O legado dos vikings em Aalborg | Dinamarca

cemitério viking de Aalborg

Atualizado em 5 Outubro, 2021

Aalborg ou Ålborg, cidade e porto. Vamos explorar uma das cidades mais antigas da Dinamarca junto ao fiorde Limfjord, famosa pelo seu Carnaval, pela sua akvavit e pelo maior cemitério viking da Escandinávia

Na margem sul do fiorde outrora cortado por navios vikings, encontramos Aalborg, um dos big four do turismo dinamarquês. O New York Times incluiu a pequena cidade da Jutlândia no seu Top 10 Places to Go, em anos recentes. Vamos perceber porquê?

Conhecida por ser a maior produtora de aguardente da Dinamarca (akvavit, que deriva de aqua vitae, isto é, água da vida) e por organizar o maior Carnaval da Escandinávia, a cidade portuária de Aalborg descreve-se como um “vibrante centro cultural com uma orla espectacular de edifícios icónicos”.

As ruas ficam animadíssimas durante as longas noites de Verão, em especial a avenida Jomfru Ane Gade, movimentada artéria com bares e restaurantes, conhecida como “a rua”. No Inverno, os recantos históricos cobrem-se de neve e os mercados iluminam-se para o Natal. Em cada esquina há street art: nós vimos apenas cinco das 65 obras de arte disponíveis na galeria imensa que é a cidade, o que implica que muito ficou por conhecer em Aalborg.

Saiba, no entanto, que esta ventosa cidade portuária tem um cemitério viking gigante, que faz dela uma referência, e foi esse argumento que nos levou a Aalborg durante a estadia na Dinamarca.

street art em Aalborg, Dinamarca

Lindholm Høje, o cemitério viking

Do outro lado do canal, em Nørresundby, no topo de uma colina e com vista para o que hoje é a cidade de Aalborg, um despretensioso campo coberto de pequenas pedras atrai muitos visitantes. Um olhar mais atento revela que as formações são deliberadas e constituem um cemitério: o maior cemitério viking da Escandinávia.

Usado entre 400 e 1000 d.C., o complexo Lindholm Høje esteve enterrado sob uma espessa camada de areia durante milhares de anos e, talvez por isso, as pedras fúnebres foram preservadas. Resultado: com quase 700 túmulos, o cemitério é hoje um dos mais belos monumentos do final da Idade do Ferro e da Idade Viking no país.

Algumas sepulturas são marcadas com pedras simples, outras são demarcadas por um padrão. Os túmulos dos homens teriam um formato ovular com pontas pontiagudas, enquanto as mulheres seriam enterradas sob formas mais suaves e arredondadas. No centro dessas pedras, acendiam-se grandes piras funerárias para homenagear o morto.

Este é um dos programas que recomendo em Dinamarca com crianças, guia para uma viagem feliz

cemitério viking

À medida que subimos a colina, os túmulos tornam-se mais velhos, já que os enterros foram-se sucedendo em cascata, a partir do topo. Os arqueólogos encontraram também restos de uma aldeia a Norte e muitos desses achados podem ser vistos no Museu Viking Lindholm Høje, ao lado do cemitério.

A entrada no museu é paga, aplicando-se a mesma regra dos restantes museus do país, a saber, entrada gratuita para todos até aos 18 anos (cliquem no link para mais informações sobre preços e horários). O espaço museológico conta com duas grandes exposições, uma sobre a vida dos vikings na região e outra sobre a antiguidade no país.

túmulo viking em Aalborg

Apesar da riqueza do acervo, com animações 3D, reconstruções e objectos que contam a vida dos vikings – incluindo a história de um misterioso incêndio ocorrido há mais de dois mil anos- , o museu sofre de um defeito gritante. Qual? Não tem explicações em inglês, o que limita muito a experiência. Existe apenas um folheto com informações gerais sobre o cemitério em inglês, mas não para acompanhar cada sala expositiva, onde os vídeos se encontram em dinamarquês.

O cemitério é assombroso e merecia um museu que lhe fizesse justiça, acessível aos visitantes estrangeiros! O museu conta com um café-restaurante e uma loja que vende réplicas de joias viking encontradas no local, produtos de lã, livros e hidromel.

Dica: o cemitério viking fica longe do centro da cidade, pelo que se aconselha a apanhar um autocarro, ou ir de bicicleta/trotinete. De Abril a Novembro, aproveite o sistema gratuito de bicicletas públicas (em Julho de 2021 não estava em funcionamento, devido à pandemia).

museu Lindholm Høje

O que (mais) ver e fazer em Aalborg

De regresso à margem direita, é tempo de explorar a cidade de Aalborg, um destino simpático para famílias. Com um centro histórico compacto, é uma delícia percorrê-lo com calma, começando na Boulevarden, que parte da estação de comboios em direcção ao centro.

Passeie na Gammeltorv, a mais antiga praça pública de Aalborg, e ouça o carrilhão da linda Catedral de Budolfi do século XIV (Budolfi Domkirke), quase ao lado. Se pernoitar na cidade, confira o calendário de eventos da igreja, que acolhe concertos de música lírica/clássica regularmente.

Reserve tempo para a linda casa de Jens Bangs (Jens Bangs Stenhus), não muito longe. Lembrado como um dos cidadãos mais ricos da cidade, o mercador construiu uma vistosa residência ao estilo renascentista, no século XVII. As gárgulas que enfeitam as janelas e o rosto esculpido de língua de fora – dizem que o gesto de Bangs é dirigido ao governo da cidade, que nunca o aceitou – são detalhes para ver com atenção.

Pode aprender mais sobre a história da cidade no Museu Histórico de Aalborg e dar um pulinho ao mosteiro do Espírito Santo, ambos nas redondezas da catedral. Depois, é tempo para seguir para a orla, em busca do principal monumento da cidade.

Casa de Jens Bangs
A deslumbrante casa de Jens Bangs.

O Castelo de Aalborg (Aalborghus Slot) é uma “espécie” de castelo do século XVI, em enxaimel, construído no reinado de Christian III. Apesar de parecer mais uma quinta do que um edifício da realeza, pois foi construído como fortificação, merece uma visita breve.

O interior do edifício não é visitável, mas pode percorrer as masmorras e casamatas (no Verão) e dar um passeio pelo jardim, onde ainda se ergue parte das muralhas.

O castelo fica mesmo na promenade, que se estende até ao arrojado Utzon Center, um centro experimental de cultura com vários espaços (conferências, galerias de arte, lojas de design) assinado porJorn Utzon. O nome pode não lhe dizer nada, mas Aalborg orgulha-se deste seu arquitecto, que desenhou a Sydney Opera House, na Austrália.

No restaurante do Utzon Center, para além de apreciar uma vista panorâmica do canal, pode experimentar uma das tradicionais sanduíches abertas dinamarquesas (smørrebrød). Se tiver mais tempo na cidade, faça a street art walk, visite o museu de arte moderna Kunsten, aprecie as vistas da Torre de Aalborg (Aalborgtårnet) ou reserve tempo para explorar as praias de Blokhus ou Løkken (a 45 minutos de carro).

castelo de Aalborg, Dinamarca
Complexo de edifícios que constituem o castelo de enxaimel

Dicas úteis para visitar Aalborg, Dinamarca

Como chegar

Aalborg fica bem a norte da Jutlândia, a península que liga a Dinamarca ao resto da Europa. A cidade dispõe de aeroporto, com alguns voos internacionais. Para quem já está no país, a forma mais fácil de chegar à cidade é de comboio – as ligações ferroviárias são confortáveis e confiáveis. Foi assim que chegámos a Aalborg, vindos de Aarhus, que fica a cerca de 90 km.

Para pesquisar preços e horários, consulte o site da DSB. Em alternativa, pode alugar carro para explorar a região da Jutlândia ou pesquisar as ligações de Flixbus.

catedral de Aalborg
A Catedral de Aalborg

Onde comer

Aalborg descreve-se como o centro culinário da Jutlândia do Norte, com gastronomia de alto nível. Ali pode encontrar restaurantes famosos, mas também excelente comida de café, take away exótico e comida de rua. Entre as opções de street food destaca-se “o farol” (Køkkenfabrikken), mercado instalado numa antiga fábrica de móveis, com várias cozinhas internacionais e preços acessíveis.

Destaco ainda o pequeno café de comida orgânica We Feat e o Penny Lane Café (padaria, café, loja em 2ª mão e mercearia), ambos na avenida principal. As opções mais gourmet incluem os restaurantes Alimentum, Tabu (com estrela Michelin), Essens ou o Oké, instalado no Ruths Hotel, que conta também com uma brasserie ao estilo francês.

No final da refeição, que tal sentar-se numa esplanada e pedir uma Akvavit (também chamada de schnapps), fabricada localmente e com muitos sabores diferentes? Já sabe, o índice de álcool é considerável… não é uma experiência para todos.

centro histórico de Aalborg, Dinamarca

Onde ficar em Aalborg

Aalborg possui opções de alojamento para vários tipos de visitantes, de hotéis mais confortáveis a dois parques de campismo, na parte oeste da cidade. Duas boas opções, considerando a qualidade-preço e a proximidade do centro, são o Cabinn Hotel, um alojamento simples com quartos familiares (beliches para as crianças) e preços acessíveis para o padrão nórdico, ou o Zleep Hotel Aalborg.

Se couber no orçamento um quatro estrelas, recomendo o Slotshotellet Aalborg (com ginásio), ou o Radisson Blu Limfjord Hotel (com estacionamento vigiado), ambos com vista para o fiorde. A cidade possui ainda apartamentos de temporada e pelo menos um hostel, que regista contudo uma pontuação muito baixa no Booking.

Já tinham ouvido falar de Aalborg, na Dinamarca? Se tiverem alguma questão específica sobre este destino, ou alguma informação adicional, não deixem de partilhar nos comentários. Vejam ainda o álbum que partilhei na página do Facebook com mais imagens da cidade.

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  BookingÉ onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

Partilhar
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados

9 Comentários

  1. Marcela

    Eu ando com muita vontade de fazer uma viagem para explorar mais da Dinamarca, adorei saber sobre Aalborg e suas atrações! As suas fotos estão lindas, que dia ensolarado maravilhoso que você conseguiu passear!

    1. Ruthia

      Apesar do dia de sol, a cidade estava muito ventosa, sobretudo junto ao fiorde. Imagino como será no Inverno…

  2. Cynara Vianna

    A Dinamarca faz parte de nossa lista de destinos para conhecer, mas agora vou acrescentar Aalborg no roteiro, meu marido adora as histórias dos vikings, tenho certeza de que ele vai ficar encantado com esse museu, mesmo sem entender as informações já que não estão traduzidas, mas tenho certeza de que mesmo assim a visita valeu a pena.

    1. Ruthia

      Claramente, o público-alvo do museu são os dinamarqueses. Entendo que seja um destino “fora da caixa” que recebe mais turistas nacionais que estrangeiros, mas nunca esperei isso num museu de um país de primeiro mundo

  3. Ana Paula Landeiro

    Curto as histórias e a cultura vikings, muito legal esses passeios em Aalborg na Dinamarca. Não conhecia, mas achei top!

    1. Ruthia

      Se você gosta da história dos vikings, deve incluir Roskilde no seu roteiro na Dinamarca. Fica (bem) mais perto de Copenhaga

  4. Cintia Grininger

    Sou louca para conhecer a Dinamarca! Mas não sabia que havia tanto da cultura viking assim preservada. Adoraria conhecer o museu e esse incrível cemitério viking.

    1. Ruthia

      É um local muito interessante mesmo, ainda que um pouco distante do centro da cidade

  5. MICHELE LANA

    Adorei saber sobre Aalborg e o legado dos vikings, sou doida para conhecer a Dinamarca. Não conhecia Aalborg e certamente irei colocar no meu planejamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

JPG_1606302493785

Ruthia Portelinha

Viajante, chocólatra, leitora compulsiva, mãe. Está a aprender chinês porque sim.

Posts Populares
Fundador da ABVP
Viagens de uma Vida
Livro viagens de uma vida
Viagem de grupo a Marrocos

7 dias em Marrocos 430 euros
Marrakech até Deserto do Saara
>> Viagem de Grupo Marrocos <<