Baloico de Vinhais

O vinho deu-lhe o nome, mas foi o fumeiro que colocou de Vinhais no mapa do turismo. Fomos conhecer a pequena vila transmontana, que é também “terra de diabos”, numa pacata estadia que se prolongou quase uma semana

O caminho até Vinhais faz-se com vagar, percorrendo parte da estrada nacional que inspirou anteriormente uma road trip ecológica [EN103: eco road trip de Bragança ao Alto Minho]. O objectivo é aproveitar as paisagens do Montesinho, um dos maiores dos 12 parques naturais de Portugal, e fazer longas caminhadas, depois de um penoso confinamento.

Localizada no extremo Norte de Portugal, distrito de Bragança, Vinhais é conhecida como “Capital do Fumeiro”, cognome conquistado graças à Feira do Fumeiro de Vinhais, que atrai milhares de visitantes no mês de Fevereiro.

O porco bísaro é o mote inspirador desta feira, considerada um dos maiores eventos gastronómicos do país. Esta raça autóctone motivou até um centro interpretativo no centro da vila. Mas antes de falarmos deste e de outros produtos locais, vale a pena explorar o centro histórico. Sim, porque Vinhais é também um destino histórico, que remonta ao tempo dos romanos, quando se criou um miradouro no Alto da Ciradelha para supervisionar a região.

A estrada militar construída pelos romanos para ligar Braga, Chaves e Astorga passava aqui perto,  como recorda a Ponte da Rauca sobre o rio Tuela (não confundir com a Ponte da Ranca, medieval, que não fica longe).

miradouro sobre Vinhais

Vinhais, uma terra dos diabos

Dizem também que a vila é uma terra dos diabos. Porquê dos diabos?

Bem, Vinhais tem uma tradição secular, única em Portugal, na quarta-feira de cinzas, possivelmente com raízes nos Lupercais romanos. Na noite de terça para quarta saem à rua diabólicos mascarados, chamados Diabos, para atormentar a população e, no dia de cinzas, chega a própria Morte, para impor, com requintes de crueldade, sacrifícios e penitências às suas vítimas.

O turismo local apostou no prolongamento da festa original da quarta-feira de cinzas, criando o espectáculo “Os Mil Diabos à solta” no sábado seguinte. Mais de mil diabos acompanham uma Morte gigante, numa procissão que termina na Pedra, onde as raparigas aprisionadas são castigadas e o rosto da Morte é revelado num espetáculo de som, luz e fogo.

Este é mais um argumento para visitar Vinhais. Até porque a região é rica em expressões populares deste género, se recordarmos os caretos de Podence (concelho de Bragança) ou de Lazarim (concelho de Lamego), tradições igualmente características do Entrudo. Leia também Carnaval de Lazarim, caretos e senhorinhas

O que visitar em Vinhais

Apesar de não ter um património esmagador, Vinhais possui alguns monumentos interessantes, como a igreja de São Facundo (fundada pelos godos), o convento de São Francisco e o Castelo.

Comecemos precisamente aí, atravessando a porta principal do antigo castelo de Vinhais, (monumento nacional, do século XIV), para explorar as ruas empedradas, descobrindo um pelourinho manuelino, a Igreja Matriz, um conjunto de tanques recém-renovados.

Do castelo restam três portas, duas torres e alguns troços da muralha que, junto à Capela de N. Senhora da Conceição, oferece uma vista particularmente bonita. Seguindo pelas ruelas, descobrem-se as tradicionais casas transmontanas, em xisto, com o piso térreo reservado para o gado e parafernália agrícola, e um piso residencial, cujo coração é a cozinha.

Mas também várias casas senhoriais, sendo a mais imponente o Solar dos Condes de Vinhais (século XVIII), que hoje acolhe um Centro Cultural, com biblioteca, capela, teatro e cafetaria. Por altura da nossa visita, acolhia uma interessante exposição: Máscaras Rituais de Portugal.

Na praça dos Combatentes da Grande Guerra encontramos o Centro Interpretativo do Porco e do Fumeiro, para homenagear essa tradição ancestral e as raças portuguesas (com destaque para o bísaro), de uma forma interactiva, e a curiosa Fonte do Cano, com o escudo real. Antes de aproveitar a Natureza, espreite ainda  o Convento e Igreja de São Francisco e Ordem Terceira, com os seus retábulos barrocos.

Trilhos em Vinhais

Se, como eu, procura Natureza, ar puro e sossego, deve incluir uma visita ao Parque Biológico com os seus animais, centro micológico, actividades de aventura ou hipismo. Escrevi um post detalhado durante uma primeira visita Parque Biológico de Vinhais, um retiro no Montesinho.

O Parque Biológico é o ponto de partida para dois trilhos na Serra da Coroa: o PR9 VNH Trilho do Alto da Ciradelha (3,2 km) e o PR8 VNH Trilho da Barragem da Prada (5,9 km), ambos de pequena rota e circulares.

O PR9 conduz-nos até ao Alto da Ciradelha ou Cidadelha, onde se encontraram os primeiros vestígios de Vinhais, ou seja, um castro proto-histórico a noroeste da actual vila. No cume deste monte, os romanos terão construído o seu ponto de observação e entende-se porquê. Hoje, existe ali um Polo Interpretativo do Parque Biológico com uma vista soberba.

Outro ponto alto do percurso é o baloiço (foto de entrada), colocado junto do miradouro, para a foto da praxe. Se a primeira metade da rota é sempre a subir, passado o baloiço, descemos uma suave encosta, ladeados de árvores e a mais absoluta tranquilidade. Pelo caminho, com um pouco de sorte, poderá vislumbrar veados, corços, gatos-bravos, esquilos e raposas. Com certeza, verá muitas borboletas, árvores como carvalhos e amieiros, mas também giesta, carqueja e esteva.

Tanto o PR8 como o PR9 podem ser feitos em bicicleta de todo o terreno.

Apesar de mais longo, o PR8 é menos exigente e a paisagem mais diversificada: veem-se pequenas aldeias e muitos campos cultivados. Nesta caminhada, os pontos mais interessantes são a Charca da Vidoeira, onde existe um pequeno observatório para ver os animais que ali vão beber, a barragem onde se concentram aves aquáticas  e muitas libélulas, e o moinho de Paçó.

Não gostámos tanto deste segundo percurso pedestre, pelo simples facto de carros conseguirem passar numa parte do trilho, o que destrói toda a magia do lugar. Ainda assim, foi nesta rota que vimos uma pequena raposa. No concelho de Vinhais, é ainda possível fazer o lindo PR10 VNH Termas de Tuela, que merecerá um post específico.

Quando for visitar Vinhais, inclua pelo menos um dos trilhos, pedestres ou de bicicleta. O concelho possui quatro percursos de BTT, com diferentes níveis de dificuldade – 8,27 km, 19,48 km, 49,9 km e 65 km – todos eles com início e término no Parque Biológico.

Visitar Vinhais – informações úteis de viagem

Quando ir

Trás-os-Montes é uma terra de extremos. Diz o ditado popular que nas entranhas transmontanas existem nove meses de Inverno e três de Inferno. Se no Inverno, as temperaturas podem ficar pelos 5º C de máxima, no Verão podem chegar aos 40º C. Em suma, os meses de Primavera e Outono são os mais agradáveis para visitar a região e realizar actividades ao ar livre. No entanto, se procura uma paisagem nevada, poderá considerar os meses de Dezembro-Janeiro.

Como chegar

Vinhais fica a cerca de 200 km do Porto, 284 km de Coimbra e quase 500 km de Lisboa (bué, bué longe, diria o burro do Shrek). A partir da cidade invicta, deve apanhar a A4 até à saída 33, em direcção a N315/Mirandela Norte/N103/Vinhais. Siga depois pela R206 e N103 até à vila de Vinhais.

A distância entre Lisboa e Vinhais traduz-se em cerca de cinco horas de caminho. Apanhe a A1 para Norte, escolhendo depois um de dois caminhos: A23  ou apanhando o IP3 perto de Coimbra, em direcção à A24 e depois A4 (tomando a mesma saída que o percurso desde o Porto).

Foto tirada no centro da vila

Onde ficar em Vinhais

Nós ficámos no próprio Parque Biológico de Vinhais, num dos bungalows de madeira. Foi a minha segunda vez no parque e, desta vez, achei que o bungalow carecia de manutenção: lava-loiças a escorrer água para a prateleira da loiça, dispensadores de álcool gel sujos, teias de aranha gigantes à porta.

O wi-fi não funcionava, excepto junto à recepção. Numa manhã tinha uma reunião online, e não me facultaram acesso a uma sala. Tive que fazer a reunião na rua, numa mesa do bar, sem acesso a fonte eléctrica (resultado, fiquei sem bateria). Os funcionários da recepção também se revelaram pouco conhecedores da região; só me recomendaram os dois trilhos que partem do parque.

– Mas não existem outros no concelho?- perguntei.

– Sim, mas teria que perguntar no Turismo que está fechado, por causa da pandemia.

– Mas vocês não têm informação turística? Não são uma empresa municipal?

– Sim, mas é uma entidade independente. Não a quero mandar para uma aldeia e que se perca.

Ainda estive para lhe dizer que fui sozinha à China e não me perdi, mas não valia a pena [fizemos outro trilho, o PR10 Termas de Tuela, e não nos perdemos]. Numa nota mais positiva, o aquecimento funciona muito bem, as camas são confortáveis e o pequeno-almoço razoável.

Para além do Parque Biológico existem várias opções de turismo rural em Vinhais, como a Casa do Rebelhe e a Casa da Mencha e um pequeno hotel sem presença no Booking. A alguns quilómetros, na aldeia de Gondesende, já no concelho de Bragança, existe uma opção muito simpática: a Micro Cabana Rotativa.

Início do PR9 VNH Trilho da Barragem da Prada

Gastronomia de Vinhais

A comida da região baseia-se nos genuínos produtos locais: castanhas, cogumelos, fumeiro. Entre as especialidades gastronómicas inclui-se o caldo de cascas, os milhos, os cuscos (feitos de trigo Barbela, substituía a massa e o arroz)  e o celebérrimo fumeiro de Vinhais, de porco bísaro.

A este nível, é de experimentar o butelo acompanhado por casulas (cascas de feijão secas), mas também as alheiras. A carne é rainha nesta região mas se,  como eu, não come carne, pode experimentar as trutas do Tuela ou peixinhos do rio fritos.

© rotaterrafria.com

Pode encontrar o fumeiro de Vinhais com carne de porco bísara (IGP) nas lojas da especialidade, nomeadamente no Gourmet da Adelaide (a senhora é uma simpatia, também vende doces, compotas e outras iguarias), perto do Solar Condes de Vinhais, ou nas duas lojas em frente à Igreja-convento de S. Francisco.

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  BookingÉ onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

Partilhar
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados

17 Comentários

  1. Olga Samões

    Ainda não conhecemos Vinhais… obrigada por nos ter “aguçado o apetite !!!”

  2. Maria João Proença

    Já tinha ouvido falar dos Diabos, mas não sabia que eram de Vinhais! Parece ser um destino jeitoso para uma escapadinha de fim de semana. 🙂 Obrigada pelas dicas!

    1. Ruthia

      Como ainda fica um bocadinho longe de Lisboa, o melhor é um fim-de-semana prolongado. Nós ficámos cinco dias

  3. Adrielle Saldanha

    Adoro conhecer destinos que contam histórias surpreendentes. Nunca tinha ouvido falar em diabos e deu curiosidade de saber mais sobre esse destino que deve ser incrível mesmo. Gratidão pelas dicas e por me fazer conhecer sobre esse lugar.

    1. Ruthia

      É muito interessante conhecer essas tradições tão antigas e genuínas, não acha?

  4. Cintia Grininger

    Vinhais parece ter uma ótima combinação de natureza, tradições históricas e gastronomia. Muito interessante essa história dos diabos, meio sinistra rsrsrs

    1. Ruthia

      Nunca assisti ao desfile, mas deve ser um pouco sinistro mesmo. Mas existem várias tradições um pouco estranhas relacionadas com a época do Entrudo, em Portugal

  5. ana

    Não conhecia Vinhais, mas achei super interessante…tirando essa parte do diabo hahhah

  6. Moisés Batista

    Achei engraçado voce falar que a noite dos diabos é um bom argumento para visitar vinhais. Mas e eu que morro de medo destas coisas. Posso visitar vinhais mas longe desta epoca rs. Parabens pelo texto. Abraços

    1. Ruthia

      Eu também tenho “respeito” por essas coisas. Mas é muito interessante e única, essa tradição. Gostava muito de saber como começou

  7. Luciana Rodrigues

    Nunca tinha ouvido falar em Vinhais, mas acredito que a colocarei em um roteiro na próxima vez que visitarmos o Porto.

  8. Marcela

    Fiquei mega curiosa para conhecer Vinhais! Vou planejar uma visita para os próximos meses e suas dicas vão ajudar muito. Obrigada!!

    1. Ruthia

      Se precisar de alguma dica específica, é só dizer

  9. ANGELA MARTINS

    Não conhecia esse destino. Gostei de Vinhais. Uma boa mistura de fatos curiosos, história, natureza e gastronomia. Adorei a dica!

  10. Cris

    Uau! Mais uma cidade pra conhecer nessa terra encantadora!! Adoraria estar numa véspera de quarta-feira de cinzas haha

  11. Sandra barreira

    Ja visitei Vinhais inumeras vezes e gosto muito. Onde fica a ponte da rauca? Perguntei a varias pessoas da localidade e não conheciam. Chegaram a ligar mesmo para a câmara municipal e nao nos souberam informar. Como vim hoje até cá senti curiosidade. Quanto aos diabos é um carnaval muito diferente e vale muito a pena assistir. Recomendamos_se

    1. Ruthia

      Como referi, não fica longe da outra ponte, mais recente, chamada Ponte Ranca

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

JPG_1606302493785

Ruthia Portelinha

Viajante, chocólatra, leitora compulsiva, mãe. Está a aprender chinês porque sim.

Posts Populares
Fundador da ABVP
Viagens de uma Vida
Livro viagens de uma vida
Viagem de grupo a Marrocos

7 dias em Marrocos 430 euros
Marrakech até Deserto do Saara
>> Viagem de Grupo Marrocos <<