Sul da China: Zhuhai e o mar das pérolas

A “estrada dos amantes” (情侣路) conduz-me até uma gigante mulher de granito, os braços levantados para o céu numa oferenda. A pérola que a mulher-pescadora oferece ao povo de Zhuhai (珠海), diz-se, traz luz ao mundo.

O turismo local afirma que esta estátua de dez toneladas é o símbolo da cidade. Na verdade, foi construída apenas em 1982, inspirada numa linda e rebuscada lenda local. Vamos lá tentar uma versão resumida!

Em tempos idos uma fada, atraída pela bela baía de Zhuhai, disfarçou-se de pescadora e passou a viver entre os homens, mergulhando em busca de pérolas para se sustentar. Os locais apreciavam a menina pela sua ingenuidade, beleza e bondade. Em breve, ela ficou noiva de um honesto pescador, de seu nome Haipeng. Dando ouvidos a comentários maldosos, Haipeng pediu à fada que lhe oferecesse as suas pulseiras como prova de amor.

Como filha do rei dragão do mar do sul, as oito pulseiras simbolizavam a sua imortalidade e, ainda assim, ela retirou uma pulseira, morrendo imediatamente nos braços do seu amado.

 

A alguns metros da estátua, o Parque Haibin proporciona algumas sombras,muito apreciadas nestes dias de calor

 

Diz-se que o arrependimento do noivo comoveu uma velha sábia, que lhe ensinou que ervas poderiam trazer a menina de volta à vida. O pescador encontrou a erva da ressurreição na ilha de Jiu Zhou e alimentou-a durante anos com lágrimas de sangue. Bem, a história tem um final feliz. A fada voltou a viver, agora como uma mortal e, no dia do casamento, ofereceu a mais bela e brilhante pérola alguma vez vista à venerável senhora que lhe salvou a vida…

Acho delicioso que tenham ressuscitado esta lenda em pleno século XX. Mas o grupo de estudantes espanhóis que me acompanha retira muito encanto à fada-pescadora, dizendo que tem uma pose de Shakira!

Bem, esta pérola está também associada ao próprio nome da cidade onde fiquei nas últimas semanas. Zhuhai significa mar de pérolas porque é aqui no sul da China, mais precisamente na província de Guandong (广东, Guăndōng) que o rio das Pérolas desagua no mar. É uma pequena metrópole, para os padrões chineses, com cerca de um milhão de habitantes, muitos espaços verdes como o Parque de Haibin e uma longa costa que inclui 146 pequenas ilhas (por isso é também conhecida como a “cidade das cem ilhas”).

 

Tal como no Brasil, a água de coco é muito apreciada no sul da China

 

Se até aqui era um pequeno segredo no sul do país, Zhuhai começa agora a ser muito visitada pelos chineses que gostam de praia, apesar do calor húmido, sub-tropical, e dos tufões. A minha visita coincidiu com a época dos tufões, mas a única tempestade a que assisti não foi particularmente assustadora.  Aliás, algumas gotas de chuva são uma bênção por aqui.

Depois da chuvada, o calor volta e, em poucos minutos, estamos novamente transpirados e malcheirosos. Pelo menos estamos todos…

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

2019-10-01T12:51:01+00:00

16 Comments

  1. Marta Iansen 31 Agosto, 2015 em 19:04 - Responder

    A julgar pela foto, os espanhóis não deixam de ter alguma razão… Belas imagens!
    Estou aqui "ruminando" a lenda, por comparação a umas tantas outras, de várias culturas, que têm, por assim dizer, o mesmo Leitmotiv.

    • Ruthia 31 Agosto, 2015 em 19:25 - Responder

      Os amigos espanhóis tinham a sua razão, claro. O problema é que depois daquela imagem entrar na cabeça, já não sai. Sim, a lenda tem qualquer coisa de universal.
      Beijinhos

  2. Clara Lucia 31 Agosto, 2015 em 19:28 - Responder

    Conhecendo a China e suas histórias!
    Eu sentiria pavor em estar num local onde há tufões, e vulcões, e terremotos e afins… medrosa demais com a revolta da natureza!
    As fotos estão belas, como sempre, e essa história… O amor, sempre o amor que dá um jeito de se eternizar. Graças a Deus o amor move o mundo e deixa rastro pra quem quiser saber.
    Ruthia, uma linda semana, menina! Beijos

  3. Isa Lisboa 31 Agosto, 2015 em 21:32 - Responder

    Olá, Ruthia! Tenho viajado menos pela blogoesfera, mas é bom voltar cá e descobrir uma viagem exótica, num dos seus posts que me dão sempre (mais) vontade de conhecer mais mundo! 🙂
    Beijinhos, boa semana!

    • Ruthia 1 Setembro, 2015 em 8:19 - Responder

      Olá Isa. Há vida para além da blogosfera, claro. Mas também é muito bom "vê-la" por aqui. Beijinhos, um doce Setembro

  4. Elvira Carvalho 1 Setembro, 2015 em 11:23 - Responder

    Ampliei as fotos para ver melhor, e fiquei com a ideia de que os espanhóis não estão muito longe da verdade. Porém se a estátua data de 1982, Shakira tinha 5 anos, e não podia ter sido inspirado nela.
    Obrigada por mais esta reportagem. A nossa imaginação faz-nos pensar que por lá andamos.
    Um abraço

    • Ruthia 1 Setembro, 2015 em 11:32 - Responder

      A Elvira sabe a idade da Shakira? Fantástico. Se calhar foi a pescadora de pérolas a inspirar a colombiana e não o contrário. 🙂
      Beijinhos

  5. Toninho 1 Setembro, 2015 em 17:26 - Responder

    Mais um belo relato com esta lenda Ruthia.
    Os parques são sempre valorizados por aí.
    Viagem encantada amiga e vamos por ai na sua mala.
    Um abração com carinho.
    Beijo de paz.

  6. M. 2 Setembro, 2015 em 8:19 - Responder

    Tanta coisa e afinal é apenas a Shakira 🙂
    Estou a ver cada vez pior: já me preparava para te gabar o vestido verde-água…
    Beijinhos e boa rentrée!

  7. Maria Teresa Valente 2 Setembro, 2015 em 17:51 - Responder

    Como é gostoso conhecer peculiaridades
    de culturas distantes, Ruthia.
    Nessa lenda, em particular, destaca a
    beleza do perdão e da gratidão.
    Lindas imagens, obrigada,
    abraços carinhosos
    Maria Teresa

  8. Adriana LARA 2 Setembro, 2015 em 20:41 - Responder

    Ruthia, que lindo… e que lenda…. gostei de saber da linda história… amei as fotos – que havia visto pelo face – são lindas e traduzem o teu olhar…uma experiência e tanto…obrigada por mais esta viagem, obrigada por mais esta aula de história e cultura!!! pronta para ler outra das tus aventuras! bjs amig querida, desejando excelente quarta

  9. Jaime Portela 3 Setembro, 2015 em 17:22 - Responder

    Gostei dos seus dois diários.
    E também gostava de visitar a China. Mas é tão grande e tão longe (e caro), que talvez isso nunca aconteça.
    Ruthia, tenha um bom resto de semana.
    Beijinhos.

    • Ruthia 3 Setembro, 2015 em 20:01 - Responder

      Entendo-o muito bem. Por isso não desperdicei esta oportunidade de um curso de verão numa universidade chinesa, que nos facultou alojamento e alimentação, para além de algumas excursões culturais. Foi o resultado de um ano letivo a estudar mandarim…

  10. Fernanda 3 Setembro, 2015 em 22:01 - Responder

    Esta China que fica fora dos circuitos turísticos agrada-me mais. Ainda está preservada, é mais pura e genuína.
    Bom estudo, e bons passeios!

  11. cris braghetto 5 Setembro, 2015 em 11:49 - Responder

    Os povos e suas lendas.
    O pouco que conheço dos chineses, são dos templos budistas ( lindos, por sinal) e dos imigrantes que vivem e trabalham no comercio do centro de São Paulo. Aliás, a imigração foi tamanha, que escolas tradicionais da região se reorganizaram para receber os alunos chineses.
    Lindas imagens, Ruthia!
    Abraços e ótima viagem.

  12. Clara Lucia 7 Outubro, 2015 em 23:29 - Responder

    O encanto dos orientais: histórias de amor, qdo impossível, se tornam possíveis… adoro!

Deixe o seu comentário

Subscreva a Newsletter 

Receba por email conteúdo, novidades exclusivas e muita inspiração para viajar a solo e em família (em português)

Fechar (X)

*Não envio spam