Caldeiras de água a ferver, fumos que brotam das entranhas da terra e um cheiro a enxofre capaz de tombar um touro. Aterrorizador? Nada disso. Mefistófeles não conhecia as Furnas, em São Miguel, quando criou os seus cenários satânicos

Depois das lagoas e das paisagens atlânticas da ilha, visitamos recantos que evocam a origem vulcânica de S. Miguel, numa espécie de Crónicas de Gelo e Fogo açorianas. Digo-vos, os Açores mereciam ser cenário do Game of Thrones.

As manifestações vulcânicas abundam especialmente no Vale das Furnas, na ilha de São Miguel: há fumarolas**, há águas termais, há caldeiras aquecidas por magma. Isto porque todo o vale fica dentro da cratera de um dos vulcões mais activos da ilha.

Numa ponta da freguesia ficam as fontes de águas medicinais (com e sem gás, quentes ou mornas) e mais de vinte nascentes termais, cada uma com propriedades diferentes. Uma das mais populares será a “água azeda do Rebentão” que cura ressacas.

Há por ali também caldeiras de água a ferver, onde os micaelenses cozem espigas de milho e ovos. O cenário algo dantesco é adoçado pela vegetação exuberante – não fossem as casas, pensaria ter viajado até à era dos dinossauros.

 

Para comer o Cozido das Furnas recomenda-se fazer reserva num restaurante local, já que a procura é muita

 

Na ponta oposta da localidade, nas margens da Lagoa, ficam outras fumarolas onde se faz o Cozido das Furnas em grandes panelões enterrados.

Batata-doce, inhame, legumes, carnes, chouriços e morcela, tudo é posto na panela por volta das seis da manhã, cozinhando lentamente durante horas. A retirada do cozido do solo é uma espécie de ritual que atrai muitos turistas, que correm, logo depois, ao respectivo restaurante para provar o petisco.

O lugar é um espanto, apesar do fedor a enxofre que nos sobe pelas narinas (o pequeno explorador esteve a maior parte do tempo com o nariz tapado). Os vapores são libertados pela rocha, pelos muros, pelas tampas de esgoto, pela própria terra que cria poças de lama escaldante e borbulhante… Tudo fumega.

Depois de um almoço abundante no Restaurante Vale Das Furnas, fomos desmoer – v. actividade de ócio que ajudar a fazer a digestão, podendo incluir um passeio ou mesmo uma sesta – para o Parque Terra Nostra, um dos 10 melhores “retiros verdes” do mundo, diz a conceituada Condé Nast Traveler.

Este recanto romântico foi idealizado por Thomas Hickling, cônsul dos Estados Unidos, que aqui construiu uma casa de férias em 1780. Os proprietários seguintes aumentaram o jardim botânico, dominado pela imponente Casa do Parque, em frente do qual fica o lago com água termal férrea, acastanhada, entre os 35º C e os 40º C.

 

© Parque Terra Nostra. Entre a vegetação destacam-se carvalhos, álamos, criptomérias, araucárias, tulipeiros, camélias, fetos arbóreos, hortênsias, azáleas e rododendros.

 

Antes de mergulharmos nesta sopa quente, percorremos tranquilamente parte dos 12 hectares. Para pena da minha mãe, não pudemos apreciar a gigante colecção de camélias, que florescem no Inverno. A mim atraiu-me sobretudo a parte alta do jardim, com a sua avenida de imponentes gingko bilobas e vegetação exótica.

Coroámos este dia com um mergulho nas águas quentes e terrosas que são o cartão-postal do Parque Terra Nostra. Foi como um regresso ao ventre materno.

Outras visitas

Poça da Dona Beija – também conhecida como “Poça da Juventude”, “Água do Poço”, ou “Poça do Paraíso”, esta é outra opção de banhos termais na região das Furnas. Ao contrário do que acontece no Parque Terra Nostra, as piscinas da Dona Beija têm água cristalina.

 

 

** Abertura na superfície da crosta da Terra, regra geral situada nas proximidades de um vulcão, que emite vapor de água e gases tais como dióxido de carbono, dióxido de enxofre, ácido hidroclórico, e sulfureto de hidrogénio.

Parque Terra Nostra: aqui | 10h00-18h00 | Bilhete: 8€ (adulto), 4€ (3-10 anos)
Parque das Furnas (junto à lagoa): 0,5€ por pessoa (crianças não pagam) e 0,25€ por cada 15 minutos para estacionar o carro junto das caldeiras.
Poça da Dona Beija: aqui |Todos os dias 7h00-23h00 | Bilhete: 4€ (adulto) 3,50€ (criança)

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados