Serra da Lousã, de visita às aldeias de xisto

aldeia do xisto da Lousã

Explorar a Serra da Lousã, no centro de Portugal, é um exercício sensorial. Homem e Natureza unem-se numa melodia ditada pela tranquilidade, pela autenticidade, nas muitas aldeias de xisto que se escondem na serra

A Serra da Lousã é um pequeno tesouro perdido no interior do país, protegido pela Rede Natura 2000. É um destino de histórias, paisagens naturais maravilhosas, trilhos e cascatas, matas povoadas por corços e veados. Perfeito para uma escapadinha na natureza.

Lousã, Açor e Estrela são o trio que forma o mais imponente alinhamento montanhoso de Portugal: a cordilheira central.  Os pontos de interesse multiplicam-se nesta serra que abrange dois distritos – Coimbra e Leiria – e seis municípios diferentes.

A nossa base foi a vila homónima, a 28 km de Coimbra, rodeada de imponentes montanhas onde pontilham algumas das mais charmosas aldeias de xisto. Trocámos a confusão urbana pelo silêncio de lugarejos tradicionais, as filas de trânsito pelas caminhadas, o wifi pela conexão com a natureza, num fim-de-semana perfeito.

Na Serra da Lousã ficam 12 das 27 aldeias que integram a rede das Aldeias do Xisto de Portugal: Aigra Nova | Aigra Velha | Candal | Casal de São Simão | Casal Novo | Cerdeira | Chiqueiro | Comareira | Ferraria de São João | Gondramaz | Pena | Talasnal

Neste artigo destacamos alguns dos lugares mais bonitos da Serra da Lousã. Leia até ao fim para perceber porque esta região se tornou uma estrela do Instagram e um dos destinos românticos mais procurados de Portugal.

Aldeias de xisto da Serra da Lousã

A rede das Aldeias do Xisto é constituída por 27 aldeias com uma arquitectura particular em pedra, distribuídas pelo interior centro de Portugal, em quatro territórios dispersos: serra da Lousã, serra do Açor, Zêzere e Tejo-Ocresa.

A região permite um caloroso contacto com a Natureza, mas também com a gastronomia e as tradições ancestrais. Nós visitámos as cinco aldeias de xisto que pertencem ao concelho da Lousã num roteiro de dois dias. É impossível fazer este roteiro recorrendo a transportes públicos, pelo que o melhor será alugar carro.

Cerdeira, onde vive a inspiração

Tudo começou na Cerdeira, a mais bonita das cinco aldeias de xisto do concelho, na nossa opinião pessoal. Fomos recebidos com as interrogações de Miguel Torga: “Quando é que a arte povoará de novo os lugares ermos e abissais de Portugal?

Foi preciso atravessar um portal mágico, uma pequena ponte que nos conduziu até à fonte, onde matámos a sede. Adentrámos então na aldeia de ruas estreitas e pequenas casas de xisto e madeira, que parecem ter escolhido os locais mais difíceis para nascer, num abraço verdejante.

Graças ao projecto Cerdeira Home for Creativity, a aldeia reinventou-se sem perder a sua genuinidade, tornando-se um local de criação artística permanente, escondendo segredos e arte em cada recanto. O objectivo é criar “uma comunidade de artes com uma aldeia secular como casa e o mundo como inspiração”. Vale a pena ficar alojados na Cerdeira (nós não conseguimos, estava tudo esgotado) e fazer um dos muitos workshops disponíveis.

Participante espanhola de um workshop de cestaria, na aldeia da Cerdeira.

Candal, a aldeia aninhada na serra

A aldeia do Candal é rasgada (e alimentada) por dois cursos vitais: a ribeira com quem partilha o nome e a estrada nacional 236, que traz os visitantes. Desafiada a nascer na encosta sul da Serra da Lousã, assumiu um carácter altivo, em forma de anfiteatro, que é uma delícia fotografar.

Outrora ponto de paragem para os viajantes, hoje o Candal convida a permanecer, num dos vários alojamentos turísticos. Para conversar com os habitantes, embalados pela melodia da ribeira que, a cerca de 800 metros da aldeia, se escangalha numa cascata exuberante, ou simplesmente permanecer em silêncio.

Chiqueiro, aldeia dos rebanhos

Diz-se que as campainhas dos rebanhos embalam o Chiqueiro, a mais pequena das aldeias de xisto que visitámos. Construída em xisto resgatado da Serra da Lousã, deve o seu nome à pastorícia, principal fonte de rendimento local [como será que se chamam aos seus habitantes?].

De uma simplicidade contagiante, as casas, currais, palheiros e ruínas espalham-se em apenas duas ruas íngremes, envolvidas por vegetação luxuriante. Os rebanhos de cabras andarão pela serra, a conviver com veados e javalis.

Na aldeia vemos apenas gatos e uma moradora, que se afirmou feliz com a futura unidade de alojamento, em construção na aldeia, mas reiterando que não ela e a família (a única que lá vive) não querem a confusão que já se vive no Talasnal.

O miradouro sobre a aldeia de xisto do Candal.

Casal Novo em xisto velho

A pequena aldeia do Casal Novo quase passa despercebida, no caminho para o Talasnal. Refugiada nas encostas da Serra da Lousã, desliza montanha abaixo, como que procurando o caminho até ao Santuário da Nossa Senhora da Piedade.

Descemos as escadarias da rua principal, rasgada por pequenas artérias transversais, até à eira, para apreciarmos a vista sobre a Lousã e o seu castelo. Mas a aldeia é mais do que mero miradouro. O Casal Novo é museu de vidas antigas, imortalizadas nas pedras de xisto e nas eiras, onde outrora se ouviam histórias e cantilenas comunitárias.

Talasnal, montanhas de amor

Terminámos o roteiro na aldeia do xisto mais conhecida da Serra da Lousã, que serviu de cenário na série televisiva “Mata Hari”. O Talasnal é não só a maior aldeia de xisto da serra, mas também uma das melhores preservadas, com as casinhas recuperadas com esmero.

A aldeia recebe os visitantes num simpático largo, com uma fonte de água fresca, para depois se complicar em labirínticos caminhos de sobe e desce, entre casas de xisto floridas. A Serra da Lousã, protectora e fonte de vida local, envolve a aldeia e as suas memórias agrícolas. Os lagares, recordam que ali se fazia o azeite, fonte de sabores recriados nos restaurantes locais.

A antiga escola acolhe hoje os visitantes com Loja do Xisto. Para além de licores, vinhos e outros produtos regionais, ali se vende o Talasnito, doce onde brilham dois produtos locais de excelência: mel e castanha. Outras lojinhas vendem bolinhos à base destes mesmos ingredientes, como sejam os curralitos e os retalhitos.

Que mais fazer na Serra da Lousã

O castelo de Arouce (ou Lousã).

Para além de visitar as aldeias do xisto da Serra da Lousã, não deixe de conhecer o Castelo de Arouce, mais conhecido como castelo da Lousã, as praias fluviais e os trilhos da região.

Castelo da Lousã

Num monte escarpado na margem direita do rio Arouce, o pequeno castelo do século XI fica ainda assim no fundo de um vale, graças à imponência das serras que o rodeiam. As palavras do nosso Nobel Saramago estão gravadas à entrada, transcrita da sua Viagem a Portugal: “Quem diz castelo, pensa altura, domínio de quem está de cima, mas aqui tem de pensar noutras coisas”.

Diz a lenda que terá sido erguido na época da ocupação muçulmanapelo emir Arunce, para a protecção da sua filha Peralta e dos seus tesouros, depois de ser derrotado e expulso de Conímbriga. De acesso gratuito, vale a pena percorrer as muralhas em xisto e subir à torre de menagem, para apreciar a paisagem do topo. Depois seguir para a praia fluvial e visitar a pequena capela dedicada a Nossa Senhora da Piedade.

Praias fluviais da Lousã

O concelho da Lousã possui três praias fluviais, vigiadas durante a época balnear que merecem uma visita. A mais conhecida é a praia da Sra da Piedade, junto ao castelo, lugar conhecido entre a população por “Burgo”. Para lá chegar, é preciso descer uma estrada sinuosa de dois quilómetros.

Banhada pelas águas frescas e transparentes da ribeira de São João, esta pequena praia de Bandeira Azul possui uma cascata que recebe um baloiço, quando o leito tem água suficiente. O recinto conta com um café com esplanada, mesas e cadeiras para um belo piquenique.

Não muito longe, existem duas praias bem maiores, banhadas pelo rio Ceira: a praia fluvial da Senhora da Graça, à entrada de Serpins, e a praia fluvial da Bogueira, que possui uma pequena piscina ideal para as crianças.

Trilhos para caminhadas e BTT

Para quem gosta de caminhar, saiba que existem mais de 600 quilómetros de percursos pedestres devidamente homologados, para além de vários trilhos de BTT, com vários níveis de dificuldade e apoiados por Centros de BTT.

O primeiro percurso pedestre é o PR1 – Caminho do Xisto da Lousã – Rota dos Moinhos, de 6 quilómetros, e liga o centro da Lousã ao complexo da Nossa Senhora da Piedade (onde fica o castelo, a praia fluvial e a capela). Ali chegados, é possível encontrar outros percursos que percorrem as encostas da serra até às aldeias de xisto. Pode consultar os trilhos no site do município aqui ou da rede de aldeias do xisto.

As letras “Lousã” ficam na estrada para a aldeia do Chiqueiro.

Projecto “Isto é Lousã”

O projecto “Isto é Lousã” instalou peças em madeira em vários locais emblemáticos do território, que dão um toque especial à Serra da Lousã. É possível que já tenha visto várias destas instalações no Instagram. É o caso da moldura com vista para a vila da Lousã, as letras gigantes a caminho da aldeia do Chiqueiro, miradouros para várias aldeias de xisto e o famoso Baloiço de Trevim, a 1200 metros de altitude.

Com uma vista magnífica sobre o vale, ali volta-se à infância para baloiçar sobre o vazio e sentir a brisa fresca nos cabelos. Aqui o vento não sopra, canta, guiando-nos pelos seus versos. O lugar é particularmente bonito ao pôr do sol. Se o encontrar repleto de gente, é sentar-se nos troncos de madeira e apreciar a paisagem.

Outros locais bonitos do Isto é Lousã em que tropeçámos:

  • Baloiço Alto do Trevim (coordenadas de GPS: 40°04’37.7″ N | 8°11’28.6″ W)
  • Moldura na estrada da Lousã-Talasnal (40°05’43.9″ N | 8°14’32.5″ W)
  • Letras “Isto é Lousã”, perto da aldeia de Chiqueiro (40°05’16.1″ N | 8°14’07.0″ W)
  • Baloiço da Praia Fluvial da Senhora da Piedade (não estava instalado ainda, mas o spot é muito bonito)
  • Moldura para a aldeia do Talasnal (cuidado que a estrada é muito estreita e não existe lugares de estacionamento)
  • Miradouro sobre a aldeia do Candal

Dicas úteis para visitar a Serra da Lousã

Como chegar à Lousã

O percurso da Serra da Lousã ao Porto demora um pouco mais de hora e meia. Pode apanhar a auto-estrada A1 Lisboa-Porto, sair em Coimbra e depois tomar a variante de Foz de Arouce e a EN17 até à Lousã.

Se partir de Lisboa, poderá contar com um pouco mais de duas horas, saindo da A1 em Torres Novas, convergindo para a A23 e A13 (que passa em Tomar), e depois tomando a saída 26 para a N342.

No concelho da Lousã, as estradas são razoáveis, incluindo o acesso ao baloiço de Trevim, que estava em péssimo estado recentemente. No entanto, refira-se que a maioria das estradas de acesso às aldeias de xisto são muito estreitas: quase não passam dois carros em sentido oposto. Pelo que se recomenda prudência.
Se gosta de viagens de carro, vai gostar de ler também Road trip no Alto Alentejo e EN103: eco road trip de Bragança ao Alto Minho.

A aldeia de Chiqueiro pode ser a menos interessante, mas a estrada para lá chegar não.

Quando visitar

A Serra da Lousã recebe os visitantes de forma distinta, nas várias estações do ano. No Inverno, com chuva ou neve, as aldeias do xisto são encantadoras: alugue uma casa com lareira. Na Primavera, a serra enche-se de flores e os riachos cantam em todo seu esplendor. No Verão, pode aproveitar as praias fluviais. No Outono, a serra fica pincelada de espectaculares tons de amarelos, castanhos e vermelhos, com a vantagem de coincidir com a época de acasalamento dos veados.

Se pretende fazer caminhadas e outras actividades na Natureza, os meses de Primavera e Outono serão os melhores para uma escapadinha na Serra da Lousã.

Comer na Lousã

Entre os produtos tradicionais, destacam-se os licores (ex. o Licor Beirão), os vinhos, o mel DOP Serra da Lousã e os enchidos. Poderá encontrar estes produtos gourmet, bem como artesanato, tradicional e contemporâneo, nas Lojas do Xisto.

À mesa pode contar com chanfana, cabrito, sardinha albardada, javali com castanhas, migas e serrabulho. Alguns dos restaurantes onde pode provar estas iguarias tradicionais são o restaurante Burgo junto ao castelo da Lousã, famoso pela “rapsódia”, que consiste em seis entradas, seis pratos principais e seis sobremesas. Nós não conseguimos que nos atendessem o telefone para fazer reserva (obrigatória), portanto não podemos atestar a qualidade.

Na aldeia do Talasnal, recomendo vivamente o rústico restaurante Ti Lena, com comida caseira, como se tivesse sido feita pela nossa avó. A senhora só faz comida por encomenda, portanto é imperativo fazer reserva e, fora da época alta (Julho a Setembro), só abre aos fins-de-semana e feriados. Nós provámos e aprovámos o bacalhau assado com batata a murro, mas o lugar é famoso pelo cabrito assado no forno.

Na aldeia do Candal, o pequeno, mas acolhedor, restaurante Sabores da Aldeia também é uma escolha segura. Cabrito assado, entrecosto com castanhas e bolo de mel são os seus pratos fortes. Como já perceberam, a serra não dá vida fácil aos vegetarianos. Para estes, uma boa opção será a Taberna Burguesa, a Villa Lausana ou Q.B. Restobar, todos eles na vila da Lousã.

Dormir na Lousã

Acho que a experiência de dormir numa aldeia de xisto é incomparável, pelo que recomendo uma das unidades do Talasnal montanhas de amor ou uma das nove casas de xisto renovadas, com kitchenette, da Cerdeira Home of Creativity.

Na vila, pode aproveitar o charme do boutique hotel Palácio da Lousã, inserido na antiga Casa da Viscondessa de Espinhal. O edifício brasonado (do século XVIII) e classificado como Património Histórico de Interesse Público é muito glamouroso. Depois, existe todo um conjunto de unidades em espaço rural que permitem um contacto próximo com a natureza como este Adore Portugal Bungalow Natureza & Vista de Serra.

Este post faz parte do 8on8, um projecto colectivo que une lindas viajantes em volta de um tema comum, no dia 8 de cada mês. Espreitem os restantes textos sob o tema “Viagens de carro”, inspirem-se e partilhem: 

Entre Mochilas e Malinhas – Viagens de carro – uma lista de estradas incríveis no Brasil | Dani Turismo – Bate e volta à partir do Rio de Janeiro | Let’s Fly Away – Vale dos Vinhedos de carro. Uma viagem romântica no sul do Brasil | Mulher Casada Viaja – Roadtrip na Itália: a Grande Estrada das Dolomitas |  Chicas Lokas na estrada – O que você precisa saber para viajar de carro pelo Rio de Janeiro | Viajante Econômica – Viagem de carro: dicas para viajar tranquilo | Destinos Por Onde Andei – Viagens de carro próximo à BH | Entre Polos – Como é a viagem de ônibus do Egito para Israel | Espiando pelo Mundo – Rodando de carro pela Serra Catarinense

Planeie a sua próxima viagem

Faça as suas reservas através dos links parceiros. Não paga nem mais um cêntimo e para mim faz toda a diferença

  • Encontre os melhores hotéis no  BookingÉ onde eu faço as minhas reservas
  • Se precisa de transporte próprio, alugue um carro com a Rentalcars 
  • Reserve os seus bilhetes para monumentos e tours, evitando filas, usando o Get your Guide 
  • Faça um seguro de viagem com a Iati seguros (beneficia de 5% de desconto com este link).

Este post pode conter links de afiliados

Partilhar
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados

22 Comentários

  1. Joana Marques

    E foi um fim de semana tão bom! Maravilhoso! Apesar de tantos degraus e tantas subidas vale a pena. Pela companhia, pela beleza do lugar, pelas fontes de água fresca que vamos encontrando pelo caminho e que nos dão ânimo para continuar.
    Obrigada por este fim de semana maravilhoso meus amores.

    1. Ruthia

      Foi tão bom!

  2. Sabrina Albuquerque de Araújo Costa

    Muito obrigada por me apresentar este destino português. Não tinha ouvido falar da Serra da Lousã e achei o lugar muito interessante.

    1. Ruthia

      É um destino bem frequentado por portugueses mas os estrangeiros ainda não o descobriram

  3. Cintia Grininger

    Que fim de semana perfeito em meio à natureza! Adorei os caminhos da Serra da Lousã e suas aldeias charmosas. A cada post sobre as serras de Portugal me surpreendo mais, acho linda essa combinação de história com natureza.

    1. Ruthia

      Eu gosto muito dessa conjunção de natureza, história e boa comida. Foi um fim de semana muito feliz

  4. Dani Mi

    Eu sou fascinada pela natureza e quando visitei Portugal, conheci somente a serra da Estrela, das três mencionadas nesse post. Achei um lugar super especial e que incentivou a voltar mais uma vez, para desbravar com calma. Vi no Maps que a distância entre as serras é de quase 2h de viagem de carro.

    Acredito que ficarei alguns dias em Coimbra, para depois conhecer primeiro a serra Lousã e seguir rumo a da Estrela, para matar saudades! Hoje em dia, eu preso muito mais pela qualidade de viagem, passando mais tempo em cada lugar: para relaxar e curtir tudo com calma.

    1. Ruthia

      Na verdade, a serra da Lousã faz parte da mesma cordilheira da Serra da Estrela. São as duas bonitas, mas as aldeias do xisto dão um charme muito especial a esta opção

  5. Suriàn

    Adorei conhecer a Serra da Lousã, so ouvia falar da Serra da Estrela. Nunca tinha ouvido falar desta. Obrigada por me apresentar!

  6. Cecilia

    Portugal é tão pequeno quanto encantador! A Serra Lousã já me conquistou só de ler seu relato e ver estas fotos. Fico imaginando esta região de casas de Xisto com neve! Ah! Deve ser lindíssimo. Não vejo a hora de poder voltar a viajar e conhecer Portugal. Beijos, querida.

    1. Ruthia

      Também fiquei a imaginar isso, quando visitei a região. Adoraria voltar no Inverno, mas desde que o meu marido conduza. Porque aquelas estradas são desafiantes até no Verão!

  7. Marcia Picorallo

    Ruthia, tipo de lugares que adoro! Pena que ficam tão longe de casa ehehe. Adoraria fazer um workshop de cestaria e fotografar as texturas das casas de xisto, e caminhar pela muralha do castelo de Arouce. Quem é este menino altíssimo?! Como cresceu! beijos e parabéns pelo texto, sempre boas descrições que me levam à tua terra.

    1. Ruthia

      Pois é Márcia, deu um pulo e está quase do meu tamanho. Mas continua um belíssimo companheiro de estrada (até quando, não sei dizer, um dia destes vai começar a voar a solo).
      Beijos querida

  8. Marta

    Seus posts são um bom descanso para os olhos nestes tempos complicados (por aqui ainda não é possível pensar em viagens que não sejam indispensáveis). Vejo, também, que o “pequeno explorador” já não é pequeno Se a ideia é apresentar viagens possíveis com crianças… O design do blog está lindo. Parabéns!

    1. Ruthia

      Obrigada querida. Fazemos as escapadinhas possíveis, com todas as regras de segurança. Mas confesso que tenho muitas saudades de me enfiar num avião.
      P.S. é verdade, já não tão pequeno o explorador!

  9. Denise Barreto

    Olha, cada vez mais tenho vontade de conhecer as belezas de Portugal. Confesso que ainda não tinha ouvido falar da Serra da Lousã. Adoraria fazer uma das trilhas! Abraços!

    1. Ruthia

      É um destino muito bonito, para quem aprecia natureza

  10. GISELE PROSDOCIMI

    Estive no Porto recentemente e nas minhas pesquisas não encontrei nada sobre a Serra Lousã, que pena, senão teria incluído em nossa viagem pelo norte de Portugal.
    Pelo que conseguiu mostrar, parece um destino rico em ótima gastronomia, pessoas acolhedoras, trilhas, miradouros e vilarejos aconchegantes e tradicionais. Adorei, espero conhecer quando puder retonar à Portugal.

    1. Ruthia

      A Serra da Lousã não fica no Norte, Gisele, mas no centro de Portugal. A cidade próxima que pode servir de referência é Coimbra. A vila da Lousã, onde pode facilmente acessar estas maravilhas descritas no post, fica a cerca de 25 km de Coimbra

  11. Zudi Dadalt

    Ruthia querida, como é bom viajar por Portugal através dos seus relatos. Muito feliz por hoje ter conhecido a Serra da Lousã e as aldeias de xisto. Fiquei aqui sonhando com uma temporada por Portugal com bastante tempo para desfrutar dessa natureza. Essa cordilheira deve ser muito encantadora com todas as opções de atividades. Que delícia deve ser um workshop artesanal em um ambiente especial assim. E as casinhas de xisto, que sonho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

JPG_1606302493785

Ruthia Portelinha

Viajante, chocólatra, leitora compulsiva, mãe. Está a aprender chinês porque sim.

Posts Populares
Fundador da ABVP
Viagens de uma Vida
Livro viagens de uma vida
Viagem de grupo a Marrocos

7 dias em Marrocos 430 euros
Marrakech até Deserto do Saara
>> Viagem de Grupo Marrocos <<