Vistas do Douro: a região vinícola demarcada mais velhinha do mundo

“Veja com olhos apaixonados uma paisagem que Deus não quis fazer sozinho”. A força do slogan do Turismo de Portugal reside na sua verdade: a paisagem do Douro foi forjada por agricultores, o solo foi esventrado, murado, ordenado, em nome do melhor vinho do mundo.

Tanto o vinho do Porto como os afamados vinhos de mesa provêm dos socalcos que rodeiam o rio Douro e os seus afluentes, onde muros de xisto suportam alas de videiras carregadas com gordos cachos.

Para além da qualidade do néctar de Baco, que o Marquês de Pombal  transformou na região vinícola demarcada mais antiga do mundo (1756), as paisagens esmagadoras do vale do Douro atraem muitos visitantes. Ou não fosse esta uma das regiões mais bonitas do país, protegida pela Unesco, que a elevou à categoria de Património da Humanidade em 2001.

Porque o Douro tem muitas facetas, eis alguns dos meus recantos preferidos, que talvez vos inspirem a sair de casa agora que a Primavera está a chegar. Começamos na fronteira, porque o Douro começa por ser espanhol como (quase) todos os grandes rios portugueses.

 

Miranda do Douro

O Parque Natural do Douro Internacional é uma zona protegida na fronteira entre Portugal e Espanha, com desfiladeiros profundos e escarpados. Para além das lindas paisagens, este é um lugar riquíssimo em termos de fauna, já que muitas aves nidificam nestas arribas inacessíveis: grifos, abutres do Egipto, cegonhas-pretas, águias…

A Europarques realiza um cruzeiro ambiental com partida em Miranda do Douro, que permite conhecer um pouco da região. Eu já fiz um cruzeiro com eles no lago glaciar de Sanabria (post aqui) e recomendo.

E já que aqui estamos, porque não explorar a estranha e mítica Terra de Miranda onde existe uma catedral sem bispo e um menino Jesus que usa cartola? Onde os homens vestem saias e xaile para a Dança dos Pauliteiros e se fala mirandês, a segunda língua oficial do país? (aqui).

 

© www.symington.com. A quinta no Vesúvio

 

Vesúvio

Das muitas quintas ao longo do Douro que organizam visitas, esta é uma das mais isoladas e bonitas.

Nas mãos da família Symington que tem uma longa tradição na produção vinícola desde o século XIX (produz marcas como Graham’s, Cockburn’s, Dow’s ou Warre’s), a casa foi sempre usada como escritório, pelo que a entrada se faz pela cozinha. Foi a D. Antónia, conhecida como a viúva do Douro ou Ferreirinha, que catapultou a Quinta do Vesúvio para os píncaros do Olimpo vinícola.

Para além da casa e do apeadeiro do comboio, não há mais nenhum motivo para conduzir até ao Vesúvio, já que a estrada termina aqui!

 

Estrada Nacional 222

Em 2015, a Avis elegeu a Estrada Nacional 222 – entre o Pinhão e a Régua – como a World Best Driving Road, a melhor estrada do mundo para se conduzir (notícia aqui). Provavelmente pela linda paisagem sobre o rio ladeado por socalcos que oferece, junto à margem direita do Douro. Ao longo da estrada, existem várias quintas encantadoras que se podem visitar.

Quem vem de S. João da Pesqueira em direcção à Régua, antes de apanhar a EN222, pode apreciar a paisagem estonteante a partir de vários miradouros, como este em que vemos o pequeno explorador.

 
 
 

Um cruzeiro até Peso da Régua

A partir do Pocinho, é possível embarcar num cruzeiro, descendo o rio até à Régua. Os barcos oferecem uma perspectiva diferente do Douro e este troço em particular ainda permite apreciar três eclusas (Pocinho, Valeira e Bagaúste), que descem o barco para um nível trinta metros abaixo.

A oferta é muita, pelo que vale a pena pesquisar um pouco sobre o tipo de viagem que preferem. Devo dizer que o único cruzeiro que realizei me decepcionou um pouco, por causa da quantidade de pessoas envolvidas no passeio e do barulho tipo arraial que acompanhou o percurso. Nada contra o “apita o comboio” ou “os peitos da cabritinha”, só preferia uma experiência mais silenciosa, mais em comunhão com a natureza que desfilava nas margens.

Chegados à Régua, vale a pena conhecer o Museu do Douro, não só pelo enquadramento histórico à região duriense e à produção vinícola, mas também pelo seu wine bar, onde o Pedro dedilhou umas notas no grande piano de cauda e eu beberiquei o meu vinho do Porto (degustação incluída no preço), sentada junto a um dos janelões com vista sobre o rio.

O edifício onde o museu está instalado foi sede da Real Companhia Velha, detentora do monopólio do vinho do Porto até ser extinta no século XIX. Daqui as pipas seguiam por barco para o Porto. E era também neste edifício que se julgavam os casos de adulteração do vinho do Porto, com penas que podiam ir dos meros açoites à pena de morte. Infelizmente, o exterior do edifício está a precisar de uma urgente conservação (que tristeza ver o património histórico neste estado).

 

 

Caves em Gaia

O rio continua o seu caminho, indiferente à passagem dos humanos, ainda que a paisagem se vá urbanizando a partir da Régua. Mas a rota do vinho só termina quando o Douro encontra o mar, portanto alongamos a experiência até às caves em Vila Nova de Gaia.

Visitei as caves da Taylors numa tarde chuvosa de Inverno e ainda recordo esses momentos com muito aconchego, talvez por causa do vinho que regou a conversa com uma amiga (post aqui).

Para além destas minhas dicas, existe um mundo de possibilidades, nomeadamente um passeio no comboio histórico com locomotiva a vapor que sobrevive na linha do Douro e que se realiza entre Junho e Outubro.

Também acreditam que o Douro é de ouro? Contem-me o que mais gostam na região vinícola mais velhinha do mundo.

 

 

Europarques (Cruzeiro ambiental): site
Quinta do Vesúvio: site
Museu do Douro: site (entrada: 6€ adulto / grátis para crianças até aos 12 anos)
Taylors: site
Comboio histórico: informações aqui

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  Booking. É onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a IATI (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

2019-08-19T07:43:58+00:00

21 Comments

  1. Marta Iansen 14 Março, 2017 em 12:37 - Responder

    Belo post, gostei da viagem virtual. Mais uma cultura com base na presença de um rio…

  2. ✿ chica 14 Março, 2017 em 13:26 - Responder

    Noooooooooossa, quanto mais vejo daí, mais admiro tudo por lá! Lindo! bjs, tudo de bom,chica

  3. Elvira Carvalho 14 Março, 2017 em 19:37 - Responder

    Andei por aí há quatro anos. Conheço até Peso da Régua. Daí até à fronteira não conheço nada.
    Andamos kms por uma estrada na margem direita do Douro (direção peso da Régua) e a paisagem era de tirar o fôlego.
    Um abraço

  4. Adriana LARA 15 Março, 2017 em 14:23 - Responder

    bem sabes que adoro viajar de carona contigo… e agora me deixastes mais 'doida' ainda para que tudo dê certo e possamos pisar em terras lusas ainda este ano! bjs

  5. viajei_compartilhei 16 Março, 2017 em 13:43 - Responder

    Que demais. Nunca tinha lido nada sobre esse lugar. Ótimas dicas e fotos. Curti mto sua descrição

  6. Aninha 16 Março, 2017 em 13:58 - Responder

    Que região linda, Portugal será meu primeiro destino na Europa, se Deus quiser

  7. Patricia 16 Março, 2017 em 15:24 - Responder

    Lugar lindo!! Quero conhecer.

  8. Mariazita 16 Março, 2017 em 16:30 - Responder

    Querida Ruthia
    Foi uma sensação maravilhosa esta de revisitar os locais que tão bem conheço.
    Estudei no Porto e lá vivi até ma casar, pelo que dei muitos passeios até Lamego, Régua, e um pouco mais para baixo, até à Covilhã.
    Naquele tempo para se ir para Seia e Covilhã a viagem fazia-se pela beira rio, e era use uma beleza indescritível.
    Esta postagem é óptima (são todas, dum modo geral…), muito bem documentada a nível fotográfico e informativo.
    Adorei!

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

  9. Ana Clara Flores 16 Março, 2017 em 18:50 - Responder

    Portugal é fantastico! Mas sua escrita é mais ainda, né?! Que dom das palavras você tem! Parabens!

  10. Dilma 16 Março, 2017 em 23:06 - Responder

    Viajamos para Portugal no ano passado. Fizemos a região do Douro, mas com um roteiro um pouco diferente do seu. Fomos até Braga e Guimarães e depois seguimos para a Serra da Estrela. Portugal é lindo, merece muitos dias de viagem!

  11. TurMundial 17 Março, 2017 em 10:47 - Responder

    Estou lendo informações sobre Portugal para planejar minha proxima viagem, adorei o seu post me ajudou bastante

  12. Viajante Móvel 17 Março, 2017 em 12:47 - Responder

    Tinha visto e curtido suas fotos deste lugar lá no instagram e adorei. Já está na minha listinha. Adorei!

  13. Angela Sant Anna 17 Março, 2017 em 12:58 - Responder

    que lugar bonito, bem que vc comentou que era fantástico lá no meu blog! adorei a foto com o barco!

  14. Jannayna Oliveira 17 Março, 2017 em 16:04 - Responder

    Adoreiiii. Sou louca para conhecer Portugal e agora vou ter que esticar meus dias para caber todas as suas dicas.

  15. Guilherme Goss de Paula 18 Março, 2017 em 4:52 - Responder

    Adorei o artigo, começando pelo slogan do Turismo de Portugal, muito forte! De tudo que li, conheço apenas as Caves de Gaia, sinal que devo voltar, pois há muito o que ver! =)

  16. Maria Glória 22 Abril, 2017 em 18:20 - Responder

    Viajei, mesmo que virtualmente, por este roteiro, tão interessante e belo.
    Gostei de saber sobre a família Symington e quem sabe um dia, fazer um cruzeiro para apreciar o Douro.

Deixe o seu comentário