[8on] 8 Igrejas para conhecer em Braga

Outrora conhecida como Bracara Augusta, a cidade suplantou a sua glória romana graças à primeira Sé portuguesa. Ainda hoje tem tantas igrejas que é conhecida como a Roma portuguesa ou a cidade dos arcebispos

Referi no último post que Braga é uma das povoações cristãs mais antigas do mundo graças à construção da Sé, iniciada pelos pais de D. Afonso Henriques, o nosso primeiro rei. É verdade! O primeiro bispo da cidade foi São Pedro de Rates, no ano 45 d.C.

O seu poder eclesiástico era tão grande que se estendia por todo o noroeste da Península Ibérica. Só em finais do século XIV as dioceses dos reinos de Leão e Castela deixaram de lhe prestar obediência. Terminado o domínio árabe, a arquidiocese foi restaurada e coube ao bispo de então reconstruir a cidade, antes mesmo de Portugal nascer como reino independente. Daí receber o título de “senhor de Braga” (até ao século XVIII) e receber as chaves da cidade, aquando a sua tomada de posse…

Ao poder dos arcebispos somava-se influência política, por lá passaram membros da família real, conselheiros de Estado, houve até um arcebispo de Braga que se tornou chefe máximo da Igreja Católica: foi o Papa João XXI. O seu pontificado foi breve; durou pouco mais de 8 meses lá no século XIII, mas ainda teve tempo para ajudar Michelangelo com os seus problemas de visão.

Ouvem-se os sinos tocar, sinfonia que se vai estendendo pelas muitas igrejas da cidade. Não é por acaso que Braga é um dos locais mais populares no segmento do turismo religioso. O concelho tem mais de 80 igrejas em pleno século XXI, isto se não considerarmos o território da arquidiocese. O esplendor dos seus templos, particularmente ricos em talha dourada, permitiu ao município preparar um roteiro do barroco.

Vamos conhecer uma ínfima parte dos templos desta cidade católica que rivalizou em tempos com Santiago de Compostela e que recebe milhares de fiéis na Semana Santa. Há dias vi o primeiro-ministro português, António Costa, entre os crentes.

 

#1 Sé de Braga

Santa Maria de Braga, mais conhecida como Sé, foi sendo transformada ao longo dos séculos, daí misturar elementos góticos, românicos, manuelinos e barrocos. Mas foi o barroco que venceu esta guerra de estilos, graças ao arcebispo D. Rodrigo da Moura Teles. Ele e todos os outros arcebispos estão enterrados lá dentro, numa capela adjacente. O facto de escaparem à lei que proíbe enterramentos fora dos cemitérios diz muito sobre o poder desta instituição…

Para além da riqueza do edifício e dos seus órgãos de tubos, vale a pena recordar que a Sé tem um rito litúrgico próprio (rito bracarense), tal como acontece em Roma. Por ali, como em todo o centro histórico, há muitas lojinhas com souvenirs religiosos, imagens, terços, you name it.

 

Interior da Igreja da Misericórdia

#2 Igreja da Misericórdia

Mesmo coladinha à Sé encontramos a Igreja da Misericórdia, do século XVI, um dos únicos templos renascentistas da cidade. No interior, destaca-se o episódio da visita da Virgem Maria à sua prima Isabel, em vitral, escultura e pintura. Uma cena que inspirou os grandes mestres italianos e que é de uma ternura imensa. Afinal, só uma grávida pode compreender realmente as alegrias, dificuldades e expectativas de outra mulher “de esperanças”.

 

#3 Igreja dos Terceiros

Na zona especial de protecção da Torre de Menagem (o que resta do castelo de Braga), esta igreja do século XVIII foi praticamente erguida à força das esmolas dos crentes, cidadãos comuns que procuravam porventura uma igreja menos distante.

Como tantas outras, a Ordem Terceira de São Francisco saiu da Sé para criar a sua sede, mas nunca ganhou o estatuto e riqueza de outras irmandades. Recentemente, recebeu fundos europeus destinados à conservação e restauro do templo, mas teve de pedir ajuda para pagar a sua parte das obras. É das poucas igrejas bracarenses com a fachada coberta de azulejos.

 

#4 Igreja de Santa Cruz

Se chegar ao centro histórico e encontrar pessoas de nariz no ar, em frente à fachada barroca da igreja de Santa Cruz, não estranhe. Provavelmente estão à procura dos galos casamenteiros. Reza a lenda que quem achar as aves em alto-relevo (há quem fale em dois, outros em três galos), tem casamento para breve.

Lendas à parte, esta igreja que expressa a paixão de Jesus e desempenha um papel importante nas procissões da Semana Santa, é um marco do barroco bracarense. Recorro a uma imagem alheia porque, neste momento, a fachada está completamente coberta de andaimes e redes.

 

© PLTurismo. A procissão dos Passos, durante a Semana Santa, com a Igreja de Santa Cruz no fundo

 

#5 Capela de São Bentinho

A poucos metros, numa viela estreita, fica a pequena capela de São Bentinho, sem qualquer valor artístico. Com tantos templos belíssimos na cidade, porque escolher este singelo lugar para um post que destaca apenas oito igrejas? Porque, para mim, ela simboliza a fé profunda dos minhotos.

Todos os dias ela recebe crentes que suplicam por intervenção divina, acendem as suas velas, deixam as suas esmolas e também ovos, porque S. Bento é apreciador?! Este santo milagreiro é invocado, sobretudo, por razões terapêuticas, para curar doenças da pele e outros males. Diz-se que as ofertas que lhe são dirigidas devem ser brancas: ovos, açúcar, sal, farinha, moedas de prata e cravos, quando se trata de verrugas ou cravos.

A fé popular tem destes gestos genuínos, simples, repletos de significado, com muito mais valor do que retábulos cobertos de ouro.

#6 Mosteiro de Tibães

Não fica no centro da cidade, mas os 20 minutos de viagem reduzem-se a nada quando conhecemos um dos mais ricos e poderosos mosteiros do norte do país. Mais. Esta foi a casa-mãe da ordem Beneditina em Portugal e no Brasil, do século XVI até à extinção das ordens religiosas.

O interior do templo esconde algumas maravilhas, como o altar-mor, um dos “mais espectaculares exemplos conhecidos de talha rococó”, o órgão barroco, as cadeiras do coro em relevo e uma energia emocionante. Depois, há o claustro com os seus maravilhosos painéis de azulejos. E, por fim, os jardins enquadrados na paisagem minhota, com os seus campos de milho e montes muito verdes.

Já dediquei um post ao mosteiro de Tibães, que podem ler aqui.

#7 Santuário Bom Jesus do Monte

Mais do que um lugar de fé, o Bom Jesus de Braga é um dos símbolos da cidade. Os bracarenses gostam de subir as escadarias ao domingo de manhã, juntando exercício físico e ar puro. Com 573 degraus, a escadaria começou a ser construída em 1723, estando dividida em três partes: o escadório do pórtico que inclui oito capelas primitivas; o escadório dos cinco sentidos e o escadório das três virtudes – fé, esperança e caridade – com as suas fontes. O canto das águas acompanha a subida, num processo de purificação que termina junto à Igreja de inspiração neoclássica.

Alinhado com o centro da cidade, o conjunto recria a Gólgota de Jerusalém e entrelaça-se com a paisagem numa simbiose perfeita. Quem não tem preparação física para a subida, pode optar pelo elevador movido a água (o mais antigo do mundo a usar este sistema).

Junto ao santuário existe um lindo jardim, com grutas e coretos, um lago com barcos a remos… passear por ali é um clássico. Depois há a vista sobre a cidade que, em tempos, podia ser apreciada através de um binóculo centenário, originando a expressão “ver Braga por um canudo”. Parece que o binóculo vai ser recuperado e em breve estará novamente à disposição dos visitantes (notícia aqui).

#8 Santuário do Sameiro

Continuamos a subir até ao lugar mais alto de Braga, para concluirmos esta jornada no Santuário do Sameiro (imagem de entrada do post), um lugar com muita paz e um pôr-do-sol cinematográfico. O santuário não é tão procurado como o do Bom Jesus, excepto nas raras ocasiões em que neva. A altitude traduz-se em neve muito de vez em quando e, embora esta derreta pouco depois, é certo que muita gente subirá ao Sameiro na esperança de ver uns flocos gelados!

Este é o maior centro de devoção mariana em Portugal depois de Fátima. Chegados ao complexo, lemos na calçada a seguinte inscrição: “mais bela só no céu”. Não sei se se refere à basílica ou à Senhora do Sameiro, cuja imagem, esculpida em Roma e benzida pelo Papa Pio IX, usa uma valiosa coroa com 2,5 kg de ouro maciço e brilhantes, oferecida pelas mulheres portuguesas, entre as quais se destacou a rainha D. Amélia.

Dica: porque estes são lugares de fé, têm entrada gratuita, excepto a Sé. Contudo, é igualmente possível conhecer a Sé gratuitamente, durante uma cerimónia religiosa. É caso para dizer que Braga é um lugar para comer, orar e amar.

 

Este post faz parte do 8on8 um projecto colectivo que une lindas viajantes em volta de um tema comum, no dia 8 de cada mês. Espreitem os restantes textos sobre o tema “igrejas”, desfrutem, partilhem e inspirem-se (por ordem alfabética):
Let’s Fly Away, da Luciana Freitas
Mulher Casada Viaja, da Márcia Picorallo
Quarto de viagem, da Flávia Donohoe
Turistando.in, da Juliana

 

 

 

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a IATI (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

2019-07-16T09:07:22+00:00

34 Comments

  1. Lulu Freitas 8 Abril, 2018 em 15:33 - Responder

    Que lindo! Adorei as curiosidades sobre cada igreja, como o galo casamenteiro e o santo apreciador de ovos. Um roteiro muito bonito e interessante pela cidade.

    • Berço do Mundo 9 Abril, 2018 em 13:32 - Responder

      Cada lugar tem um passado histórico, um simbolismo para os crentes… são esses pequenos detalhes que dão sabor à vida!

  2. © Piedade Araújo Sol 8 Abril, 2018 em 16:33 - Responder

    Belas Igrejas…que confesso não as conheço todas.
    Boas fotos.
    Beijinhos
    🙂

  3. Juliana Moreti 8 Abril, 2018 em 17:03 - Responder

    Visitei Braga por causa da "Bom Jesus do Monte". Este santuàrio estava na capa de meu guia de Portugal e dei um jeito de colocà-la em minha lista. E não teve como não me emocionar! Ela é linda!
    Desta tua lista, também visitei a Sé de Braga. Outra igreja fenomenal!
    🙂

    • Berço do Mundo 9 Abril, 2018 em 13:27 - Responder

      É muito difícil conhecer todas as grandes igrejas desta cidade, já que tem uma igreja em cada esquina. Mas já visitou duas das mais importantes.

  4. Marta Iansen 8 Abril, 2018 em 19:24 - Responder

    Curiosas essas preferências culinárias de São Bento rsrssss

    Belo post, fotos incríveis. Tenha uma ótima semana!

  5. Elvira Carvalho 8 Abril, 2018 em 21:19 - Responder

    Muito interessante. Conheço a Sé de Braga, O Bom Jesus e o Santuário do Sameiro.
    Ficam-me 5 para visitar quando voltar a Braga.
    Abraço e uma boa semana

    • Berço do Mundo 9 Abril, 2018 em 13:28 - Responder

      Muitas, muitas mais, amiga Elvira. Mas Roma e Pavia não se fizeram num dia…
      Abraço, uma boa semana

  6. Marcia Picorallo 9 Abril, 2018 em 1:26 - Responder

    Que bela pesquisa, Ruthia, mais um relato interessante e rico. Gostei de você ter incluído uma capela e mais ainda pelo que te motivou. às vezes uma catedral cheia de arte e beleza remete mais ao mundano do que ao divino. Abraços!

    • Berço do Mundo 9 Abril, 2018 em 13:30 - Responder

      Nós gostamos de catedrais pela sua beleza artística-arquitetónica mas, na verdade, as igrejas são muito do que edifícios não é? Grata pela sua visita e pelo amável comentário

  7. Francisco Manuel Carrajola Oliveira 9 Abril, 2018 em 9:56 - Responder

    Excelentes e belas fotografias destas magnificas igrejas, bom trabalho, gostei.
    Um abraço e boa semana.

  8. Quarto de viagem 9 Abril, 2018 em 12:52 - Responder

    realmente a arquitetura portuguesa está presente na brasileira, várias igrejas são iguais as de Minas Gerais e Ouro Preto, quanta riqueza de detalhes, maravilhoso!

    • Berço do Mundo 9 Abril, 2018 em 13:31 - Responder

      Sem dúvida. Já visitei Ouro Preto e outras pequenas localidades de MG e parecia que estava em Portugal.

  9. Rui Pires - Olhar d'Ouro 9 Abril, 2018 em 16:28 - Responder

    É sempre bom partilhar, é sempre bom ver e conhecer.
    Ainda não fui ao mosteiro de Tibães, uma falha imperdoável… mas vai acontecer!
    Excelente post Ruthia
    Boa semana.

    • Berço do Mundo 9 Abril, 2018 em 16:50 - Responder

      Quando visitar Tibães vai tirar fotos maravilhosas, aposto. Os painéis de azulejos, as cadeiras do coro alto… pus mais fotos lá na página do facebook

  10. Victoria Farina 9 Abril, 2018 em 16:47 - Responder

    Ual que post incrível. Super explicativo e, em baixo, ainda tem o mapa pr facilitar. Amei! Amei a igreja da Misericórdia, ual! Me lembrou um pouco as igrejas de Salvador no Brasil.

    • Berço do Mundo 10 Abril, 2018 em 18:49 - Responder

      As igrejas brasileiras beberam muito da arquitectura e religiosidade portuguesa. Quando visitei Ouro Preto e outras regiões mineiras, parecia que estava em Portugal.

  11. Amilton Fortes 9 Abril, 2018 em 23:00 - Responder

    Puxa, quanta informação bacana! Confesso que nunca tinha ouvido falar da região e achei uma ótima pedida para quem se interessa por turismo religioso, parabéns!

  12. Marisa Cavaleiro 10 Abril, 2018 em 21:38 - Responder

    Olá
    Prontos?
    Está decidido tenho de ir a Braga.
    Xoxo

  13. Adriana LARA 11 Abril, 2018 em 16:05 - Responder

    adorei o post e as curiosas informações sobre igrejas… confesso que fiquei 'assanhada' para olhar para cima e ver se encontro um dos tais galos casamenteiros (apesar da iminente separação, que sairá em breve se Deus quiser, não desisto de encontrar o parceiro ideal)… bjs com saudades

    • Berço do Mundo 13 Abril, 2018 em 12:25 - Responder

      Hahaha, quando vieres a Portugal eu levo-te a visitar a igreja com os galos casamenteiros…
      Beijinho

  14. Itamar Japa 11 Abril, 2018 em 19:25 - Responder

    Adorei o post, ultimamente tenho dado muito mais atenção as igrejas. Antigamente, por não ser tão religioso, as vezes deixava de observar os detalhes e perdia muita coisa!

    • Berço do Mundo 15 Abril, 2018 em 17:29 - Responder

      Eu também não sou religiosa. Visito igrejas pela arquitectura e pela história que encerram

  15. Angela Sant Anna 12 Abril, 2018 em 18:34 - Responder

    acho interessante essas igrejas q foram construidas nos topos dos morros para serem vistas de longe, eh um exercicio de mente e espirito para chegar no fim de 500 e poucos degraus hauehau muita vontade de ir na missa ne!

    • Berço do Mundo 13 Abril, 2018 em 12:26 - Responder

      No caso do Bom Jesus, as pessoas que vão à missa chegam de carro. Senão seria um pivete no interior da igreja 🙂 Quem sobe as escadarias provavelmente está a pagar alguma promessa ou simplesmente a fazer exercício.

    • Angela Sant Anna 22 Abril, 2018 em 13:13 - Responder

      ahhh ai facilita a vida

  16. Thais 12 Abril, 2018 em 19:09 - Responder

    É cada igreja uma mais linda que a outra né.
    Dicas anotadas para quando for a Braga.
    Bjos
    Thais

  17. Gisele Rocha 13 Abril, 2018 em 2:47 - Responder

    Eu não curto missas, mas gosto muito de visitar igrejas, ver os detalhes arquitetônicos, as esculturas e pinturas. Essa grandiosidade, embora nos faça suspirar, também fala muito sobre a ganância do clero em tempos passados.
    A título de curiosidade, não sei se você sabe, mas o Santuário do Bom Jesus do Monte inspirou o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG. Também vale uma visita!

    • Berço do Mundo 13 Abril, 2018 em 12:27 - Responder

      Já li sobre o santuário de Congonhas com o seu belo conjunto escultório. Quem sabe um dia conheço ao vivo. Abraço

  18. dih 13 Abril, 2018 em 11:35 - Responder

    Que legal esse roteiro, nas minhas viagens sempre gosto de entrar em igrejas, acho que elas contam muito sobre a cultura e o lugar. Adorei o post.

  19. Camila 14 Abril, 2018 em 2:28 - Responder

    Uma mais linda que a outra! Já fiquei com vontade de conhecer todas 🙂

  20. Catarina 16 Abril, 2018 em 17:28 - Responder

    Tenho muito boas recordações de Braga. É uma cidade muito pequena, que se visita muito bem a pé e que é uma delícia percorrer. Há belas surpresas sempre por descobrir, tais como as igrejas que falas. O que mais gosto deste post é o Mosteiro de Tibães.

    • Berço do Mundo 16 Abril, 2018 em 18:35 - Responder

      O Mosteiro de Tibães é realmente um deslumbramento, para quem gosta de história de arte

  21. Luli 17 Abril, 2018 em 6:41 - Responder

    Braga é tão pequena mas com tanto para ver! Adorei o compilado das igrejas e o projeto 8on8! 🙂

Deixe o seu comentário