer em Malmo

A Suécia é um pouco mais barata do que a Dinamarca, pelo que dá para fazer uma refeição completa num restaurante sem vender um rim. O restaurante Lyran é uma opção mais sofisticada para jantar (somente), com um menu de quatro pratos feita com ingredientes locais. Para os mais aventureiros, o Disgusting Food Museum pode ser uma opção interessante, com pratos inusitados de todo o mundo.

Depois de várias refeições ligeiras no caro país vizinho, nós fomos muito felizes a almoçar no restaurante italiano Östergatan nº 25, perto da igreja Caroli (que infelizmente estava em restauro). O serviço de buffet tem várias opções de massas, lasanha e pizza, saladas e ainda fruta. Com uma bebida, ficou por 100 kr/10€ por pessoa.

A pizzaria familiar fica perto da Igreja de Caroli.

Este post sobre o que fazer em Malmo Suécia faz parte do 8on8, um projecto colectivo que une lindas viajantes em volta de um tema comum, no dia 8 de cada mês. Espreitem os restantes textos sob o tema “Roteiro de 2 dias”, inspirem-se e partilhem: 

Chicas Lokas na Estrada – Roteiro de dois dias em São Paulo

Let’s Fly Away – O que fazer em Visconde de Mauá em 2 dias: super guia para você

Viajante Econômica – Interior de São Paulo: onde ir em Holambra