orquestra otimista em Malmo

No extremo sul da Suécia, Malmö espraia-se junto ao mar, numa pequena e eclética surpresa. A terceira cidade do país, depois de Estocolmo e Gotemburgo, mistura charme de velho mundo e detalhes ultramodernos. Vamos conhecê-la?

Malmö. O nome da pequena cidade sueca embrulha-se na boca, se pronunciada com o sotaque local. Fundada no século XII, pertenceu à Dinamarca até 1658. Afinal, Copenhaga perfila-se no horizonte, dooutro lado do estreito de Öresund.

Os laços entre as duas margens permanecem íntimos, apesar da mudança política. Outrora os dinamarqueses chegavam de barco, para passar o dia. Hoje vêm de comboio, graças à construção da ponte Øresund. Inaugurada em Junho de 2000 pelos herdeiros da coroa dos dois países, que se encontraram exactamente no meio da ponte, esta é uma atracção por si só: um assombro de engenharia celebrado em todo o mundo.

Aproveitando esta proximidade, durante a nossa estadia na Dinamarca, visitámos Malmö e ficámos rendidos. História e modernidade somam-se ali, sem contradições. O maior arranha-céus da Suécia – the Turning Torso – espreita em cada esquina, entre ruas estreitas empedradas que se abrem para praças centenárias cheias de vida.

Leia também Dinamarca com crianças: guia para uma viagem feliz

Mas o melhor de Malmo é o ambiente, uma vibe muito boa que se sente nos habitantes que aproveitam a cidade cheia de mar, de vento e de luz. Uma das maiores tradições culturais do país é a Fika, momento do dia em que os suecos se reúnem para um chá, um café e um doce (os cinnamon rolls são maravilhosos por lá).

Apesar de ser a terceira maior cidade da Suécia, Malmo não é muito grande. A maioria das atracções podem ser alcançadas a pé, ou de bicicleta. Nós começámos por fazer um passeio de barco pelos canais da cidade, com guia em inglês. O ponto de partido é próximo da estação de comboio (trem), sendo uma forma simpática de ser apresentados à cidade e perceber a sua configuração.

Ao longo de uma hora, passámos em várias atracções de Malmo (e por 27 pontes), enquanto aprendíamos pequenos detalhes. Ficámos a saber, por exemplo, que o porto acolheu em tempos o maior estaleiro naval do mundo, ou que um conjunto de artistas, chamado Anonymous, construiu miniaturas de casas, restaurantes, lojas e parques de diversões pela cidade para ratinhos. Depois disso, ao caminhar pelas ruas, tivemos o cuidado de olhar para o chão!

© Visit Sweden / Highshot

O que fazer em Malmo, Suécia

Se tiver dois dias para visitar Malmo ou o sul da Suécia, recomendamos que passe um no centro histórico e que reserve o segundo dia para visitar o castelo medieval de Torup (Vastra Torup, século XVI), nos arredores da cidade, envolto em jardins encantadores. A entrada no complexo e nos jardins é gratuita, em volta existem alguns trilhos para caminhadas curtas.

Em alternativa, pode explorar a praia de Ribersborgs (que os locais chamam de Ribban) e a Kallbadhuset, uma casa de sauna a lenha bem típica. Mesmo que não queira experimentar esta tradição sueca, a vista para o mar Báltico é fabulosa.

Voltando ao início, o que visitar e fazer em Malmo, Suécia? Eis as principais atracções.

Turning Torso –  comecemos bem próximo do oceano, junto a um dos mais celebrados e ousados edifícios da Suécia. Inspirado na obra  Santiago Calatrava – que, por sua vez, se terá inspirado no dorso da sua mulher – o edifício residencial de 54 andares foi durante muito tempo o mais alto do país. Embora não seja visitável, fica numa região bem charmosa, que tem vindo a ser revitalizada.

Castelo Malmöhus – rodeado por um fosso medieval, esta fortaleza foi construída em meados do século XVI, sendo o mais antigo castelo renascentista preservado na Escandinávia (apesar de não parecer, sequer, um castelo). Hoje, o edifício de tijolos vermelhos abriga um aquário, um museu de história natural, exposições de arte nórdica e uma variedade de exposições temporárias (o bilhete dá acesso a tudo e é gratuito para menores de 18 anos).

Não parece, mas é um castelo rodeado por um fosso habitado por cisnes.

Parques: Kungsparken e Slottsträdgården – atrás do castelo fica olindo Kungsparken (parque do rei), com o seu moinho de vento ao estilo holandês. Na verdade, daqui entramos no Slottsträdgården quase sem nos apercebermos.

Estes dois parques, juntamente com o Pildammsparken, um pouco mais a Sul, formam uma versão sueca do Central Park, com 34 hectares de espaços verdes dos dois lados do canal. Habitantes e turistas aproveitam muito estes parques e o canal, com passeios de barco, piqueniques e muitos convívios de amigos. Junto ao canal, admire a ponte com os sapatos de bronze que homenageiam os artistas da cidade.

Stortorget – chegámos à Cidade Velha (Gamla Staden), para conhecer uma das praças mais lindas da cidade. Ali encontra o incrível edifício do Município de Malmo, a farmácia mais antiga do país ainda em funcionamento (de 1896) e as divertidas esculturas da foto de entrada – a “orquestra optimista”.

O curioso moinho do Kungsparken.

Igreja de São Pedro (Sankt Petri Kyrka) – a um quarteirão da praça Stortorget fica o edifício mais antigo de Malmö, a Igreja de São Pedro. O exterior do templo gótico do século XIV é de tijolo vermelho e, no interior, destacam-se os tectos, com algumas das melhores pinturas medievais da Escandinávia.

A igreja tem uma pequena caça ao tesouro organizada para as crianças, que devem seguir as pistas de sete pequenos ratos de peluche (pelúcia). Não vou revelar pormenores, para não estragar a surpresa, mas posso acrescentar que o meu pequeno explorador adorou a brincadeira.

Lilla Torg – não muito longe de Stortorget, fica o lugar mais animado de Malmo. Lilla Torg é o ponto de encontro favorito para os habitantes há mais de 500 anos. A praça tem muitos restaurantes, bares e cafés pitorescos, mas também fachadas lindas, algumas históricas, outras modernas.

Museu Moderna (Moderna Museet) – e por falar em modernidade, o Museu Moderna é um dos muitos lugares fantásticos da cidade sueca. Uma fachada de tijolo despretensiosa abriga um tesouro de criações artísticas modernas.

A exposição principal, The Man with the Blue Face, conta com a presença de vários modernistas nórdicos, mas também de nomes conceituados como Henri Matisse, Kandinsky ou Edvard Munch. Se a sua praia não é arte, faça uma pausa junto ao museu e aprecie (ou interaja) com as obras de arte exteriores. [já li que a entrada é paga, mas eu não paguei nada para visitar o museu].

Dicas úteis para visita Malmo, na Suécia

Como chegar

A rede ferroviária liga Malmö às principais cidades da Suécia, como Estocolmo (4,5 horas) e Gotemburgo (3 horas). Quem chega do exterior, pode voar directamente para o aeroporto de Malmö, mas o Aeroporto Kastrup de Copenhaga tende a ter voos internacionais mais frequentes.

Há comboios regulares, mais ou menos a cada 20 minutos, que ligam Copenhaga (a estação central é København H) ou o seu aeroporto a Malmo C. Foi esta opção que usámos, pagando 274 DKK/37€, ida e volta, para 1 adulto e 1 criança. Uma alternativa possível, para quem chega de Copenhaga, é a rede Flixbus ou carro, ainda que a portagem seja cara.

Onde ficar em Malmo, Suécia

Nós fizemos um passeio de ida e volta (bate volta) a partir de Copenhaga, mas cheguei a pesquisar hospedagem na cidade e gostei de três opções. A primeira opção é mais tradicional – o hotel Duxiana tem quatro estrelas e uma localização bem central. A segunda opção foi o hotel Oh Boy, na região do porto e do Turning Torso, ideal para famílias, pois tem uma pequena cozinha que permite cozinhar.  A terceira opção também não fica mesmo no centro de Malmo, mas achei o conceito muito engraçado. No Grand Circus Hotel, é possível dormir numa roulotte ou tenda de circo!

Onde comer em Malmo

A Suécia é um pouco mais barata do que a Dinamarca, pelo que dá para fazer uma refeição completa num restaurante sem vender um rim. O restaurante Lyran é uma opção mais sofisticada para jantar (somente), com um menu de quatro pratos feita com ingredientes locais. Para os mais aventureiros, o Disgusting Food Museum pode ser uma opção interessante, com pratos inusitados de todo o mundo.

Depois de várias refeições ligeiras no caro país vizinho, nós fomos muito felizes a almoçar no restaurante italiano Östergatan nº 25, perto da igreja Caroli (que infelizmente estava em restauro). O serviço de buffet tem várias opções de massas, lasanha e pizza, saladas e ainda fruta. Com uma bebida, ficou por 100 kr/10€ por pessoa.

A pizzaria familiar fica perto da Igreja de Caroli.

Este post sobre o que fazer em Malmo Suécia faz parte do 8on8, um projecto colectivo que une lindas viajantes em volta de um tema comum, no dia 8 de cada mês. Espreitem os restantes textos sob o tema “Roteiro de 2 dias”, inspirem-se e partilhem: 

Chicas Lokas na Estrada – Roteiro de dois dias em São Paulo

Let’s Fly Away – O que fazer em Visconde de Mauá em 2 dias: super guia para você

Viajante Econômica – Interior de São Paulo: onde ir em Holambra

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  BookingÉ onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

Partilhar
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados

16 Comentários

  1. Maria João Proença

    Adoro destinos nórdicos! Dinamarca e Finlândia estão no top de alguns dos meus destinos favoritos. Malmo já está na lista para uma oportunidade em que finalmente visite a Suécia. Obrigada pelas dicas!

    1. Ruthia

      Eu também adoro destinos nórdicos, mas eles não gostam muito de nós, simples e pobres habitantes do sul da Europa 🙂

  2. Luciana Rodrigues

    Apesar de já conhecer a Dinamarca, ainda não tive a chance de me aventurar pela Suécia. Com certeza vou encontrar um tempinho para conhecer Malmo.

    1. Ruthia

      Conheço algumas pessoas que visitaram Malmo no Inverno e não guardam recordações agradáveis da cidade. Mas, no Verão, é um destino encantador

  3. Lulu Freitas

    Fiquei encantada com as suas dicas de o que fazer em Malmo na Suécia. Fiquei curiosa em visitar uma casa de sauna típica bem como diversos outros pontos turísticos da cidade. Ah! O hábito do fika deveria ser repetido em todos os lugares.

    1. Ruthia

      Acho que vários povos têm hábitos de “fika”, ainda que com outros nomes. Mas achei adorável o facto de ser para reunir com amigos (e ser tão regular)

  4. Marcela

    Anos atrás eu fiz um passeio por Malmo saindo de Copenhagen, foi muito divertido, mas ao mesmo estranho estar em outro país por um dia apenas. De qualquer modo é uma cidade linda! Adorei suas dicas do que fazer por lá, teve lugares que não conheci

    1. Ruthia

      É curioso mesmo ficar tão pouco tempo num país, mas quase impossível de resistir, tendo em conta a proximidade de Copenhaga

  5. Cecília

    Ruthia, suas dicas neste post sobre o que fazer em Malmo me deixaram com ainda mais vontade de conhecer a Suécia. Esta região está na minha lista, mas o câmbio anda muito desfavorável para os brasileiros. Espero que nossa moeda melhore para podermos sonhar com esta cidade encantadora, que você tão bem retratou. Obrigada.

    1. Ruthia

      Pior que a Suécia é a Dinamarca. Menina, até com euros é um destino caro 🙂

  6. Dani Mi

    Não tinha a Suecia na minha lista de desejos até pouco tempo. Minha mãe e irmã já conhecem e eu sempre deixei para depois. Aos poucos, lendo posts na internet como o seu, eu vou curtindo os lugares, a gastronomia e, principalmente, a arquitetura sueca.

    1. Ruthia

      Os países da Escandinávia são um paraíso para quem gosta de design e arquitectura. Um dia vc tira esse destino do mundo dos planos 😉

  7. Denise Barreto

    Adorei as suas dicas! Nunca estive na Suécia, mas um dia quero seguir suas dicas do que fazer em Malmo. Adoraria visitar o Castelo Malmöhus! Lindo lugar!!

    1. Ruthia

      Os castelos da região são muito diferentes do nosso “conceito” de castelo, mas muito interessantes. Neste caso, tem vários museus do interior do castelo para explorar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

JPG_1606302493785

Ruthia Portelinha

Viajante, chocólatra, leitora compulsiva, mãe. Está a aprender chinês porque sim.

Posts Populares
Fundador da ABVP
Viagens de uma Vida
Livro viagens de uma vida
Viagem de grupo a Marrocos

7 dias em Marrocos 430 euros
Marrakech até Deserto do Saara
>> Viagem de Grupo Marrocos <<