Tânger. Encruzilhada entre África e Europa

Tânger, a cidade onde Hércules pernoitou antes do penúltimo dos 12 Trabalhos mistura traços europeus e islâmicos, tradição e modernidade. Vamos espreitá-la

A última tarde em Marrocos não foi suficiente para desvendar os segredos deste lugar que já esteve sob o domínio de tantas civilizações. Tânger é a soma da sua história riquíssima, da disputa de várias nações, de um passado internacional, quando foi frequentada por espiões, artistas e intelectuais.

Na encruzilhada entre Europa e África, Mediterrâneo e Atlântico, a cidade marroquinizou-se depois nos anos 50, ao integrar o recém-nascido reino de Marrocos. Ainda assim guarda vestígios do seu passado internacional. É o caso do vintage cinema Riff – que anuncia um ciclo dedicado à Barbara Streisand – o Gran Café de Paris, o Café Fuentes ou a simbólica Librairie dês Colonnes.

Mas não são apenas os lugares que revelam detalhes europeus. Os insistentes vendedores do Grande Socco abordam-me frequentemente em espanhol. Há mulheres sozinhas, sentadas numa esplanada, algumas delas de cabelo descoberto…

Subo a medina em direcção à antiga fortaleza (kasbah), atravessando a Bab Al Bahr para me deter em frente ao mar. O porto da cidade sofre uma ampla modernização e, em breve, será um dos 10 mais importantes do mundo. Mas não é para lá que o olhar foge.

 

ruas de Tânger estreito de Gibraltar

O apelo do horizonte

Nesta escarpa ponteada de sepulturas fenícias, os olhares perdem-se no horizonte. Parece que os tangerinos chamam a este local o “Sour Al Maâgazine”, o muro dos preguiçosos, já que muitos gastam aqui longas horas. A contemplar o quê, exactamente? Os navios que atravessam o estreito de Gibraltar? A Andaluzia que fica a uns míseros 14 km em linha recta?

Junto-me aos ociosos um pouco adiante, no Café Hafa (1921). O conjunto de esplanadas dispõe-se em socalcos sobre o mar e eu entendo porque é tão difícil encontrar uma mesa. Faço como os Rolling Stones e o Sean Connery: abanco com um chá de menta, encantada com a paisagem.

Numa ponta espreita o Cabo Espartel, com um farol perfeito para apreciar o pôr-do-sol. Ali perto ficam as grutas de Hércules, umas cavernas calcárias onde ele terá descansado antes de roubar as maçãs do Jardim das Hespérides. Na verdade, há diversas lendas relacionados com o herói mitológico. O consenso gera-se num único ponto: ele passou por aqui.

Na outra ponta fica o Cabo Malabata, com um castelo do início do século XX.

 

Café Hafa, em Tânger

Jovens mulheres na esplanada do Café Hafa

esplanada do Café Hafa

Termina a aventura marroquina

Resta-me pouco tempo no norte de Marrocos. Ainda deambulo pela Praça 9 du Avril 1947, como dezenas de famílias que aproveitam o final da tarde, entre a Mesquita Sidi Bou Abib de minarete rosado, os Jardins de La Mendoubia e o cinema Rif.

Espreito o mercado central e depois sigo para a Praça de Faro. Aqui, os canhões ainda ameaçam o horizonte, alheios às crianças que os usam como lugar de recreio. Tiro uns momentos para apreciar a arte de uma tatuadora de hena, antes de me embrenhar novamente na medina.

O longo jantar acontece no elegante Palais Zahia, num salão primorosamente decorado. O hotel fica junto à medina, possui um terraço e quartos deslumbrantes, mas infelizmente um voo de madrugada não permite desfrutar do seu conforto por muito tempo. Para lá chegar, ainda passo pelo Museu do Legado Americano, que assinala a amizade iniciada no século XVIII, quando o sultão de Marrocos reconheceu oficialmente a independência dos EUA.

Deixo Tânger antes do alvorecer, rumando ao aeroporto que nos levará directamente a Lisboa. Ao longo da marginal, volto a reparar na mudança que assola a cidade magrebina. Há várias vias em construção, incluindo a auto-estrada Tânger-Casablanca, o porto está a ser ampliado, há projectos para um estádio e o primeiro TGV do continente africano.

O futuro bate à porta de Tânger mas, secretamente, é o passado que me fascina neste país chamado Marrocos.

 

praça central de Tânger

tatuagem de hena

 

Como chegar

É muito comum chegar a Tânger por via terrestre, a partir da Europa, através do ferry que parte de Tarifa. O João Leitão escreveu um post bastante completo sobre esta ligação de barco. Para quem vem de avião, saibam que existem ligações directas entre Lisboa-Tânger e Madrid-Tânger.

É possível chegar de comboio desde Rabat, Casablanca ou Marraquexe. Neste último caso, existe um comboio-hotel que permite reservar uma cama para a viagem nocturna de 10 horas. Outras opções são o autocarro (por exemplo desde Fez, Tétouan ou Chefchaouen) ou mesmo o avião, com a Royal Air Maroc.

 

Nota: Esta viagem foi realizada a convite do Turismo de Marrocos.

2019-05-14T07:54:59+00:00

27 Comments

  1. Elvira Carvalho 5 Maio, 2019 em 21:56 - Responder

    Um belíssimo passeio. Adorei a arte da tatuadora.

    Espero que tenha tido um feliz dia da mãe.

    Abraço e uma boa semana

  2. Mariana Menezes 8 Maio, 2019 em 0:45 - Responder

    Que belo roteiro pelo Marrocos Ruthia! Gostei muito de ler todos os relatos sobre essas cidades que ainda não conhecia. Gostei de saber que dá pra ir de barco para Tânger, deve ser um passeio bem interessante!

    • Ruthia 8 Maio, 2019 em 6:28 - Responder

      Os turistas seguem de Espanha para Marrocos e tantos africanos tentam fazer o percurso inverso

  3. Rui Pires 8 Maio, 2019 em 16:32 - Responder

    Mais uma interessante foto/reportagem.
    Está na minha lista de espera.

    PS – Lamento a forçada ausência, aos poucos vou tentando retomar e chegar aos blogues que sigo.

    😉 Beijos

    Olhar D’Ouro – bLoG

  4. Danielle 9 Maio, 2019 em 20:51 - Responder

    Que fantástico! Você explorou bem Tânger! Quando fui, acabei pegando um tour fechado que nos levou para alguns lugares já mapeados por todos. Você andou sozinha? Como foi andar pelas ruas e se comunicar com os marroquinos? Onde se hospedou?

    • Ruthia 10 Maio, 2019 em 7:35 - Responder

      Acontece bastante, sobretudo a quem chega de barco desde Espanha. Ficamos no Palais Zahia, mesmo à porta da medina

  5. Flávia donohoe 9 Maio, 2019 em 21:40 - Responder

    É bem fácil ir até o destino, ainda não desbravei essa parte do mundo, mas está na lista! Que post maravilhoso Ruthia! Um super beijo

    • Ruthia 19 Maio, 2019 em 15:29 - Responder

      Obrigada Flávia. Temos muito boas acessibilidades daqui da Europa. Um dia vc vai! Abraço

  6. Gisele Prosdocimi 10 Maio, 2019 em 2:38 - Responder

    Que cultura e história fascinante, tenho pensado bastante no Marrocos como um destino próximo a conhecer. Acredito que no máximo em dois anos estarei aí também conferindo de perto toda a maravilha que mostrou aqui. Amei o post, obrigada por compartilhar!

    • Ruthia 10 Maio, 2019 em 7:35 - Responder

      Eu ainda só estive no norte do país. Quero muito ir até ao deserto

  7. Edson Amorina Junior 11 Maio, 2019 em 12:48 - Responder

    Que viagem linda que você fez pelo Marrocos, muitos lugares. Eu não conheci o Tanger, mas bem legal ler sua história,

    • Ruthia 25 Junho, 2019 em 14:24 - Responder

      Gostei muito de conhecer melhor esse país de entrada em África. O próximo passo é explorar as regiões mais a sul

  8. Marcia Picorallo 13 Maio, 2019 em 13:33 - Responder

    Que delícia de texto, Ruthia, obrigada por compartilhar seus saberes e sensibilidade. Saiba que viajei junto contigo ao Marrocos, obrigada pela carona! Quanto ao Muro dos Preguiçosos, acho que não precisa de muitos motivos pela escolha de passar algum tempo fitando o horizonte, ali. Relaxar é preciso!

    • Ruthia 14 Maio, 2019 em 12:29 - Responder

      Concordo, Márcia, relexar é preciso. Mas ver tanta gente jovem, a meio da semana e em horário laboral, ali parados a sonhar…
      P.S. és sempre bem-vinda na minha boleia.

  9. Carla Mota 13 Maio, 2019 em 14:46 - Responder

    Ruthia, a foto da hena está fantástica! Adorei. Assim como gostei imenso de Tânger. O artigo ficou TOP! 😀

  10. Marcela Falco 13 Maio, 2019 em 15:10 - Responder

    Que viagem! Deve ser um destino muito interessante mesmo. O post ficou ótimo!

  11. Diego Cabraitz Arena 14 Maio, 2019 em 0:23 - Responder

    To adorando seus posts sobre o Marrocos. Muitas cidades interessantes e paisagens incríveis para conhecer.

  12. Vitor Martins 14 Maio, 2019 em 9:40 - Responder

    Impressionante, estarmos sentados a olhar o horizonte, e pensar que a maior parte das pessoas que ali estão, sonha em ir para o outro lado!!

    • Ruthia 14 Maio, 2019 em 12:27 - Responder

      A Europa continua a ser um sonho de vida para muitos africanos e vê-la ali, quase à mão de semear, deve mexer com o imaginário das pessoas

  13. ROBERTA KELLY NOGUEIRA 16 Maio, 2019 em 4:12 - Responder

    Que post maravilhoso! As pinturas de hena são belíssimas, uma mistura cultural né?! Acredito que a região seja bem rica culturalmente mesmo por estar em uma zona de fronteira. Qjo, bjo

    • Ruthia 19 Maio, 2019 em 15:28 - Responder

      Uma mistura fascinante, exactamente por esse motivo.

  14. Paloma 20 Maio, 2019 em 11:38 - Responder

    Que lindo, não conhecia! Sem dúvida uma viagem incrível, bateu muita vontade de conhecer 😍😍😍

  15. Alessandra 21 Maio, 2019 em 10:07 - Responder

    O Marrocos é mesmo um país incrível e viajar a Tânger através do seu olhar e escrita foi maravilhoso! Obrigada por tanta inspiração. Beijos.

    • Ruthia 25 Junho, 2019 em 14:25 - Responder

      Obrigada pela visita e pelo seu feedback sempre tão amável

  16. Fernanda 22 Maio, 2019 em 12:31 - Responder

    Fiquei maravilhada pela foto tatuagem de hena! É muito enriquecedor viajar para lugares com culturas tão diferentes da nossa!

  17. Carol Duque 22 Maio, 2019 em 19:33 - Responder

    Que sonho visitar esse lugar 😍. Quanta cultura deve ter. Adorei as informações e curiosidades sobre essa cidade.

  18. Marcela 23 Maio, 2019 em 9:47 - Responder

    Quanta história tem Tanger! Tenho muita vontade de voltar ao Marrocos, com certeza seu interessante olhar fez-me querer conhecer mais essa cidade.

Deixe o seu comentário